EspecialistasMato Grosso

Além da soja, Mato Grosso tem potencial para plantio de florestas

A produção do etanol de milho é um mercado em expansão no Brasil. A União Nacional do Etanol de Milho prevê que o país salte a produção de etanol de milho de 1,4 bilhões de litros/ano para algo em torno de 4 bilhões de litros/ano nos próximos cinco anos, chegando a 8 bilhões de litros em 10 anos.

Esse crescimento gera automaticamente novas demandas de mercado, entre elas fontes de energia, proporcionada em sua maioria, pela madeira. Com isso, o plantio de florestas deve crescer e muito nos próximos anos, especialmente no Mato Grosso, maior estado produtor do etanol de milho.

Hoje acompanhamos um movimento recente junto a produtores agroindustriais que avaliam, dentre outras fontes, o eucalipto como cultura florestal para produção sustentável de biomassa e abastecimento de usinas de etanol de milho. Como na produção do etanol de milho não há o bagaço para fonte de energia, como a cultura da cana-de-açúcar, esse tipo de usina precisa de outra matéria-prima para abastecer as caldeiras.

Neste sentido, o setor florestal brasileiro já é tido como um dos mais competitivos para a produção de biomassa a partir de florestas plantadas. Desta maneira, cria-se mais uma oportunidade para o setor, como uma forte tendência de fornecer soluções e projetos florestais, principalmente no Mato Grosso, estado líder na produção de etanol de milho no país”, avalia o engenheiro florestal, Luiz Fellipe Arcala.

Arcala lembra que pelo menos 15 novas indústrias de produção de etanol de milho, seja flex (etanol misto) ou full (somente de milho), começarão a ser implantadas no país todo, em especial na Região Centro Oeste, nos próximos anos. “Essas usinas tendem e começam a puxar essa demanda de plantio florestal para suprir esse déficit futuro. Nesse contexto, o estado do Mato Grosso pode se tornar a grande vitrine no plantio florestal. O estado tem gerado uma série de programas de usinas de etanol de milho, o que o transforma em um mercado muito promissor na questão do plantio florestal”, prevê.

Segundo o engenheiro, o movimento de produtores rurais de outras culturas, como a soja, já está no sentido de investir em florestas. “Tenho acompanhado produtores investindo em plantação de eucaliptos em áreas marginais de plantação da soja e já em busca de contratos com usinas futuras”, afirma.

A rentabilidade do plantio de florestas é outro ponto para qual Arcala alerta. “Um produtor de soja, por exemplo, pode ter grande rentabilidade, mas sempre existe uma área ou outra em que ele não consegue produzir a um nível de viabilidade econômica satisfatório. É aí que entra o plantio da floresta como uma ótima opção de rentabilidade, desde que haja uma garantia ou grande expectativa de mercado consumidor futuro. Falamos hoje em algo em torno de 6% a 13% mais o IPC-M (Índice de Preço ao Consumidor) de retorno ao ano, o que na nossa realidade econômica é muito interessante”, explica.

Fonte: AGROCLIMA

Artigos relacionados
GeralNotícias

Mato Grosso validou mais Cadastros Ambientais Rurais (CAR) no Brasil

Mercado FinanceiroNotícias

Preço médio do etanol no Centro-Oeste aumentou 3,05%, diz Ticket Log

GeralNotícias

Diagnóstico da Agropecuária amplia desenvolvimento de atividades nas áreas rurais de Cuiabá-MT

Mercado FinanceiroNotícias

Boi: confira a relação de troca boi-bezerro de Mato Grosso

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.