Diquís e as misteriosas esferas gigantes da Costa Rica

Rodeadas de mistérios, a cultura Diquís e as misteriosas esferas gigante da Costa Rica, variam em tamanho de apenas alguns centímetros a mais de 2 metros de diâmetro e podem pesar mais de 15 toneladas. Algo surpreendente e que você precisa conhecer. Por isso, confira essa matéria superespecial que preparamos pra você.

Cultura Diquís

Vamos começar este artigo falando sobre o surgimento da cultura Diquís, responsável por essas petrosferas misteriosas. Os Diquís surgiram no Vale do Rio Grande de Térraba, onde foram estabelecidos complexos sistemas sociais, econômicos e políticos para governar a sociedade naquela época.

A cultura Diquis (ou popularmente Diquís) foi uma cultura indígena pré-colombiana da Costa Rica que floresceu de 700 a 1530 d.A. A palavra “diquís” significa “grandes águas” ou “grande rio” na língua Boruca. O Diquis fazia parte da cultura Grande Chiriqui que se estendou do sul da Costa Rica ao Panamá ocidental.

Os Diquis são bastante conhecidos por suas esferas de pedra, às vezes referidas como Esferas Diquís, uma variedade de mais de trezentos petrosferas na Costa Rica, localizadas no Delta do Diquis e na Ilha do Caño. Locais onde as esferas de pedra foram encontradas também contêm montes artificiais, áreas pavimentadas e locais de sepultamento.

Diquís e as misteriosas esferas gigantes da Costa Rica

A colonização da região começou durante o período Synancra por volta de 1.500 – 300 aC na forma de comunidades agrícolas sedentárias, pequenas e dispersas, que podem ter girado em torno de um sistema igualitário com alguns níveis de organização tribal.

No período de Aguas Buenas, entre 300 aC – 800 dC, os assentamentos desenvolveram uma estrutura de chefia que governava as divisões territoriais e trocava mercadorias com territórios vizinhos por meio de um sistema de redes comerciais. Durante este período, surgiram os primeiros exemplos de pedra esculpida que incluem cilindros de pedra, “barris”, esferas e representação de personagens.

Cacicazgos DiquÍs – Museo Nacional de Costa Rica

Entre 800 e 1500 d.C., durante o Período Chiriquí, os assentamentos se desenvolveram em grandes comunidades ao redor das terras aluviais do rio Térraba e seus principais afluentes, construindo grandes estruturas com pedregulhos de arestas arredondadas, áreas pavimentadas, cemitérios e montículos circulares ou retangulares com paredes de pedra.

Os Diquís atingiram um ápice de desenvolvimento cultural durante este período, com artesãos Diquís criando objetos elaborados de cerâmica, osso e ouro, e esculpindo esferas de pedra em zonas importantes dentro dos assentamentos. Esferas de pedra também foram colocadas em alinhamentos em praças públicas, ou ao longo da abordagem das residências da elite dominante ou dos chefes.

Diquís e as misteriosas esferas gigantes da Costa Rica

As Esferas Gigantes

As Esferas de Diquís variam em tamanho de apenas alguns centímetros a mais de 2 metros de diâmetro e podem pesar mais de 15 toneladas. São principalmente feitas de gabro, uma rocha ígnea intrusiva máfica fanerítica (de grão grosso) semelhante ao basalto, com alguns exemplos de calcário e arenito esferas. Eles foram esculpidos martelando pedregulhos em uma forma esférica grosseira usando rochas mais densas, e foram finalizados polindo a superfície da pedra usando areia.

Com a chegada dos espanhóis à região no século XVI d.C., nenhuma menção foi feita nos relatos contemporâneos dos exploradores europeus de grandes esferas de pedra nas comunidades que encontraram.

Em 1570 d.C., uma expedição de Perafán de Ribera aumentou o mistério quando ele não deu indicações em seus relatórios de assentamentos indígenas, sugerindo que as grandes comunidades de Diquís haviam abandonado suas casas ou morrido por razões desconhecidas (possivelmente através das doenças infecciosas introduzidas no continente pelos espanhóis).

As esferas permaneceram esquecidas, até que foram redescobertas na década de 1930 pela United Fruit Company, enquanto limpava a selva para dar lugar às plantações de banana.

Diquís e as misteriosas esferas gigantes da Costa Rica

O sítio arqueológico de Palmar Sur está localizado na porção sul da Costa Rica, conhecida como Delta Diquís, e na parte mais ao sul da Província de Puntarenas. O Delta Diquís é definido como um plano de aluvião com fronteiras geográficas da Fila Grisera ao norte e leste, o Oceano Pacífico a oeste e as Montanhas Osa ao sul. Esta área é dividida em duas estações: úmida e seca. A estação seca de dezembro a março e a úmida no restante dos meses.

Simbolismo

Foram atribuídos diferentes significados as esferas gigantes de Diquís, ao longo do tempo foram classificadas como: símbolos de classificação, marcadores territoriais, jardins astronômicos, auxílios à memória, sem falta de teorias esotéricas, sobrenaturais e atribuição a extraterrestres. A hipótese mais recente, elaborada pela reconstrução etnohistórica, aponta para um significado religioso mítico, associado ao deus do trovão Tlachque e aos deuses do vento e furacões (serkes) da mitologia talamancana.

Na cosmogonia bribri, compartilhada por Cabécares e outros grupos étnicos ancestrais da América, as esferas de pedra são “balas de Tara” (Tara ou Tlachque é o deus do trovão) que com uma imensa pistola de sopro os jogou aos serkes (deuses dos ventos e furacões) para afastá-los dessas terras.

Diquís e as misteriosas esferas gigantes da Costa Rica
Um pingente de ouro de uma Efígie Humana tocando bateria e flauta, criado por um artista Diquis da América Central

Muitos mitos e hipóteses surgiram em torno dessas esferas, seu significado, seus construtores, propósitos, técnicas de construção e transporte, data e pedreiras das pedras: feitas por descendentes de Atlântida, geomorfose natural, poções secretas para suavizar a pedra, que no centro tem uma semente de café, participação de extraterrestres, eixos de energia complementares para Nazca e Ilha de Páscoa, Delimitação territorial, marcos comemorativos, representação do eterno feminino, dispositivos navegacionais, símbolo perfeito de divindade, fontes de energia e bem-estar, dispositivos de equilíbrio tectônico, portões dimensionais.

Abordagens esotéricas foram tratadas em vários livros, como os do escritor suíço Erich von Däniken, do escritor espanhol de ficção científica Juan José Benítez e do antropólogo estoniano Ivar Zapp com o livro “Atlântida na América: Navegadores do Mundo Antigo“.

Eles foram popularizados em todo o mundo com o filme de Indiana Jones “Os caçadores da arca perdida” e por vários documentários da Society Research Reports e as revistas e canais de televisão da National Geographic que influenciaram a multiplicação de produções de mídia de todos os tipos, imaginação e profundidade acadêmica.

Diquís e as misteriosas esferas gigantes da Costa Rica

A ideia de que eram jardins astronômicos com o propósito de agendar ciclos agrícolas ou que serviam para estabelecer o posto social dentro da tribo são as explicações, por enquanto, mais aceitas pela arqueologia, mas que a cada dia são mais questionadas. As esferas gigantes de pedra são consideradas um marco do passado pré-hispânico costarriquenho em geral, e de escultura pré-colombiana em particular. Sua síntese formal, a concepção da esfera como motivo artístico, denota um grau de maturidade plástica único no continente.

Mitos

Há numerosos mitos sobre as pedras, como o de que elas vem de Atlantis ou que foram feitas pela própria natureza. Algumas lendas locais alegam que os nativos têm acesso a uma poção capaz de amolecer as pedras. Pesquisas de Joseph Davidovits do Instituto Geopolímero na França ofereceu suporte a esta hipótese, mas ainda não há evidências com suporte geológico ou arqueológico.

Fala-se que as esferas são perfeitas ou muito próximas da perfeição em seu formato circular, embora algumas variem um pouco no diâmetro. Também, as pedras foram danificadas ou erodidas com o passar dos anos, e é impossível saber exatamente seu formato original. Uma revisão do jeito como as pedras foram mensuradas por Lothrop revela que esta precisão é devida a erros de interpretação dos métodos usados nas medições. Embora Lothrop tenha publicado tabelas com figuras com três casas decimais, estas figuras tinham medidas médias tomadas por meio de fitas métricas, o que não é muito preciso.

Diquís e as misteriosas esferas gigantes da Costa Rica

Há relatos entre 1940 e 1950 indicando que as bolas não foram colocadas no chão ao acaso. Muitos foram alinhados, formando linhas retas, curvas e até triângulos. Um grupo de quatro esferas estão alinhados com o norte magnético, sugerindo um possível alinhamento astronômico. Seja qual for o significado das bolas de pedra da Costa Rica, elas ainda desafiam a imaginação dos cientistas modernos hoje.

Patrimônio mundial

As esferas de pedra da Costa Rica foram incluídas na lista de patrimônio Mundial da UNESCO graças a serem exemplos únicos dos sistemas social, econômico e político do período de 500 a 1500 d.C. As esferas são distintas de quaisquer outras pela sua perfeição, número, tamanho e densidade, além de sua localização original.

AGRONEWS® é informação para quem produz

Siga o Agronews® nas redes sociais

Facebook AgronewsInstagram AgronewsTelegram AgronewsYoutube AgronewsWhatsapp Agronews

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *