Mercado Financeiro

Confira o desempenho do frango (vivo e abatido) na 35ª semana do ano

Iniciada na última segunda-feira de agosto (30), ou seja, antes mesmo do início de novo mês, a reversão de mercado do frango abatido alcançou resultados excepcionais na 35ª semana de 2021, visto que os preços registrados nos (apenas) três primeiros dias de negócios de setembro corresponderam a novos recordes históricos

Em suma, a semana foi encerrada (sexta-feira, 3) com o frango abatido resfriado sendo comercializado no Grande Atacado da cidade de São Paulo pela média, inédita, de R$7,73/kg, o que representa valorização de quase 4,5% em uma semana. Já pela média mensal, os R$7,70/kg da primeira semana de setembro se encontram 2,39% e 46,95% acima do que foi registrado nos meses de agosto de 2021 e setembro de 2020, respectivamente.

Na verdade, esse foi um desempenho totalmente atípico que pode estar relacionado a duas causas distintas: antecipação de compras devido ao feriado de amanhã, 7 de setembro; ou formação preventiva de estoques frente a possíveis desdobramentos das manifestações previstas para a data. E como os negócios desta segunda-feira tendem a ser mínimos, somente a partir de quarta-feira, 8, é que se obterão os primeiros indicadores acerca do grau de sustentabilidade do desempenho atual.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

O mesmo entendimento se aplica ao frango vivo comercializado no interior paulista que, ainda assim, tende (nos próximos dias) a completar oito semanas consecutivas com a cotação inalterada em R$6,00/kg (nesse período, somente em Minas Gerais ocorreu breve correção de preço, a cotação local tendo subido para R$6,05/kg no último dia 2).

Ou seja: mesmo que a ave viva experimente menor demanda, os reflexos sobre o mercado independente devem ser mínimos, pois as disponibilidades do setor permanecem bastante ajustadas. Mesmo isso, porém, permanece na dependência do grau de pressão que o frango abatido venha, eventualmente, a sofrer.

Interessante notar que – a despeito da (relativamente longa) estabilidade da ave viva e da forte valorização da ave abatida na semana – as margens entre ambas permanecem praticamente as mesmas de um ano atrás, em torno dos 28%. Aliás, a valorização anual experimentada pelo frango vivo (47,06%) foi ligeiramente superior à do abatido (46,95%), com diferença de 0,11 ponto percentual.

Porém, o que mais chama a atenção nesses índices é sua redução em relação ao que foi registrado em meses anteriores. Pois, tendo apresentado variação anual superior a 70% dois-três meses atrás, esses índices agora se encontram pouco acima de 45% e tendem a recuar de forma significativa nos próximos meses. Sem que – ressalte-se – haja expectativa de concomitante redução no custo de produção.

Por Avisite

AGRONEWS® – Informação para quem produz

 
telegram agronews

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados