Mercado Financeiro

Desempenho do frango vivo e abatido na 11ª semana do ano de 2020

As segundas semanas do mês têm sido, quase invariavelmente, as melhores de cada período, porquanto correspondem ao momento de chegada ao mercado da massa salarial mensal

Mas não a segunda de março (8 a 14, décima primeira de 2020). Pois além de não propiciar aquelas valorizações que, pela tipicidade, são aguardadas normalmente por todo o setor, determinou o recuo dos preços até então praticados. Ocorrência que abrangeu tanto o frango vivo como o abatido.

No caso do vivo, a cotação referencial que vinha prevalecendo no interior paulista recuou dos R$3,30/kg – valor mantido por quatro semanas – para R$3,25/kg. Mas continuou sendo apenas um referencial, pois as disponibilidades sem prévia programação permaneceram sujeitas a descontos.

Siga-nos no facebook e instagram

Aceita, porém, a cotação referencial, a média registrada na primeira quinzena de março, de R$3,29/kg, apresenta valorização de 2,17% sobre o mês anterior e de 1,86% sobre março de 2019.

Pior, porém, foi o desempenho do frango abatido. Pois enquanto a ave viva sujeitou-se a uma perda de apenas 1,5%, a abatida (considerado aqui o produto resfriado comercializado no Grande Atacado da cidade de São Paulo) enfrentou perda de cerca de 6,5%. Pois, após ter atingido o valor médio de R$4,40/kg nos primeiros dias do mês, encerrou a quinzena negociado por pouco mais de R$4,12/kg.

Dessa forma, registra, por ora, valor médio de R$4,33/kg, resultado que corresponde a uma valorização de 3,84% sobre o fevereiro passado e de 3,59% sobre março de 2019.

O que não escapa, porém, é que o frango abatido completou a segunda semana de março valendo menos que um ano atrás. Ou, fazendo contas, seu preço médio no período ficou quase 2% aquém do registrado há um ano, no mesmo espaço de tempo (na sexta-feira 13, último dia de negócios da semana, a diferença negativa foi de 3,5%). Seria isso mais uma decorrência da pandemia de Coronavírus?

Sem dúvida atípica para o período, a baixa registrada na semana só pode ser atribuída a uma oferta superior à demanda, ou seja, não resulta de um menor consumo, mesmo porque há indicações de corridas aos alimentos por parte dos consumidores.

Em outras palavras, o abastecimento atual é oposto ao de um ano atrás, ocasião em que (em plena Quaresma e após meses de profunda apatia), o mercado reagiu fortemente à carência do produto e propiciou inesperada valorização do produto. Quer dizer: não que, comparativamente, os preços atuais sejam baixos; os de março de 2019 é que foram elevados.

De toda forma, não custa mencionar que as condições de produção são, hoje, totalmente diferentes. Porque, frente a uma valorização anual inferior a 2% do frango vivo e de 3,5% do frango abatido, o principal insumo do setor, o milho, registra valorização de 40%.

É hora, pois, de um maior acautelamento do setor. Pois a segunda quinzena está apenas começando.

Tabela Divulgação Avisite

AGRONEWS BRASIL – INFORMAÇÃO PARA QUEM PRODUZ

Leia também: https://agronewsbrasil.com.br/producao-de-leite-silagem-com-nova-cultivar-e-57-mais-barata-que-milho/

Por Avisite

Artigos relacionados
Mercado FinanceiroNotícias

Carne de frango: margens do produto exportado se mantêm estáveis

Mercado Financeiro

Carne bovina obtém, na exportação, o melhor quadrimestre de todos os tempos

Diárias de Mercado

Boi: poder de compra do terminador frente ao milho fica acima da média

Mercado FinanceiroNotícias

Frango: exportações da carne crescem 5,7% em março

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.