GeralNotícias

Atenção produtor! Zoneamento agrícola do sorgo forrageiro já está disponível

Também foi publicado o Zarc do sorgo granífero para safra 2021/2022

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) disponibilizou pela primeira vez o Zoneamento Agrícola de Riscos Climáticos (Zarc) para o sorgo forrageiro. Em 2020 já havia sido instituído o zoneamento agrícola do sorgo granífero. A separação de uma mesma cultura em dois zoneamentos distintos é uma novidade no Zarc, que é coordenado pelo Mapa e executado pela Embrapa.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

De acordo com o pesquisador Daniel Pereira Guimarães, da Embrapa Milho e Sorgo, essa especificidade busca aprimorar as análises de riscos em função do uso dessa cultura em diferentes sistemas de produção. O sorgo (Sorghum bicolor (L.) Moench), é um gênero botânico pertencente à família Poaceae, de origem africana, sendo o quinto cereal mais produzido no globo, superado apenas por trigo, arroz, milho e cevada.

Os sorgos são classificados agronomicamente em cinco grupos: granífero, sacarino, forrageiro, vassoura e biomassa. “Embora se trate da mesma cultura (Sorghum bicolor), os sistemas de produção orientados para a produção de grãos (sorgo granífero) são distintos dos sistemas que visam a produção de forragem destinada à alimentação animal ou para a geração de energia, em que o foco principal é a produção de biomassa”, diz o pesquisador.

O sorgo forrageiro tem porte maior que o granífero, e a finalidade dele é produzir massa verde, com alta proteína e alta digestibilidade, para alimentação animal na forma de silagem ou feno.

“O sorgo é uma espécie de grande valia para a prática da agricultura sustentável, a segurança alimentar e a qualidade de vida em nossas condições tropicais. Vale ressaltar que o sorgo, por ser mais tolerante à seca que os cereais citados acima, pode se tornar uma das principais culturas para mitigar os fortes efeitos das mudanças climáticas que estão ocorrendo nos trópicos”*, pontua Guimarães.

Zarc sorgo forrageiro

A elaboração de um zoneamento agrícola de riscos climáticos envolve o uso de análises que integram simultaneamente as características específicas das plantas, do solo e do clima da região.

“Os conhecimentos gerados nessas áreas são usados para simular o comportamento da cultura agrícola em todo o país em função das variações climatológicas em séries históricas de longas durações. Diferentes resultados são ainda obtidos em função do ciclo de crescimento das plantas e da disponibilidade hídrica dos solos”, diz Daniel Guimarães.

Segundo o pesquisador da Embrapa, para o Zarc do sorgo forrageiro, o processo de modelagem levou em consideração a boa disponibilidade hídrica dos solos na fase de germinação e o estabelecimento inicial da cultura e do período de crescimento vegetativo. “Assim é possível maximizar a produção de biomassa, condição básica para a alta produção de forragem. Também foram incluídos os riscos de excesso de chuvas, os riscos de ocorrência de geadas, as baixas temperaturas e os impactos do fotoperíodo”, explica.

O objetivo deste estudo foi identificar as áreas de menor risco climático, classificado em níveis de risco (20%, 30%, 40% e >40% ou inviável) e definir os melhores períodos de semeadura para esta cultura no Brasil, para reduzir as perdas de produção e obter rendimentos mais elevados. Os resultados obtidos foram submetidos às análises críticas de especialistas na cultura e posteriormente foram discutidos em reuniões de validações com extensionistas das diferentes regiões brasileiras, para identificação de eventuais inconsistências em relação à realidade local e possibilidades de ajustes na metodologia.

Os resultados mostraram que o cultivo do sorgo forrageiro deve ser iniciado em outubro e finalizado em fevereiro, na maioria das regiões do Brasil Central. “Nas regiões onde o regime hídrico começa e finaliza mais tarde, ele pode ser plantado até março, como na região Nordeste. Quando comparado ao milho, o sorgo permite a postergação das datas de semeadura em até 20 dias nos plantios de segunda safra, nas principais fronteiras agrícolas brasileiras, além da expansão dessas áreas de cultivo”, explica o pesquisador Cícero Beserra de Menezes, da Embrapa Milho e Sorgo.

“Deve-se levar em consideração a sensibilidade da cultivar ao fotoperíodo, pois a planta de cultivares sensíveis cresce menos na segunda safra”, diz Menezes.

Sorgo se destaca na seca

O sorgo se destaca pela maior tolerância à seca e às altas temperaturas. É utilizado para a produção de grãos e de biomassa para alimentação animal, energia e papel. O sorgo forrageiro apresenta um sistema radicular profundo, que permite o aumento da fixação do carbono no solo, a proteção do solo às intempéries e a boa adaptação aos sistemas de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta.

“O sorgo tem mostrado bom desempenho até em locais de águas salinas, tem menor custo de produção que o milho e possui excelente adaptação tanto para a agricultura intensiva quanto para a agricultura familiar. Quando cultivado de forma adequada, produz muito grão, o que resulta em uma silagem de boa qualidade sem a necessidade do uso de aditivos. Essa cultura também é tolerante ao pisoteio do gado e apresenta baixa incidência de nematoides e de cigarrinha das pastagens”, descreve Menezes.

Zarc

O Zoneamento Agrícola de Riscos Climáticos, coordenado pelo Mapa e executado pela Embrapa, com apoio do Banco Central do Brasil, já apresentou resultados indicativos das épocas de cultivo de menores riscos de perdas, relacionadas ao clima, para mais de 40 culturas agrícolas no País. Essas informações são relevantes para permitir o acesso ao crédito agrícola e para atender as exigências para o acesso ao Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro), ao Proagro Mais e ao Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR).

“Deste modo o Zarc se torna uma importante ferramenta para a redução dos riscos de perdas na agricultura e minimização das perdas de ordem econômica. É um instrumento que orienta o produtor nas tomadas de decisão no agronegócio”, diz Guimarães.

Aplicativo Plantio Certo

Produtores rurais e outros agentes do agronegócio podem acessar por meio de tablets e smartphones, de forma mais prática, as informações oficiais do Zarc, facilitando a orientação quanto aos programas de política agrícola do governo federal. O aplicativo móvel Zarc Plantio Certo, desenvolvido pela Embrapa Informática Agropecuária (Campinas/SP), está disponível nas lojas de aplicativos: iOS e Android

Os resultados do Zarc também podem ser consultados e baixados por meio da plataforma “Painel de Indicação de Riscos” e nas portarias de Zarc por Estado.

AGRONEWS – Informação para quem produz

Mostrar mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados