Mercado Financeiro

Carne: com o surgimento da pandemia do COVID-19, varejo segue com mudanças

Quem tece considerações em torno do assunto é Elizabeth Doughman, editora da newsletter Poultry Future

As indagações que levanta referem-se às mudanças que ocorrerão ao nível do varejo mas que, sem dúvida, influenciarão também o atacado das carnes. Acompanhe o que dizem os especialistas ouvidos por Doughman:

“A pandemia do COVID-19 mudou drasticamente a forma como os consumidores efetuam suas compras, levando ao aumento das vendas de frango e peru resfriados nas lojas de varejo e ao uso crescente de opções pelas entregas sem contato. Essas mudanças influenciarão os hábitos de compra futuros?”

Siga-nos no facebook e instagram

“Se isso continuar por algum tempo pode começar a mudar a maneira como você age em relação às interações físicas com lojas e pessoas de varejo ”, explicou Neil Stern, sócio sênior da McMillianDoolittle. “Nesse cenário, aumenta enormemente o interesse em extrema conveniência, incluindo serviços de entrega e assinatura, enquanto pensamos em novas maneiras de levar produtos às pessoas”.

Mudanças no comércio eletrônico

Como exemplo, Stern menciona o novo Amazon Go Grocery, que permite aos clientes comprar itens usando um aplicativo em seu telefone sem nenhuma interação humana. Outras opções automatizadas e tecnológicas incluem a coleta de compras do Walmart, o serviço de entrega da Instacart ou o novo site direto ao consumidor da Perdue Farms [uma das principais e a mais tradicional empresa avícola dos EUA, neste ano completando um século de existência].

O comportamento do consumidor em reação à pandemia do COVID-19 abrange seis fases, diz a plataforma de analistas Nielsen. No decorrer da sexta fase – que ocorrerá quando as quarentenas do Covid-19 forem levantadas e a vida voltar ao normal – a Nielsen prevê que haverá “mudanças permanentes” no “uso do comércio eletrônico”.

“O surto já causou uma série de mudanças no comportamento das compras e estamos focados em entender as que virão a seguir, quanto tempo durarão e se alguma delas permanecerá conosco depois que o surto ficar para trás”, disse em comunicado o líder de Inteligência Global da Nielsen, Scott McKenzie.

Um híbrido de varejo e restaurante?

“Alternativamente, esse poderia ser um lembrete maravilhoso de que todos nós gostamos de interação, tornando a experiência ainda mais importante”, acrescenta Stern. Antes do início da pandemia, redes de supermercados como a Whole Foods e a Wegmans proporcionaram aos consumidores uma experiência híbrida de varejo e restaurante, onde podiam – no mesmo local – adquirir refeições prontas para o consumo, assim como diferentes cortes de carne.

A Frisch’s Big Boy, uma rede de fast-food com lojas em Kentucky, Ohio e Indiana, mudou para Big Boy’s Market na pandemia da Covid-19, passando a vender produtos perecíveis como leite, frutas, legumes e salada de atum caseiro, além de itens menos perecíveis como pão, açúcar, água engarrafada e papel higiênico – tudo através do sistema “drive-thru”.

Atuar como um mini supermercado vem permitindo à Frisch’s Big Boy ampliar o número de empregados, ao mesmo tempo que mantém boas relações com a comunidade.

AGRONEWS BRASIL – INFORMAÇÃO PARA QUEM PRODUZ

Fonte: Avisite

Artigos relacionados
Mercado FinanceiroNotícias

Até 2031, movimento do mercado global de aves mais do que dobra atingindo US$ 592,7 bilhões

Diárias de Mercado

Frango: poder de compra recua em junho em 2022

Mercado FinanceiroNotícias

Veja a evolução das exportações de carne de frango em 10 anos

Mercado FinanceiroNotícias

Custos de produção de suínos caem em maio; produzir frango ficou mais caro em 2022

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.