conecte-se conosco

Mercado Financeiro

Tendência de alta nos preços de commodities agrícolas para 2020, dizem especialistas

Publicado

em

Essa foi uma das conclusões do mais recente relatório semestral da COSTDRIVERS, Cenário Macrossetorial Mundial e Brasileiro.

Depois de meses de volatilidade, com uma forte queda nos preços até o mês de abril em função, principalmente, das tensões com a guerra comercial entre Estados Unidos e China e dos altos níveis de estoque e oferta global, projeções mostram tendência de alta nos preços do milho e da soja, que devem continuar, pelo menos, até o primeiro trimestre de 2020.

“Enquanto as perspectivas são de estabilidade para os preços do petróleo e de recuperação para a produção global de minério de ferro, as commodities agrícolas devem ter alta, especialmente nos preços do milho e da soja, considerando um cenário com o real ainda depreciado frente ao dólar e a possibilidade de escassez do milho no início do ano devido ao baixo nível dos estoques”, avalia Erick Boano, vice-presidente e fundador da COSTDRIVERS.

Veja o comportamento de preços dos principais insumos para o ano de 2020:

Gasolina e Diesel: Para o próximo ano, fatores internacionais atrelados ao mercado ainda são um ponto de atenção, podendo haver inversões na tendência em decorrência de possíveis eventos. No entanto, a previsão até o momento é de preços estáveis com pequenos aumentos.

Etanol: Em virtude da percepção de melhoria da economia brasileira e da diminuição das incertezas internacionais ao longo do ano, produção e consumo de etanol apresentam perspectivas favoráveis nos mercados nacional e internacional.

Milho: Cenário produtivo de milho ganhou incerteza após as condições climáticas dos Estados Unidos, com comportamento ligado ao de outras commodities, como a soja.

Soja: A possibilidade de acordo entre China e Estados Unidos aumenta as expectativas de um grande consumo chinês, que pode elevar as cotações internacionais da soja.

Açúcar: Com a expectativa de maior demanda para o próximo ano, os estoques devem diminuir. Uma maior produção também faz parte das expectativas, gerando previsões de um aumento de preços brando.

Fertilizantes

O desempenho da indústria de fertilizantes depende, principalmente, do desempenho da atividade agrícola. Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o PIB Agrícola vai ser superior a 1,4% em 2019 e para 2020 a estimativa é de que o PIB do setor cresça em torno de 3%. Essa perspectiva, junto à condição macroeconômica brasileira, deve favorecer a indústria de fertilizantes.

Metais

A queda dos preços do minério e sinais de uma possível retomada da demanda por aço indicam uma melhora das expectativas para as commodities metálicas em 2020. Pelo lado da demanda, espera-se uma melhora na busca por aços longos e planos graças à expectativa de aceleração dos setores automotivos e de construção civil. A medida anunciada pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que determina o retorno das tarifas sobre o aço e alumínio brasileiro que entram no país, pode prejudicar o mercado exportador de metais, se for confirmada.

O alumínio tende à estabilidade, sem expectativas de aquecimento considerável da economia mundial. O impasse comercial entre China e EUA representa uma tendência de sutil alta com expectativas de um acordo que resulte em aumento das importações chinesas. Para o cobre, os contratos futuros mostram níveis de preço similares aos atuais em janeiro de 2020, e as expectativas são de estabilidade para o ano. O Chile ganha destaque nas análises já que o prolongamento de sua crise pode afetar o abastecimento mundial.

Papel

Para celulose, há a expectativa de estabilidade nos preços, com leves tendências de alta para o próximo ano em virtude de diversos produtores nacionais e internacionais que já anunciaram intenções de diminuir na produção. O impacto dessas medidas, no entanto, ainda depende da abrangência do impacto na produção.

Para o papel, há expectativa de manutenção de preços, porém, qualquer mudança nos fatores mencionados anteriormente pode alterar a tendência. Do lado do kraftliner, espera-se que o cenário de balança comercial positiva permaneça para 2020, com tendência de leves aumentos nos preços.

Químicos

Como está presente em praticamente todas as outras indústrias, o crescimento da economia mundial é essencial para um bom desempenho deste setor. As perspectivas de crescimento do PIB mundial feitas pelo FMI, no entanto, demonstram sinais de desaceleração, com a redução das projeções para 2019 de 3,2% para 3,0% e, para 2020, de 3,5% para 3,4%.

A reversão deste cenário depende, principalmente, do avanço das negociações entre China e Estados Unidos. No Brasil, a reforma da previdência e a reforma tributária são pontos que tendem a melhorar as perspectivas. A condição ideal, no entanto, para que a indústria retome de fato a competitividade é a aprovação do mercado livre de gás, que, apesar de estar em andamento, não tem perspectivas para efetivação.

Resinas Plásticas

Para o NAFTA, espera-se que os preços em 2020 acompanhem a tendência dos preços do petróleo e seu contexto geopolítico, sendo que os principais fatores a serem monitorados no próximo ano são as incertezas globais, em especial a guerra comercial entre Estados Unidos e China, e um aumento gradual da demanda asiática e brasileira, além de possível manutenção do corte de produção do petróleo pelos países produtores da OPEP.

No caso das resinas, apesar da queda verificada nos volumes e preços em 2019, foi possível ver uma recuperação a partir do 2º semestre de 2019, sendo que a continuação dessa tendência depende da resolução de incertezas internacionais, havendo, por enquanto, uma projeção de queda ou estabilidade nos preços.

Fonte: Intelligenzia

Publicidade
Clique para comentar

Comente sobre esta matéria

Tendências