fbpx
conecte-se conosco

Mundo Animal

Como adestrar e educar cães pastores?

Publicado

em

Conheça as principais características de raças como Border Collie, Pastor Alemão, Malinois e Australian Cattle Dog e treinos para que se comportem

Falando sobre aspectos comportamentais e de treinamento e adaptação doméstica dos cães por grupo de afinidade genética, abordamos neste artigo os cães pastores. Entre eles, há diversos pastores bastante conhecidos no Brasil. O mais famoso é, sem dúvida, o Pastor Alemão, que nas cidades atua principalmente como cão de guarda e companhia.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Yoututbe

Conforme minhas observações em parques, praças, ruas e residência de clientes de São Paulo, há várias outros pastores com popularidade crescente. É o caso do Pastor Belga Malinois, do Pastor Branco Suíço e do Pastor Maremano Abruzês. São vistos também o Collie, o Kuvasz, o Old English Sheepdog e os Pastores Belgas Groenendael e Tervueren. Já o Border Collie, o Pastor de Shetland, o Australian Cattle Dog e o Pastor Australiano (Australian Shepherd) são presença garantida nas competições de agility, além de companheiros de pessoas bastante ativas.

Pastor Maremano Abruzês

Características gerais

Temperamento: Extremamente inteligentes, os pastores são atentos ao condutor, adoram cumprir ordens e realizar tarefas, atividades que aprendem rapidamente. Falta de obediência não é reclamação comum com relação aos cães pastores, exceto por parte de quem ainda é inexperiente na lida com eles. Confiantes e equilibrados, independentemente do tamanho, os pastores são extremamente carinhosos com os donos e mesmo com as crianças, desde que sejam respeitados. Mas, com estranhos, tornam-se agressivos sempre que julgam necessário e podem hostilizá-los com latidos, “beliscá-los” e até mordê-los.

Australian Cattle Dogs – raça muito usada nos rebanhos

Energia: Os pastores possuem alto nível de energia. Deixá-los sem acesso a áreas externas por longos períodos, portanto, não é boa ideia. Por um lado, cada vez mais os criadores de pastores não os indicam para quem vive em apartamentos, especialmente os de raças de médio e grande porte. Por outro lado, são crescentes os casos de Border Collies, Australian Cattle Dogs e Pastores de Shetland que vivem bem em apartamentos. Nesses casos, o segredo para o sucesso é a prática de atividades em conjunto com companhia e educação. Dois passeios diários é a recomendação mínima. Aos donos que não podem estar presentes, recomendo ocupar a cabeça e o corpo do pastor com a ajuda de profissionais como adestradores e passeadores e fazendo-o frequentar uma creche canina.

Border Collie – Excelente cão para pastoreio

Rotina e acomodações: Por serem cães rústicos, é comum ver pastores deitados no chão mesmo tendo camas e sofás disponíveis. Suas pelagens volumosas pedem cuidados especiais quando faz calor, como a oferta de lugares frescos para se refrescarem. Já que pastores costumam guardar a casa dia e noite, é importante que a educação e o manejo estejam sempre em dia para não haver problemas com excesso de latidos.
Com base em minha experiência profissional, vou listar, por ordem de importância, as principais reclamações dos donos de pastores na cidade de São Paulo. Nem todos os comportamentos para os quais as pessoas buscam auxílio expressam exatamente as características descritas no padrão oficial. Mas é preciso considerar que parte dos cães não foi criada em canis dedicados a aprimorar e a preservar a tipicidade racial.

Leia também:  Leite: preço reage e sobe 2,3% em abril, com oferta limitada

Agressividade com estranhos

Nos dias atuais, ainda é possível observar o instinto de proteção presente em todas as raças de pastores citadas neste artigo. Afinal, pastorear rebanhos não era a única função esperada para esses cães. Também tinham de proporcionar proteção dos intrusos, fossem eles animais ou pessoas. Por isso, os pastores tendem a ser reservados com animais e gente estranha. Inclusive em ambiente urbano, o normal é ladrarem e atacarem se o aviso que deram para manter distância da propriedade ou do condutor não for atendido.

Aprender a tolerar a proximidade dos estranhos é importante na vida em cidades. Para tanto, é preciso um bom investimento em obediência e socialização. Isso não significa que o cão precisa ser ensinado a gostar dos desconhecidos. Mas não deve sentir medo deles nem ser agressivo com eles em momentos impróprios, emitindo latidos excessivos ou fazendo perseguições equivocadas, como a skates e bicicletas.

Excesso de latidos

Pastor Belga Malinois

Cães pastores gostam de latir. Essa é a forma fácil e eficiente de se comunicarem, tanto na condução de reses quanto ao lhes proporcionar proteção. Por isso, a orientação é controlar os latidos e não eliminá-los. É uma boa iniciativa escolher momentos do dia nos quais o pastor possa “proteger a casa” e deixá-lo latir um pouco no portão ou na janela. Dessa maneira, ele extravasará a necessidade e perceberá que há regras sobre quando latir e quando não fazê-lo.

Leia também:  Em Mato Grosso, deputado Allan Kardec apresentou maior obra de pavimentação do estado

Roer móveis e objetos

Roer é quase sempre a escolha do cão ao sentir necessidade de extravasar a energia acumulada. Nesses momentos, se ele não possuir brinquedos para roer, os principais alvos passarão a ser batentes, portas, paredes e pés de móveis. Recomendo, portanto, que o cão tenha, no mínimo três, brinquedos diferentes para serem roídos. É essencial que esses brinquedos sejam seguros e resistentes, como os de nylon rígido, especialmente para os cães de porte médio e grande, que possuem mandíbulas poderosas.

​Pular para pedir atenção

É quase impossível ignorar um cão pulando em cima de você, especialmente se ele tiver muita energia e se for de grande ou médio porte, como é o caso de muitos pastores. A educação e os exercícios para corrigir ou prevenir esse comportamento antes que se torne um problema devem começar cedo. Ensinar o cão a permanecer com as quatro patas no chão é o mais importante. Apenas dar broncas quando ele pula é uma providência inadequada, já que quando o cão consegue a atenção que queria tende a pular ainda mais.

Leia também:  Governo de SC oferece linhas de crédito especiais para minimizar os efeitos da estiagem

Por André Barreto – Cães e Cia

AGRONEWS BRASIL – Informação para quem produz

Leia também: https://agronewsbrasil.com.br/conheca-a-raca-de-cao-de-trabalho-pastor-maremano-abruzes/

Publicidade
Clique para comentar

Comente esta matéria

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo Animal

Será que os cachorros sentem frio? Confira:

Publicado

em

cachorro com frio

Inverno chegando, temperaturas baixando e a vontade de ficar debaixo do cobertor aumentando… nesta época do ano, muita gente têm dúvidas em relação aos cuidados com os cães. Afinal, cachorro sente frio? A pelagem é o bastante ou devemos fazer alguma coisa para mantê-los quentinhos e confortáveis? É o que vamos te explicar nesta matéria.

Por mais que pareça óbvio para muita gente, essa é uma dúvida bastante comum entre os tutores. Por isso, é importante saber se o cachorro passa frio e o que fazer para esquentá-lo.

Cachorro sente frio?


Sim, cachorro sente frio assim como nós humanos, mas não da mesma forma que a gente. Isso porque algumas raças são mais sensíveis às baixas temperaturas do que outras. Por exemplo, um Husky Siberiano, devido à pelagem espessa feita especialmente para resistir ao frio, é mais resistente que um Pinscher, uma raça de pelo curto nada adaptada a condições tão adversas.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

Dessa forma, devemos deixar claro que quanto mais pelos um cachorro tiver, maior será a resistência dele ao frio. Isso significa que os cães de pelos curtos ou até mesmo os pelados precisam de uma atenção especial durante o inverno.

Leia também:  Leite: preço reage e sobe 2,3% em abril, com oferta limitada

Raças de cachorro que mais passam frio

Além da densidade da pelagem, que ajuda a controlar o calor, a gordura corporal também é um fator que contribui para o cachorro ser mais resistente ao frio. Ou seja, os cães magros e com pelos mais curtos e menos densos são os que mais sofrem.

Veja algumas raças de cachorro que mais sentem frio:

  • Chihuahua
  • Pinscher
  • Greyhound
  • Whippet
  • Galgo italiano
  • Dachshund
  • Braco Alemão de Pelo Curto
  • Boxer
  • Boston Terrier
  • Fox Paulistinha (Terrier Brasileiro)

Obviamente seu pet não vai chegar até você e pedir uma blusa de moletom. Por isso, é preciso se atentar a alguns sinais para saber se o seu cachorro sente frio. Como:

  • Tremedeira;
  • Passar muito tempo deitado e encolhido;
  • Dormir mais que o habitual;
  • Respiração e movimentos mais lentos que o normal;
  • Letargia;
  • Busca por abrigos e locais mais isolados;
  • Querer ficar próximo de pessoas e outros animais;
  • Percebeu que os sinais de que um cachorro sente frio são bem parecidos com os nossos? Mas, além disso, podemos ter uma ideia de como está o corpo do pet tocando a ponta das orelhas ou coxins (as almofadinhas das patas). Se essas partes estiverem geladas, corra e pegue um cobertor ou roupinha para ele!
Leia também:  FCO aprova R$ 53,1 milhões para investimentos na modalidade rural

Qual temperatura o cachorro sente frio?

A temperatura corporal média dos cães é de 39 graus. Dessa forma, quando ela está abaixo disso, eles buscam algumas maneiras de se esquentar (como deitar e se encolher ou tremer). Porém, caso ainda sintam frio, eles podem ter problemas de saúde como “gripe” e pneumonia, por exemplo.

https://agronews.tv.br/conheca-o-famoso-cao-boiadeiro-brasileiro-pastor-da-mantiqueira/

Em casos mais extremos, para um cão em situação de rua, existe a chance de ocorrer um quadro de hipotermia, que é a redução drástica da temperatura, o que pode levar o animal a um quadro grave e até ao óbito.

Cachorro com frio: como proteger?

A primeira dica de como proteger o cachorro do frio é: ofereça um local quentinho e confortável para ele dormir. Caso o seu cachorro fique fora de casa, você deve colocar a casinha dele em um espaço onde não chova ou tenha correntes de vento.

Além disso, utilizar roupa para cachorro também é uma excelente forma de protegê-lo do frio, principalmente se o seu pet for de pelo curto. O ideal é acostumá-lo desde cedo a usar o acessório para que não estranhe ou fique incomodado.

Leia também:  Vamos entender porque os gatos caem em pé

Agora, se o seu cão fica dentro de casa a maior parte do tempo, você deve oferecer uma caminha para cachorro e até um cobertor ou edredom para ele se manter ainda mais aquecido. Em alguns casos, a roupinha para cachorro também é uma boa ideia.

Ah, e para os que têm dificuldade em colocar a roupinha no cachorro, temos uma matéria com dicas valiosíssimas de como fazer o pet se acostumar com a roupa.

Outros cuidados com cachorro no inverno:

  • Reduzir a frequência de banhos;
  • Banhá-los com água morna;
  • Reduzir a quantidade de tosas.
  • Passeios em locais fechados ou, se possível, vesti-lo com uma roupinha para cachorro para sair de casa.

Por Pet Love

AGRONEWS – Informação para quem produz

Continue lendo

Mundo Animal

Você sabia que o cérebro do gato é semelhante ao do humano?

Publicado

em

gato

“Sei que pode parecer tendencioso, mas devo dizer que, nós gatos somos animais inteligentes, amorosos… resumindo em uma palavra: – Únicos!! Segue algumas curiosidades desvendadas para que nos conheçam ainda melhor.”

Por Gato
gato

1 – A maior raça existente de gatos se chama Maine Coon, em que um gato pode pesar cerca de 12 kg, isso mesmo equivalente à 06 sacos de açúcar;

2 – A coluna do gato é extremamente flexível, porque possuí mais de 53 vértebras enquanto nós humano possuímos apenas 34 vértebras;

3 – Esse bichano passa em média 2/3 do dia dormindo. Isso significa que em 9 anos de vida, ele fica acordado apenas 3 anos durante sua via;

4 – O cérebro de um gato é biologicamente mais similar ao de um humano do que o cérebro de um cão. Ambos, humanos e gatos, têm uma região idêntica no cérebro que é responsável pelas emoções;

Leia Quantos anos vive um gato?

5 – Um gato roça num humano não apenas para mostrar afeto, mas também para marcar o seu território, devido ao odor que as glândulas à volta da sua face liberam… interessante sabermos que a cauda e as patas também possuem o mesmo odor;

Leia também:  Novo ciclone subtropical deve se formar na costa brasileira

6 – Ele consegue correr a 49 km por hora em curtas distâncias e saltar 5 vezes a sua altura num único salto, fantástico!!

7 – A menor raça existente é a Singapura, que pesa cerca de 1,8 kg, um verdadeiro enfeite para a sua sala;

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

8 – Os pequenos tufos de pelo nas orelhas de um gato servem para manter a sujidade fora, direcionar sons para o ouvido e isolar as orelhas;

9 – Um gato, em média, pode viver até 20 anos, o que equivale a cerca de 100 anos de vida dos humanos;

10 – Existem mais de 500 milhões de gatos domésticos no mundo, e aproximadamente 40 raças reconhecidas, são verdadeiros amigos da humanidade!!

E você, também tem um gato que faz a alegria do seu dia-a-dia? Deixe o seu comentário abaixo…

Por Daniele Delgado – AGRONEWS

AGRONEWS – Informação para quem produz

Leia https://agronewsbrasil.com.br/voce-sabia-que-as-vacas-enfrentam-mudancas-de-personalidade-na-adolescencia/

Continue lendo

Notícias

Vamos entender porque os gatos caem em pé

Publicado

em

Venha entender o motivo desses lindos felinos caírem em pé

Os gatos tem a mania de cair em pé porque eles têm um apurado senso de equilíbrio que lhes permite fazer movimentos rápidos e girar o corpo para cair sobre as quatro patas. Para executar esse incrível malabarismo, o felino conta com grande sensibilidade dos receptores vestibulares que integram o labirinto, uma estrutura na parte interna do ouvido responsável pelo equilíbrio.

gato
Foto Internet

Sempre que o gato está numa posição desconfortável, ocorre um aumento de pressão nessa região, o que funciona como um alerta.

Essas mensagens são somadas às que são captadas pela visão do gato, é enviada para o sistema nervoso central (SNC), que a interpreta e manda vários sinais elétricos (sinapses) para o aparelho locomotor do felino, principalmente os músculos, o sistema nervoso então realizam uma série de movimentos instintivos, que fazem o corpo do animal recuperar o equilíbrio.

“O primeiro movimento é a rotação da cabeça na posição correta em seguida da rotação da porção superior do corpo. Por fim, há a rotação da parte inferior”, diz o veterinário Gelson Genaro, especialista em felinos da USP de Ribeirão Preto (SP).

Leia também:  Governo de SC oferece linhas de crédito especiais para minimizar os efeitos da estiagem

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

Além do nosso querido amigo e companheiro gato, outros membros da família desse felino, cito como exemplo leopardos e jaguatiricas, também são capazes da mesma proeza.

Interessante… Gostou desta matéria? Compartilhe com seus amigos!

Leia também: https://agronewsbrasil.com.br/a-curiosidade-matou-o-gato/

Por Victor Delgado – AGRONEWS com informações de Superinteressante

AGRONEWS – Informação para quem produz

Continue lendo


Tendências