Infomercados BRNotícias

Fome dos EUA por carne bovina cai bem para os grandes frigoríficos

Marfrig, Minerva e JBS apresentam resultados sempre favoráveis no mercado dos EUA. Caramuru, com a unidade de Sorriso, é a mais nova certificada ao RenovaBio

Por Giovanni Lorenzon – AGRONEWS®

Os resultados mensais de exportações brasileiras de carne bovina para os Estados Unidos ajudam a explicar boa parte dos balanços positivos dos frigoríficos com maior presença naquele mercado. Os três grandes não têm do que se queixarem.

São os maiores vendedores de carne de boi para os americanos.

O país já se consolidou no segundo maior comprador do Brasil, paga bem e a participação de carne in natura é a que mais cresce nos embarques.

O Marfrig veio bem no terceiro trimestre. O Minerva, melhor ainda, se se considerar que é o único que não possui planta local e depende exclusivamente de suas exportações, contabilizando, inclusive, o apurado com a Athena Foods, que controla as unidades na América do Sul.

O balanço da JBS, que está para ser conhecido, não deverá ser diferente.

Os números trabalhados pela Abrafrigo, segundo registro oficial da Secex divulgados na noite de ontem, são maiores sobre 2020, praticamente dobrando, e no mês contra mês de 2021. Vamos só aos três últimos acumulados de 2021.

Até outubro: 95.759 toneladas, contra 48.773/t no ano passado (aumento de 96,3%).

Até setembro: 82.352/t contra 40.602/t (102,8%).

Até agosto: 66.467/t contra 34.502/t (92,7%).

A baixa quanto à ausência das vendas à China, desde setembro e já adentando novembro, serão sentidas no último balanço do ano, mas os números para os Estados Unidos, pelo ritmo desde janeiro, não cessarão de subir.

Para o mercado todo, a ausência chinesa das importações, depois da vaca louca, representou queda de 31% nos embarques totais de outubro, que totalizaram 108,6 mil/ e US$ 541,6 milhões em receita.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

Biodiesel tem 29 empresas negociando CBios, maioria do Centro-Oeste

Com a taxa de mistura ao diesel em 10% desde março, e sem garantida de volta aos 13%, e diante do fim dos leilões a partir de janeiro, que darão lugar às negociações diretas, o setor de biodiesel vai fechar o ano com 29 empresas aderentes ao RenovaBio.

A maioria é do Centro-Oeste.

Em 2021, ano de incertezas, tanto quanto o próximo, foram somente duas que se habilitaram, a Olfar, de Erechim (RS), e a Caramuru, unidade de Sorriso (MT), e passaram a negociar os Créditos de Descarbonização (CBios), na B3.

Nesta segunda (8), cada CBio está sendo negociado entre R$ 45 e R$ 46.

A Caramaru Alimentos, uma das principais empresas brasileiras integradas de grãos – exportação, logística, marcas de varejo (Sinhá), biocombustível e outros derivados -, tinha previsão de emitir até 86,2 mil títulos até o final do ano, segundo a Vertente Invest, que a assessorou.

Em receita, pela média dos negócios, a estimativa é de R$ 2,64 milhões.

No total estimado pela soma de todas as fabricantes de biodiesel, sendo a soja e gordura animal as duas principais origens, é 6,67 milhões de CBios.

Há pouco menos de dois meses para finalizar o ano, corresponderia a 1/4 da meta de 25,2 milhões determinada pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).

AGRONEWS® – Informação para quem produz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados