conecte-se conosco

Geral

Área de trigo deve aumentar de olho na rentabilidade

Publicado

em

trigo

Segundo analistas, cálculo de resultado da safra deve considerar a relação entre o custo levantado e a quantidade de sacas necessária para pagar esse custo

A safra de inverno 2021 começa com boas vantagens aos produtores, de acordo com projeção de analistas e representantes do setor. O custo menor em sacas de trigo; a valorização do valor pelo trigo acima da média histórica; a segurança genética das cultivares; a oferta adequada de sementes no mercado e a estratégia de rateio dos custos fixos da lavoura com a soja estão entre os fatores que estão motivando os produtores a aumentar a área plantada.

Segundo o pesquisador do setor de Economia Rural da Fundação ABC, Cláudio Kapp Júnior, uma vantagem importante para o produtor neste ano é que a média de cotação da cultura está com preços superiores no momento da formação do orçamento. “Na safra de 2021 o agricultor vai economizar em média 390 kg de trigo grão por hectare para pagar o custo. Além disso, há uma expectativa de comercialização com bons preços, o que faz com que a perspectiva de resultado suba de aproximadamente R$ 527 para R$ 1.240 ou seja, R$ 713 a mais por hectare”, explica.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

Cláudio ressalta que o saldo é positivo para o produtor nesse ano mesmo com o aumento de aproximadamente 30% na composição dos custos variáveis do trigo. O valor dos custos variáveis passou de R$ 2.461 em 2020 para R$ 3.204 em 2021 para a região de atuação da Fundação ABC, mas a cotação do preço pago aumentou 60% no período.

O cálculo para prever os preços realizado pela Fundação ABC é baseado na relação entre o custo levantado e a quantidade de sacas necessária para o custeio, considerando o ambiente de preços do momento em que o produtor está realizando a cotação de compra dos insumos. “É preciso considerar que esse valor pode variar, dependendo da estratégia de comercialização. Diferente das expectativas no momento das cotações de custo, se o produtor deixou para vender a safra de 2020 entre os meses de novembro e fevereiro de 2021 ele obteve um resultado maior do que o esperado. Da mesma forma, para a safra de 2021, as possibilidades de preço realmente praticadas para quem comercializar na sequência podem ser superiores ou inferiores”, destaca Cláudio. O levantamento da Fundação ABC considerou uma perspectiva de custos e resultados em 1 hectare da cultura do trigo nas safras de 2020 e 2021, utilizando referência de preço de mercado apresentados de setembro de 2019 a fevereiro de 2020 para a safra 2020 e, setembro de 2020 a fevereiro de 2021 para a safra de 2021.

Leia também:  Milho e soja recuam; óleo de soja tem queda com preocupações da lei para biocombustíveis

Perspectiva otimista no Paraná

O Paraná também projeta uma boa safra mesmo com aumento em custos em reais por saca, diante dos dados remuneradores e dos custos menores da saca de trigo nesse ano. A estimativa do Departamento de Economia Rural (Deral) do Paraná deve ser divulgada no final de março, mas segundo o coordenador da divisão de Estatística do Departamento de Economia Rural (Deral) do Estado, Carlos Hugo Godinho, estima-se que a área de 2021 deve ser maior que a da safra 2020, ultrapassando novamente 1,1 milhão ha. “Esperamos até uma área maior e, especialmente, um aumento de produção porque em 2020 a safra foi bastante prejudicada pela seca. A estimativa inicial prevê uma produção acima de 3,5 milhões de toneladas”, disse.

https://agronewsbrasil.com.br/conheca-racas-brasileiras-de-caes-para-pastoreio/

Para Marcelo Sumiya, gerente de Assistência Técnica da Coamo, mesmo com um aumento de 31,5% nos custos em reais por saca em relação à 2020, considerando uma produtividade estimada de 3,5 kg/ha, a conversão em sacas em 2021 mostra uma redução de aproximadamente 17% do custo em sacas de trigo a menos do que no ano passado. Em 2020, a saca de trigo em Campo Mourão/PR era comercializada a R$ 48 e agora a cotação é de R$ 77. “É um cenário de custo em sacas por hectare menor em relação a 2020 e também a menor a relação de troca entre o preço do dia e o custo desde a safra de 2015.”, avalia.

Leia também:  Entenda os impactos da suspensão das exportações de carne bovina da Argentina para o Brasil

Área deve superar a 1,1 milhão de hectares no RS

Com previsões otimistas, a tendência é de que a área semeada também aumente. “Tendo oferta de sementes, conforme o mercado sinaliza que temos, podemos chegar a 1,1 milhão de hectares em 2020”, projeta o diretor vice-presidente da Farsul, Hamilton Jardim, que coordena a comissão de trigo e demais culturas de inverno da Farsul e é presidente da Câmara setorial da cadeia produtiva das culturas de inverno do Ministério da Agricultura. Analisando as perspectivas de oferta e preços pagos, Hamilton diz que a safra atual tem sido negociada pelos produtores de trigo com uma margem de lucro acima da média histórica. “Se analisarmos o preço praticado no trigo no ano passado e comparar com o presente e o futuro, essa alta é muito maior do que o aumento no custo de produção. Então a relação de troca fica muito mais favorável ao produtor. Por isso o cenário é altamente positivo”, explica. A realidade atual também é de maior segurança, bem diferente de anos atrás quando o produtor trabalhava com valores incertos. “O produtor já consegue fechar neste momento em várias praças do Rio Grande do Sul preços para a entrega em novembro, dezembro, janeiro ou fevereiro. O cenário é muito bom”, projeta.

Leia também:  Estão abertas as inscrições para o Congresso Brasileiro do Agronegócio 2021

Hamilton comenta os custos de produção de trigo divulgados pela Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS), que indicam uma alta de 21,77% em comparação a 2020. “A composição dos custos precisa levar em consideração a herança deixada pelos cuidados com a terra para as próximas culturas. O custo fixo, que é aquele relacionado aos cuidados com o solo e depreciação das máquinas, é diluído pelo que se colhe a mais após a lavoura de trigo, nos mesmos talhões que receberam atenção e manejo especial do produtor no inverno”. Em termos de custo, para Hamilton, a alta do dólar foi responsável pela elevação dos custos. “O óleo diesel subiu, os insumos subiram, consequentemente essa chuva de custos de produção, na nossa visão, foi em torno de 25%”. Hamilton reitera que na relação do custo baseado em grãos, moeda do agricultor, a relação está muito em favor do produtor, o que deve explicar um possível aumento da área no estado.

Por Biotrigo

AGRONEWS – Informação para quem produz

Publicidade
Clique para comentar

Comente sobre esta matéria

Tendências