GeralNotícias

EUA não “têm que reduzir a quantidade de carne ou gado produzido” para enfrentar crise climática

Americanos podem continuar comendo carne enquanto cortam aquecimento global, diz secretário de agricultura Thomas Vilsack.

Produção sustentável

Os americanos podem continuar comendo carne enquanto mantêm o mundo dentro dos limites seguros do aquecimento global, insistiu o secretário de agricultura dos EUA.

Thomas Vilsack disse: “Não acho que temos que reduzir a quantidade de carne ou gado produzido nos EUA. E uma porcentagem significativa é exportada. Não é uma questão de comer mais ou menos ou produzir mais ou menos. A questão é tornar a produção mais sustentável.

Ele disse em uma entrevista na cúpula da COP26, em Glasgow, que a produção pecuária poderia ser mais eficiente, e a quantidade de metano produzido por animais de fazenda reduzir, o que, juntamente com outras medidas para reduzir as emissões de gases de efeito estufa da agricultura, seria suficiente para reduzir o carbono da agricultura.

Ruminantes como bovinos e ovinos produzem metano, assim como o estrume animal. O potente gás de efeito estufa tem um efeito de aquecimento cerca de 80 vezes maior do que o dióxido de carbono na atmosfera, embora se quebre mais cedo. A carne é responsável por cerca de 60% da produção de gases de efeito estufa provenientes da agricultura, que é um dos setores mais produtores de carbono do mundo.

EUA não "têm que reduzir a quantidade de carne ou gado produzido" para enfrentar crise climática
Americanos podem continuar comendo carne enquanto cortam aquecimento global, diz secretário de agricultura Thomas Vilsack

Acordo coletivo

Os EUA, a UE e dezenas de outros países assinaram um acordo na Cop26 para reduzir as emissões globais de metano em 30% até 2030, embora nenhum dos países tenha assumido uma meta de redução nacional firme sob o acordo. Se a meta for atingida, o aquecimento global poderá ser reduzido em cerca de 0,2C.

Vilsack disse: “Se você reduzir o metano por gado em 30%, por aditivos alimentares ou ração diferente, ou você capturar o metano para o biogás – tome o estrume e use-o como biocombustível – então você tornou a produção pecuária mais sustentável. Eu não acho que você precisa reduzir o consumo de carne para obter isso.”

Ele acrescentou: “Se vamos alimentar 9 bilhões de pessoas, você precisa de proteína de carne. Vamos precisar de proteína vegetal, animal e de peixe.

Ele disse que os EUA estavam financiando projetos de demonstração para novas tecnologias e métodos agrícolas que reduziriam o metano.

Ativismo verde

Os ativistas verdes se concentraram na alimentação de carne como uma fonte chave de emissões de gases de efeito estufa em todo o mundo, mas particularmente nos EUA, onde uma dieta pesada de carne se tornou a norma ao longo de décadas. As pessoas nos EUA comem cerca de 100kg de carne por ano, mais do que qualquer outro país, embora tenha havido uma tendência para uma alimentação mais saudável entre os mais jovens nos últimos anos.

A carne também é um motor do desmatamento em todo o mundo, já que a floresta tropical em países como o Brasil é desmatada para fazendas de gado e para produzir ração animal.

John Sauven, diretor executivo do Greenpeace UK, disse: “É hora dos políticos pararem de dar cobertura à indústria de carne industrial. No momento eles ganham uma carona grátis e nós pagamos o preço por seus enormes impactos na saúde e no meio ambiente.”

AGRONEWS®, com informações do The Guardian

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados