Notícias

Embrapa discute imagem do agronegócio no Ethanol Summit 2017

O presidente da Embrapa, Mauricio Antonio Lopes, participou nesta terça-feira do Ethanol Summit, um dos principais eventos mundiais voltados para as energias renováveis, particularmente o etanol e os produtos derivados da cana-de-açúcar

Ele foi um dos palestrantes do painel dedicado ao tema Avanços Tecnológicos e a Imagem Global do Agronegócio Brasileiro, ao lado de Daniel Bachner, diretor global para Cana-de-Açúcar da Syngenta; Marc Reichardt, diretor global de Operações Comerciais Agrícolas da Bayer; e Mario Von Zuben, diretor-executivo da Associação Nacional de Defesa Vegetal (Andef). O debate, realizado na terça-feira, dia 27, foi moderado por Geraldine Kutas, assessora de Assuntos Internacionais da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica).

“Minha abordagem levou em consideração três aspectos, que,  na  minha  visão,  marcam  as  percepções  sobre  o  agronegócio  brasileiro  em  âmbito internacional”, explicou Lopes. “A primeira é a de que o agro brasileiro é predatório e insustentável, agressiva e erradamente disseminada  por  ONGs, alguns governos e outros atores ao longo dos anos. A segunda percepção é que o Brasil desenvolveu uma agricultura moderna, baseada em ciência. À despeito da primeira percepção negativa, há uma visão externa já bastante consolidada, de que  o  Brasil  alcançou  sua  segurança  alimentar  e  se projetou  como  grande  exportador  de alimentos  em  função  do  forte  investimento  em  pesquisa  e  inovação”.  Segundo o presidente, isso  proporcionou  a rápida incorporação de tecnologias que viabilizaram a emergência de uma agricultura tropical eficiente que estimulou o empreendedorismo e fortaleceu o protagonismo do agro nacional no âmbito internacional.

Depois Mauricio Lopes explorou a percepção do potencial de expansão da produção e da capacidade competitiva do agronegócio brasileiro. “Esta percepção alimenta ações de protecionismo, propaganda para desgaste de imagem  e  outras  tantas  formas  de  combate  ao  protagonismo  brasileiro  nos  mercados internacionais, em  sintonia  com  a  primeira  percepção. O  potencial  de expansão  do  agro brasileiro assusta os nossos competidores e coloca o Brasil quase sempre na defensiva nos ambientes internacionais onde se trava discussões relacionadas a alimentação e agricultura, como clima, biodiversidade, comércio etc”.

Artigos relacionados

Ao final, analisou alguns desafios a serem enfrentados pelo Brasil, para que os passivos que alimentam as  percepções  negativas  sobre  a  nossa  agricultura possam ser superados, fazendo  bom  uso  das  suas  vantagens competitivas  e  comparativas  para  fortalecimento  da presença  e  do  protagonismo  do  seu agronegócio em âmbito internacional.

Aquecimento global

Lançado pela Unica em 2007 e realizado a cada dois anos,  o Ethanol Summit reuniu empresários, autoridades de diversos níveis governamentais, pesquisadores, investidores, fornecedores e acadêmicos do Brasil e do exterior. Os participantes acompanharam dezenas de palestras, apresentações, discussões e debates que ocorreram em grandes plenárias, painéis temáticos e cerimônias de abertura e encerramento, além de eventos paralelos.

Entre os principais conteúdos explorados no encontro, destaque para o papel do etanol e demais derivados da cana na luta contra o aquecimento global, os 30 anos de geração da bioeletricidade sucroenergética, a situação atual e perspectivas de crescimento da indústria canavieira, infraestrutura, inovações tecnológicas e o peso estratégico de políticas públicas e iniciativas como o RenovaBio para o futuro de uma matriz energética nacional mais limpa e renovável.

A presidente da Unica, Elizabeth Farina comemorou a consolidação do Ethanol Summit como um dos mais importantes fóruns sobre biocombustíveis e energias de baixo carbono nos últimos 10 anos. “Ao longo de uma década, o Summit conquistou notoriedade graças ao seu conteúdo rico e formato dinâmico. A presença de renomados especialistas, ligados direta ou indiretamente à cadeia produtiva da cana, fez com que as discussões fossem mais abrangentes e de alto nível neste ano”, afirmou.

Fonte: Embrapa

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo