Notícias

Venda de grãos na Argentina é paralisada por incertezas sobre os impostos agrícolas

A comercialização de grãos na Argentina está praticamente paralisada, devido à expectativa de que o governo aumente impostos sobre exportações para lidar com o déficit fiscal em meio a uma grave crise econômica

Especialistas consultados pela Reuters consideram que a interrupção das vendas de grãos no mercado doméstico pode afetar os embarques agrícolas da Argentina, uma das maiores exportadoras globais de milho, soja e derivados.

O principal sinal de que o governo pretende elevar o imposto sobre a soja ocorreu na quarta-feira, quando o Ministério da Agricultura suspendeu registros de exportações agrícolas, o que geralmente acontece para impedir que exportadores continuem a pagar uma taxa inferior à que passará a ser aplicada.

Siga-nos no facebook e instagram

A mídia local e especialistas afirmaram nos últimos dias que o governo do presidente Alberto Fernández vai elevar as taxas de exportação da oleaginosa para 33%, ante 30% atualmente.

“Os compradores não estão dando preço. Praticamente não há operações”, disse Guillermo Mouliá, operador da corretora Guardati Torti, sediada em Rosario, onde está o principal mercado de grãos do país.

Quando os impostos sobre embarques de soja sobem, o preço pago no mercado de Rosario costuma cair, dado que os exportadores transferem aos produtores o custo gerado pela taxa.

Em meio à paralisia comercial, as poderosas associações de agricultores do país negociam com o governo para evitar a elevação dos impostos, que Fernández considera fundamental para a redução do déficit fiscal argentino.

Alguns líderes rurais já ameaçaram promover uma greve comercial caso o governo aumente as tarifas. Em 2008, uma onda de protestos do setor obrigou Fernández, então chefe de gabinete do governo, a renunciar ao cargo.

Segundo o presidente da Federação Agrária da Argentina, Carlos Achetoni, o ministro da Agricultura prometeu na quinta-feira que o governo continuará analisando até o início da semana que vem a aplicação das taxas —o que prolongaria a suspensão dos registros de exportações.

Um porta-voz do governo não respondeu de imediato aos pedidos da Reuters por comentários.

Gustavo Idígoras, titular das câmaras de exportadores e processadores de grãos da Argentina (CIARA-CEC), disse que uma prolongação da suspensão de registros poderá impactar nos embarques agrícolas do país.

“Põe em risco contratos já confirmados, porque geralmente existe a necessidade de se completar a carga, e isso ocorre com declarações próximas aos momentos dos embarques. Se não for possível completar as cargas, os barcos não saem, e então é necessário pagar o custo da espera”, afirmou Idígoras.

AGRONEWS BRASIL – INFORMAÇÃO PARA QUEM PRODUZ

Leia também: https://agronewsbrasil.com.br/mato-grosso-avanca/

Fonte: Reuters

Artigos relacionados
Mercado FinanceiroNotícias

Carne de frango: margens do produto exportado se mantêm estáveis

Mercado Financeiro

Carne bovina obtém, na exportação, o melhor quadrimestre de todos os tempos

GeralNotícias

Zoneamento de risco climático para 1ª safra do milho está disponível

GeralNotícias

Rally da Safra avaliará lavouras de milho 2ª safra no Sudeste do MT e Sudoeste de GO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.