fbpx
conecte-se conosco

Mercado Investing

Confira o desempenho de exportação das carnes na 1ª semana do ano

Publicado

em

exportação de carne

Desempenho exportador das carnes na primeira semana de 2021

Ainda que venham a sofrer diluição à medida que o mês avança, os primeiros resultados das exportações de carnes de 2021 são bastante auspiciosos, mesmo restritos aos cinco primeiros dias úteis de janeiro (mês com 20 dias úteis).

Siga-nos no facebook e instagram

E o que mais chama a atenção, nesse caso, são os embarques do período, todos apresentando – pela média diária – expressiva alta em relação à média diária de janeiro de 2020. Assim, a carne de frango registra incremento de quase 30%, a bovina de 53% e a suína de, praticamente, 58%.

Pena, somente, que janeiro corrente tenha um dia útil a menos. Dessa forma, o aumento anual projetado para o mês da carne de frango cai para 17,37%, o da carne bovina para 39,13% e o da carne suína para 43,54% -o que, convenhamos, são ainda excelentes resultados.

Conheça 9 raças de porquinho-da-índia

Igualmente positivas são as perspectivas para a receita cambial, aí inclusa a carne de frango. Carne suína e carne bovina tendem a um aumento de receita da ordem de 30%, enquanto a carne de frango – que desde março de 2020 vem obtendo receitas mensais inferiores às de idêntico mês do ano anterior – sinaliza aumento próximo de 4,5%.

Leia também:  Frango vivo obtém alta no estado de São Paulo nesta semana
Confira o desempenho de exportação das carnes na 1ª semana do ano

Por Avisite

AGRONEWS BRASIL – Informação para quem produz

Publicidade
Clique para comentar

Comente esta matéria

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mercado Investing

Exportações de carne bovina crescem em março, diz ABRAFRIGO

Publicado

em

exportação de carne

Com a China ampliando suas compras após as comemorações do Ano Novo Lunar, o principal feriado daquele país, as exportações totais de carne bovina (in natura + processada) voltaram a crescer no mês de março

As informações são da Associação Brasileira de Frigoríficos (ABRAFRIGO), que compilou os dados fornecidos pela Secretaria de Comércio Exterior (SECEX/DECEX), do Ministério da Economia.

A movimentação do mês atingiu 159.422 toneladas, num crescimento de 8% sobre março de 2020 com suas 147.333 toneladas. A receita subiu de US$ 636,2 milhões em 2020 para US$ 713,5 milhões em março de 2021, num aumento de 12%.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

No acumulado do primeiro trimestre de 2021, a receita soma US$ 1,81 bilhão, praticamente igual ao valor do primeiro trimestre de 2020. Em quantidade, o acumulado de 2021 atingiu 411.025 toneladas contra 413.935 toneladas no mesmo período de 2020, o que significa ainda uma queda de 1%.

As compras chinesas, somadas com as de Hong Kong, vêm em crescimento contínuo em 2021: em janeiro foram 74.707 toneladas; em fevereiro atingiram 79.895 toneladas e em março 93.692 toneladas. No acumulado dos três primeiros meses do ano isso significou uma participação de 59,9% nas exportações totais de carne bovina brasileira e de 60% na receita obtida.

Leia também:  Suíno: demanda mantém preços do suíno em alta

Na segunda posição em importações do produto brasileiro veio o Chile, com 18.205 toneladas (-22% em relação a 2020); na terceira as Filipinas, com 14.522 toneladas (+41%); os Estados Unidos ficaram em quarto lugar, com 14.092 toneladas (+ 117%); em quinto veio o Egito com 12.063 toneladas (-36%), enquanto que Israel ocupou a sexta colocação, com 10.152 toneladas (-2,7%). Segundo a ABRAFRIGO, 58 países ampliaram suas aquisições enquanto outros 73 diminuíram. As informações partem da assessoria de imprensa da ABRAFRIGO.

Por Arno Baasch – Agência Safras

AGRONEWS – Informação para quem produz

Continue lendo

Mato Grosso

Mato Grosso segue com 2ª maior produtividade de milho da história

Publicado

em

milho

De acordo com o último levantamento da autarquia, o Estado alcançou uma produtividade média de 6.290 quilos por hectare, apenas superada pelo recorde alcançado em 2018/19, que registrou uma média de 6.376 quilos por hectare.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

Segundo a Conab, “em diversos municípios, o resultado obtido supera as expectativas iniciais, impulsionado pelos investimentos do produtor em sementes de alta qualidade, melhores pacotes tecnológicos e da maior aplicação de produtos fitossanitários e fertilizantes”. A companhia explica, no entanto, que os índices só não foram melhores porque alguns produtores arriscaram o plantio “fora da janela devido aos preços atrativos, bem como ao fato de haver ocorrido insuficiência de chuvas em determinados municípios”.

Na atual safra, Mato Grosso liderou novamente a produção de milho segunda safra no Brasil. No total, foram colhidas 34 milhões de toneladas do cereal, 9,7% a mais que na temporada anterior. O Estado também destinou uma área de 5,4 milhões para a cultura, o que representa um acréscimo de 11,2% em relação 2018/2019.

Leia também:  Exportações de carne bovina cresceram 12% em abril, mesmo com China comprando menos

Mato Grosso ainda teve um crescimento no plantio do milho primeira safra, segundo a Conab. O Estado destinou uma área de 41 mil hectares (+10,5% a mais que no ano anterior), alcançou uma produtividade de 8.399 quilos por hectare (crescimento de 19%) e produziu 345 mil toneladas do cereal (32% a mais).

Leia Neve no feriado de 7 de setembro! Será?

Semana passada, em Mato Grosso, o preço do milho disponível atingiu preço histórico de R$ 41,51, segundo o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (IMEA).

Fonte: Acrismat

AGRONEWS BRASIL – Informação para quem produz

Continue lendo

Mercado Financeiro

Resumo e a agenda do mercado de commodities para esta semana (03)

Publicado

em

Janeiro foi um mês que nenhum operador de petróleo poderia imaginar, não depois do plano da Opep de cortes de 2 milhões de barris por dia, os foguetes iranianos dispararam contra as bases aéreas dos EUA e o ministro da Energia da Arábia Saudita, Abdulaziz bin Salman, reclamando que os investidores estão ignorando a lista da Aramco (SE:2222).

No entanto, aqui esta: o pior mês do petróleo em mais de um ano, depois de um sucesso de público em 2019.

Para o registro, o Brent registrou uma perda mensal de pouco mais de 14% em janeiro, sua maior queda desde novembro de 2018, quando perdeu 22%. O WTI caiu quase 16% no mês, o pior desde maio.

Em apenas quatro semanas, o Coronavirus desfez o que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo levou mais de um ano para construir. A Opep abateu seus membros mais errantes – Iraque, Líbia e Nigéria – para cumprir os cortes prometidos nos últimos 18 meses. O cartel permaneceu focado, apesar dos tweets do presidente dos EUA, Donald Trump, com o objetivo de interromper o aumento do preço do combustível nas bombas dos EUA em 2018.

No entanto, nada que a Opep havia feito durante o último ano e meio poderia prepará-lo para a crise em questão. O coronavírus praticamente minou toda a confiança do mercado e deixou em seu lugar nada além de medo. Abalou a plataforma de alta que levou o Brent a mais de US$ 86 em outubro de 2018 – a maior desde os dias de US$ 100 por barril em 2013 – e novamente a um pico acima de US$ 71 este ano, após a volatilidade nos últimos meses.

Agora, todos os negociantes podem pensar em quanto menor o mercado pode ir, porque o próprio vírus não está desaparecendo.

Enquanto a Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou o Coronavírus como uma emergência global, sua disseminação global ainda foi relativamente leve em comparação à China, onde a pandemia está piorando a cada hora, tanto em infecções quanto em mortes.

Para o mercado de petróleo, a vítima humana, o fechamento de cidades e a perda de produção em praticamente todos os principais setores da China significam barris perdidos que crescem a cada hora no maior consumidor mundial de commodities.

Leia também:  Exportações de carne bovina cresceram 12% em abril, mesmo com China comprando menos

E as perdas são de todo mundo, como as estimativas dos bancos de Wall Street e dos centros de pesquisa estão começando a aparecer.

Sanford C. Bernstein & Co. diz que o petróleo pode cair para cerca de US$50 por barril sem a intervenção da Opep. Reduziu sua previsão de demanda de gasolina em 50.000 barris por dia e reduziu sua estimativa de consumo de diesel em 40.000 barris por dia.

O Morgan Stanley (NYSE:MS) diz que, se a contaminação do vírus continuar aumentando por três a quatro meses, ele cortaria cerca de 75.000 barris por dia do crescimento da demanda de petróleo da China em 2020. Se o surto atingir o pico em um a dois meses, o crescimento da demanda no primeiro trimestre cairá de 310.000 para 150.000 barris por dia.

O cancelamento de voos pode causar a perda de 400.000 a 700.000 barris por dia de demanda de combustível de aviação no primeiro trimestre, enquanto a fraqueza na demanda por diesel pode levar a cortes nas refinarias, disse o Morgan Stanley (NYSE:MS).

S&P Global Platts, no pior cenário, diz que a demanda global de petróleo cairá 2,6 milhões de barris “maciços e quase catastróficos” por dia em fevereiro e 2 milhões em março. Para combustível de aviação, isso pode significar uma queda na demanda de 1 milhão de barris por dia no próximo mês, acrescentou.

A Platts também relata que a Opep e seus aliados podem realizar uma reunião do comitê técnico entre terça e quarta-feira para recomendar ações imediatas aos ministros do cartel, que devido a cronogramas desafiadores ainda podem se reunir em março, conforme programado. A reunião técnica potencialmente coordenará cortes mais profundos na produção em resposta à crise do Coronavírus. Os traders aguardam para ver o que a reunião definirá, embora poucos possam estar convencidos de que isso irá estancar o sangramento do mercado.

E onde o ouro se encaixa em tudo isso?

Bem, o metal amarelo teve seu melhor mês em cinco em janeiro, agindo como uma proteção contra o Coronavírus.

Leia também:  Suíno: preço dispara no mês de abril

Os gráficos indicam que, na liquidação de sexta-feira de US$ 1.588 por onça, os futuros de ouro e ouro spot estarão em um ponto de vantagem para tentar criar impulso novamente em direção às altas de sete anos de janeiro, acima de US $ 1.600 a onça.

Resumo Energia

O petróleo encerrou janeiro com a pior perda mensal em mais de um ano, uma vez que a China, principal compradora, permaneceu praticamente paralisada pela crise do Coronavírus. As tentativas da Opep e de seus aliados de acelerar uma reunião para sustentar o mercado mal ajudaram.

O Brent, a referência global negociada em Londres para petróleo, caiu US$ 0,71, ou 1,2%, a $ 56,52. O Brent atingiu uma mínima de US$ 56,16 em quatro meses no comércio intradiário.

As ações negociadas em Nova York da West Texas Intermediate, a referência para o petróleo bruto dos EUA, caíram US$ 0,58, ou 1,1%, a US$ 51,56 por barril. O WTI atingiu uma baixa de quase seis meses, de US$ 51,11 anteriormente.

As perdas de sexta-feira ocorreram, apesar da nova agência russa Ifax relatar que o ministro da Energia Alexander Novak estava de acordo com o plano da Arábia Saudita e de outros membros do grupo Opep+ de antecipar no próximo mês sua reunião agendada para março, em uma tentativa para colocar estabilizar o mercado.

A Bloomberg, em um relatório na quinta-feira, disse que Moscou parecia resistente a acelerar uma reunião, pois isso significaria cortes mais profundos na produção para os envolvidos – algo contra os produtores independentes de petróleo da Rússia.

O relatório Ifax, no entanto, sugeria que o único problema para Moscou era concordar com o restante da Opep+ em uma nova data para a reunião.

Os dados mostraram que a atividade fabril da China vacilou em janeiro, aumentando os temores sobre as consequências para a economia da epidemia de um mês.

O Goldman Sachs revisou as expectativas de crescimento do PIB da China em 2020 de 5,9% para 5,5%.

Leia também:  Frango: abatido registra o maior valor de todos os tempos

Os mercados globais se acalmaram brevemente na quinta-feira, depois que a OMS deu crédito à China por seus esforços na luta contra a epidemia. No entanto, quando as negociações foram retomadas na sexta-feira, o otimismo caiu novamente.

“O medo está voltando porque, apesar da proclamação da OMS de que não deve interferir nas viagens e no comércio, o fato é que já o fez”, disse Phil Flynn, analista de energia sênior do Price Futures Group em Chicago. “O coronavírus se espalhou da China para cerca de 20 países, matando mais de 200 pessoas”.

Calendário de energia

Segunda-feira, 3 de fev

Estimativas brutas de estoque de Genscape Cushing (dados privados)

Quarta-feira, 5 de fev

Relatório semanal do Instituto Americano de petróleo (API, na sigla em inglês) sobre estoques de petróleo.

Quinta-feira, 6 de fev

Relatório semanal da Administração de Informação de Energia dos EUA (EIA, na sigla em inglês) sobre estoques de petróleo

EIA semanal e relatório de gás natural

Sexta-feira, 7 de fev

Contagem semanal de equipamentos da Baker Hughes

Resumo de Metais Preciosos

O ouro registrou seu melhor ganho mensal em cinco na sexta-feira, em meio à compra de refúgios seguros no metal amarelo.

Os futuros de ouro para entrega em abril no COMEX de Nova York liquidaram o dia em US$ 1,30 em US$ 1587,90. Isso não impediu o contrato de registrar um ganho de mais de 4% em janeiro, o melhor desempenho para um contrato de referência de ouro desde agosto.

Mas o ouro spot, que rastreia negócios ao vivo em barras de ouro, subiu fortemente, subindo US$ 14,11, ou quase 1%, para US$ 1.588,03 por onça às 17h00. Isso deu ao ouro um ganho de quase 5% em janeiro, também o melhor desempenho em cinco meses.

“Isso reflete a noção de que o comércio de ouro está associado à aversão à perda”, disse a TD Securities em nota.

Fonte: Investing

Continue lendo


Tendências