fbpx
conecte-se conosco

Mato Grosso

GTA de Mato Grosso agora possuem QR Code e aplicativo para celular

Publicado

em

GTA mt qr code

As Guias de Trânsito Animal (GTA) emitidas pelo Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea-MT) no Sindesas e no Módulo de Produtor agora possuem um QR Code, que é um código de barras que pode ser escaneado pelos telefones celulares, o que dará mais segurança e agilidade para as operações dos produtores rurais.

O Indea MT tem o compromisso de promover melhorias contínuas em seus processos e procedimentos e, por isso, disponibiliza ao cidadão esse aperfeiçoamento em seu sistema, aumentando a segurança e a qualidade do serviço prestado”, afirma César Miranda, secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso.

gta,indea-mt,pecuaria

A inclusão deste QR Code no Sistema Eletrônico de Defesa Sanitária (Sindesa) será acompanhada de um aplicativo, que permitirá o uso off-line para verificação da veracidade do documento, mesmo em locais sem acesso à internet.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

O app que realiza a leitura do código será liberado aos usuários após a fase de validação, que está sendo operacionalizada através de um teste-piloto executado pelas equipes técnicas que realizam barreiras volantes na fronteira de Mato Grosso com a Bolívia”, explica Emanuele de Almeida, presidente do Indea MT. Ela ressalta que continua obrigatório o porte do documento impresso para o transporte de animais.

Por: Thielli Bairros | Sedec-MT

AGRONEWS – Informação para quem produz

Publicidade
Clique para comentar

Comente esta matéria

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias

Inovação: MT realizará evento em agosto dedicado ao agro, empreendedorismo e sustentabilidade

Publicado

em

MT semana da inovação 2021

Evento tem a intenção de unir esforços das instituições do Ecossistema Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação de Mato Grosso para promover debates e diversos eventos durante a tradicional Semana da Inovação.

A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação de Mato Grosso (Seciteci), parceiros e apoiadores realizam a primeira Semana da Inovação de Mato Grosso. Previsto para ocorrer de 20 a 28 de agosto, o evento tem objetivo de colocar a agenda no centro das estratégias do Ecossistema Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação.

MT semana da inovação 2021
Inovação: MT realizará evento em agosto dedicado ao agro, empreendedorismo e sustentabilidade 1

Uniram forças para realizar o evento a Seciteci, o Parque Tecnológico Mato Grosso, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Mato Grosso (Fapemat), a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso (Sedec), o AgriHub, o Serviço Social da Indústria (Sesi), o Serviço Nacional de Aprendizado Industrial (Senai), a Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso (Fiemt), o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), a Rede de Inovação Mato Grosso (Inova MT), a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), o Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT), a Universidade Estadual de Mato Grosso (Unemat), o Centro Global de Inovação e Tecnologia em Sustentabilidade (CITIS), a Comunidade Blockmeet e a Digoreste Startups.

De acordo com a superintendente de Desenvolvimento Científico Tecnológico e de Inovação, da Seciteci, Lectícia Figueiredo, a ideia foi unir esforços das instituições do Ecossistema Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação de Mato Grosso para promover debates e diversos eventos durante a Semana da Inovação.

Além de demonstrar que os processos inovadores e as tecnologias apresentam várias possibilidades para a superação dos desafios do setor produtivo, queremos contribuir com a diminuição das desigualdades socioeconômicas e acelerar o desenvolvimento científico e tecnológico do Mato Grosso”, falou.

Lecticia explica que já existem três eventos oficiais confirmados para serem realizados durante a Semana da Inovação e que mais parceiros poderão entrar no projeto. “Estamos alinhando os formatos de cada evento, além de estarmos definindo as datas e horários, mas muitas novidades, outros eventos e novas parcerias deverão surgir”, disse.

Entre os eventos, terá o “FITS – Fórum Global de Inovação e Tecnologia em Sustentabilidade”, realizado desde 2018, e esta será a primeira edição voltada para o agronegócio. O evento será na modalidade híbrida, na Semana de Inovação de Mato Grosso. Será online e presencial, e a partir de maio, iniciará uma série de encontros virtuais, em formato de talks.

É um espaço para conversarmos, o Brasil e o mundo, sobre ações e perspectivas do agronegócio, sua produtividade e competitividade, em consonância com a sustentabilidade ambiental, econômica e social, através da inovação e da tecnologia.”, ressalta a diretora de Relações Institucionais do Fórum, Alice Abreu

Além disso, o AgriHub realizará a segunda edição do “Summit AgriHub”, com o propósito de mostrar o desenvolvimento do ecossistema em torno da agricultura digital.

Realizamos este evento bianualmente, por ser um tempo considerável para que possamos avaliar neste ciclo se as ações propostas foram executadas e quais os seus resultados, portanto acho importante trazermos este debate e projetarmos os próximos dois anos”, explicou Fábio Silva, que é líder Agtech, da equipe de Mapeamento e Inteligência de Mercado, do AgriHub.

Ainda dentro da Semana da Inovação, terá a 3ª edição do “Startup Day 4.0”, realizado pelo Sebrae Mato Grosso, com a apresentação de palestras e painéis para interessados em iniciar no mundo da inovação.

Será um dia intenso de programação, em uma versão híbrida do evento, portanto parte presencial e parte virtual, com grandes nomes nacionais e regionais do ecossistema de startups. Os debates são voltados a empreendedores que buscam evoluir seu ‘mindset’ e sua empresa”, destacou Fernando Pscheidt, gestor da carteira de Startups e Games do Sebrae Mato Grosso.

Continue lendo

Mato Grosso

Fórum Agro pede a ALMT novo estudo do Zoneamento Socioeconômico e Ecológico

Publicado

em

fórum agro

Presidentes e representantes da Acrismat, Acrismat, Ampa, Aprosmat, Famato, Fiemt, Cipem e Aprosoja pediram empenho do legislativo na pauta

Entidades do setor produtivo, lideradas pelo Fórum Agro, pediram à Assembleia Legislativa (AL) um novo Zoneamento Socioeconômico e Ecológico (ZSEE-MT). Em reunião hoje (14.04) pela manhã, representantes da FIEMT, CIPEM, Aprosoja, e Fórum apresentaram ao presidente Max Russi (PSB) um documento com pontuações sobre Zoneamento, que está em produção na Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão – SEPLAG. Foi decidido ainda a criação de um grupo de trabalho com foco na produção de estudo mais detalhado acerca da proposta em trâmite administrativo no Estado.

“Após uma profunda análise, nosso objetivo é propor um novo estudo, com o cenário atual das atividades envolvidas e que seja mais coerente com a realidade de Mato Grosso”, afirmou o presidente do Fórum Agro MT, Itamar Canossa.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

Além das entidades que compõem o Fórum Agro MT, a Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt), o Centro das Indústrias Produtoras e Exportadoras de Madeira do Estado de Mato Grosso (Cipem) e a Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso participaram da reunião e apoiam o pedido da realização de um novo estudo.

O presidente da Famato em exercício, Marcos da Rosa, defendeu que o projeto de Zoneamento proposto pela Secretaria Estadual de Planejamento e Gestão (Seplag-MT) está defasado e traz sério problemas socioeconômicos para Mato Grosso.

“O projeto é baseado em um estudo realizado na década de 80, uma realidade totalmente distorcida com a de hoje. Ele prevê a criação de Unidades de Conservação onde atualmente existem importantes estradas, rodovias e onde poderá passar ferrovias e novas pontes que ajudarão no escoamento da nossa produção. Além disso, cria dificuldades e problemas para as atividades de extração mineral e florestal”, avaliou.

https://agronews.tv.br/conseleite-e-criado-para-fortalecer-a-cadeia-produtiva-de-mato-grosso/

Segundo Marcos, a atual proposta nem deveria ser discutida. “Nosso pedido é que seja realizado um novo estudo, com uma entidade de renome nacional que possa apontar o potencial que Mato Grosso possui e corrigir as falhas na atual proposta”, pediu.

Vice-presidente da Fiemt e o Cipem, o empresário Rafael Mason, destacou que o projeto prejudica também o setor industrial e consequentemente o desenvolvimento de outras regiões do estado. “Esse projeto impacta diretamente nas áreas de manejo florestal sustentável, onde já existem quatro milhões de hectares de floresta. A proposta pode ainda travar várias regiões do estado e impedir o desenvolvimento socioeconômico dos municípios”, afirmou.

Já o presidente da Aprosoja, Fernando Cadore, relatou os problemas apontados pelos produtores de soja e milho. “O impacto do zoneamento nas regiões menos desenvolvidas e do interior do estado é evidente, principalmente na região leste. Esse zoneamento não atende as necessidades e fere o direito a propriedade e não podemos ser coniventes com isso”, destacou.

O presidente da ALMT, deputado Max Russi (PSB), recebeu o documento, concordou que o projeto precisa ser revisto e colocou o parlamento à disposição para discutir o tema. “É uma pauta que tem que ser debatida, não será aprovada da forma que está, até porque e prejudica grande parte do setor produtivo. Nessa legislatura contamos com muitos deputados que defendem este segmento e reconhecemos a importância deste para o Estado. Estamos aqui para ajudar no que for preciso para que este projeto seja aprovado da melhor forma”, defendeu.

A fala é endossada pelo deputado Carlos Avallone (PSDB). “Eu nunca vi um documento repudiado por toda a sociedade como este do Zoneamento, ele não atende e não agradada nenhum setor envolvido. Realmente é preciso que haja um novo estudo”, avaliou.

A deputada Janaína Riva (MDB) destacou a vontade de resolver a questão do projeto de zoneamento ainda nesta legislatura. “Acredito que hoje temos uma legislatura que abraçou a causa e que entende a necessidade de corrigir essas distorções. Ao meu ver, essa proposta atual é algo irreal e precisamos aproveitar o momento favorável para melhorar este projeto”.

Participaram da reunião os deputados, Max Russi (PSB), Janaína Riva (MDB), Carlos Avalone (PSDB), Ulysses Moraes (PSL), Delegado Claudinei (PSL), Valmir Moreto (PRB), Dilmar Dal Bosco (DEM), Gilberto Cattani (PSL), Elizeu Nascimento (DC), Allan Kardec (PDT), João Batista (PROS), Paulo Araújo (PP), Sebastião Rezende (PSC) e Dr. Eugênio (PSB).

Fórum Agro MT – Criado em 2014 com o objetivo de fomentar o desenvolvimento do agronegócio de Mato Grosso, buscando soluções para o fortalecimento e crescimento do setor. Tem como objetivo harmonizar as atividades das entidades participantes com as principais demandas do momento; fortalecer o poder de representação do setor; e estimular políticas públicas para o desenvolvimento da agropecuária.

É formado pela Acrimat (Associação dos Criadores de Mato Grosso), Acrismat (Associação dos Criadores de Suínos de Mato Grosso), Ampa (Associação Mato-Grossense dos Produtores de Algodão), Aprosmat (Associação dos Produtores de Sementes de Mato Grosso) e Famato (Federação de Agricultura do Estado de Mato Grosso).

Créditos foto: Iconepress

AGRONEWS – Informação para quem produz

Continue lendo

Geral

Diferença entre nascimentos e óbitos cai 108% atingindo o menor patamar da história de Mato Grosso

Publicado

em

anoreg

Comparação com março de 2020 mostra o impacto da pandemia no Estado e fez com que a diferença entre nascidos e mortos chegasse a 80% no último mês

 alta no número de mortes em Mato Grosso no mês de março provocou um fenômeno inesperado no Estado: a aproximação recorde entre os números de nascimentos e óbitos, que atingiu o menor patamar da série histórica do Registro Civil, iniciada em 2003. Com 4.526 nascimentos e 2.514 óbitos, a diferença entre ambos ficou em 2.012 atos, o que equivale a 80%, e uma redução histórica de 108% desde o início da pandemia em março de 2020.

Os dados constam do Portal da Transparência do Registro Civil (http://transparencia.registrocivil.org.br/inicio), base de dados abastecida em tempo real pelos atos de nascimentos, casamentos e óbitos praticados pelos Cartórios de Registro Civil do País, administrada pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil), cruzados com os dados históricos do estudo Estatísticas do Registro Civil, promovido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com base nos dados dos próprios cartórios brasileiros.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

A diferença entre os dois atos já vinha caindo ao longo do tempo, mas acelerou vertiginosamente com a pandemia causada pelo novo coronavírus. Em 2003, no início da série história está diferença era de mais de 280%, baixando para 230% na década de 2010 e abrindo 2020 com diferença na casa dos 180%. Com o início da pandemia, estava em 188% em março, caindo para 94% em julho, e agora com a diferença de 80%.

https://agronewsbrasil.com.br/parabens-cuiaba-a-capital-do-agronegocio-brasileiro/

De acordo com André Luis Bispo, presidente da Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado do Mato Grosso (Arpen-MT), os Cartórios de Registro Civil permanecem abertos durante a pandemia, se fazendo possível a visualização dos óbitos e nascimentos que têm acontecido no Estado. “Em Mato Grosso observamos um aumento significativo nos registros de óbito e os registros de nascimentos não tem acompanhado esse aumento”.

Já no Brasil, a alta no número de mortes no mês de março provocou um fenômeno inesperado no país: a aproximação recorde entre os números de nascimentos e óbitos, que atingiu o menor patamar da série histórica do Registro Civil, iniciada em 2003. Com 227.877 nascimentos e 179.938 óbitos, a diferença entre ambos ficou em apenas 47.939 atos, o que equivale a 27%, e uma redução histórica de 72% desde o início da pandemia em março de 2020.

AGRONEWS – Informação para quem produz

Continue lendo


Tendências