fbpx
conecte-se conosco

Mercado Financeiro

Brasil retorna ao posto de 3º lugar na produção mundial de carne de frango

Publicado

em

brasil

Na última década, duas doenças animais distintas fizeram com que o Brasil mudasse de posição no ranking dos principais produtores de carne de frango

Uma delas levou o País à vice-liderança mundial, atrás apenas dos EUA. A outra, o recolocou no terceiro lugar. Agora, aparentemente, de forma definitiva, ou seja, cedendo de vez o lugar à China.

À primeira vista, frente à sua população, a China deveria ser o maior produtor mundial de carne de frango. Aparentemente é, mas não para o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) que, em suas estatísticas, desconsidera o produto de origem doméstica (isto é, os não-hibridizados). E isso, historicamente, mantém a China num segundo posto, atrás dos EUA.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

Mas em 2016 a China perdeu essa posição. Para o Brasil. Que permaneceu como o segundo maior produtor mundial de carne de frango durante três anos, entre 2016 e 2018. Porque, em essência, a avicultura chinesa foi profundamente afetada pela Influenza Aviária (IA), problema sanitário que, em apenas dois anos, fez sua produção de carne de frango recuar cerca de 15%.

Leia também:  Desembolso do crédito rural atinge R$ 201 bilhões em 10 meses

Essa queda poderia ter sido minimizada. Mas ao mesmo tempo em que assistia à dizimação de parte de seu plantel avícola pela IA, o governo chinês proibia a importação de reprodutoras provenientes de países também atingidos pela doença, o que incluía EUA e países europeus, então os principais fornecedores. E isso retardou a retomada da produção.

Apenas os cortes de frango elevaram sua participação na receita cambial

Foi preciso o surgimento de outra doença – a Peste Suína Africana (PSA) – para que a situação se invertesse. Agora, de forma radical, pois em apenas um ano (2019) a produção de carne de frango da China aumentou perto de 18%, voltando a superar o recorde que permanecia imbatível desde 2015.

Tal desempenho é resultado dos altos investimentos aplicados no setor na tentativa de mitigar a menor disponibilidade interna de carne suína. E faz com que – a despeito de uma vindoura recuperação na produção suinícola – o aumento de produção seja contínuo.

E se, em 2019, o ganho em relação à produção brasileira foi mínimo (diferença inferior a meio por cento), agora tende a ser mais amplo. Os resultados preliminares de 2020 e as projeções para 2021sugerem diferença superior a 5%, índice que tende a avançar nos próximos anos e pode, inclusive, levar a China a superar os EUA, mesmo nas estatísticas do USDA .

Leia também:  Frango: abatido registra o maior valor de todos os tempos

Em outras palavras, o posicionamento do Brasil como terceiro maior produtor mundial parece ser definitivo.

Fonte: Aviste

AGRONEWS – Informação para quem produz

Mercado Financeiro

Exportação de café em nível mundial totaliza 65,4 milhões de sacas em 6 meses

Publicado

em

café

Cafés da espécie arábica participaram das exportações com 64% e robusta com 36% % no período de outubro de 2020 a março de 2021

O total das exportações de café, em nível mundial, atingiu um volume físico equivalente a 11,94 milhões de sacas de 60kg, no mês de março do corrente ano de 2021, número que representa um aumento de 2,4%, se comparado com as 11,66 milhões de sacas exportadas em março de 2020. De modo semelhante, se for expandido o período de análise das exportações globais para o total acumulado no período de outubro de 2020 a março de 2021, constata-se que as exportações também registraram aumento de 3,5%, ao passarem de 63,2 milhões de sacas para 65,4 milhões de sacas, em comparação com o mesmo período do ano-cafeeiro anterior.

Vale registrar que, no período em análise, de outubro de 2020 a março de 2021, o aumento das exportações globais se deu pela venda de cafés verdes, que tiveram um incremento de 4,3%, ao registrarem 59,32 milhões de sacas. Em contrapartida, as exportações de café solúvel e café torrado registraram queda de 3,4% e 4%, em comparação com o mesmo período anterior, ao totalizarem 5,72 milhões e 336,17 mil sacas, respectivamente.

Leia também:  Ovos: excedentes seguem prevalecendo e derrubando cotações

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

Neste mesmo contexto, também vale ressaltar que os números e dados estatísticos, ora em análise, da performance das exportações da cafeicultura global, foram obtidos do Relatório sobre o mercado de Café – abril 2021, da Organização Internacional do Café – OIC, instituição representativa da cafeicultura mundial, da qual o Brasil é país-membro. A OIC congrega países produtores e consumidores de café, bem como administra o Acordo Internacional do Café. Tal Relatório também encontra-se disponível na íntegra no Observatório do Café, do Consórcio Pesquisa Café, coordenado pela Embrapa Café. Convém esclarecer que o ano-cafeeiro para a OIC compreende o período de outubro a setembro.

Conforme o Relatório da OIC, o desempenho das exportações dos blocos regionais durante os primeiros seis meses do atual ano-cafeeiro (outubro de 2020 a setembro de 2021), comparado com o mesmo período anterior, demonstra que as vendas de café da África caíram 8,9%, ao atingirem 5,96 milhões de sacas, e que o volume das exportações de café da Etiópia, Costa do Marfim e Quênia também caíram, respectivamente, 28,5%, 49% e 9,5%.

Leia também:  Curiosidades que talvez você não saiba sobre as minhocas

No caso da Ásia & Oceania, também importantes regiões produtoras de café em nível mundial, as exportações registraram queda de 6,3%, ao atingirem 19,3 milhões de sacas. E as exportações de café do Vietnã, segundo maior produtor em nível mundial e maior produtor dessa região, caíram 13,2%, com 12,58 milhões de sacas vendidas aos importadores. Quanto às exportações do México & América Central, também houve registro de queda nos números, com uma diminuição de 12,2%, ao somarem 6,06 milhões de sacas. E, em Honduras, maior produtor da região, ocorreu uma queda de 20,9%, com 2,19 milhões de sacas, nos primeiros seis meses do atual ano-cafeeiro da OIC, comparado com o mesmo período do ano-cafeeiro anterior.

Em contrapartida, a América do Sul, único bloco regional a apresentar aumento nas exportações de café nos primeiros seis meses do referido ano-cafeeiro 2020-2021, pois atingiu o volume de 33,74 milhões de sacas, performance 17% maior que o desempenho anterior. E, finalmente, nesse mesmo bloco, as exportações da Colômbia cresceram 3,5%, com 7,09 milhões de sacas, o Equador se manteve estável, com aproximadamente 1,75 milhão de sacas, e os Cafés do Brasil, maior produtor e exportador do mundo, apresentaram aumento de 23,3% ao atingirem 24,66 milhões de sacas, no citado período.

Leia também:  Normando Corral é o novo presidente do Conselho da Agroindústria – Coagro/Fiemt

No caso do Brasil, o desempenho positivo das exportações, conforme o Relatório sobre o Mercado de Café – abril 2021, pode ser atribuído principalmente ao fato de o País ter tido sua produção um ano de bienalidade positiva do café arábica, espécie que tem como característica alternar produção maior em um ano-safra, com outra menor na safra seguinte.

Por Embrapa Café

AGRONEWS – Informação para quem produz

Continue lendo

Mercado Financeiro

Carne de frango: abates inspecionados do 1º tri sinalizam total de 14,5 milhões/ton em 2021

Publicado

em

carne de frango

Os dados preliminares ontem (12) divulgados pelo IBGE apontam que no primeiro trimestre de 2021 foram abatidas em estabelecimentos sob inspeção federal, estadual ou municipal pouco mais de 1,5 bilhão de cabeças de frango, volume que representou aumento de quase 2,5% sobre o mesmo trimestre de 2020 e estabilidade (queda de apenas 0,1%) em relação ao quarto trimestre de 2020, normalmente o de maior consumo de cada exercício.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

A carne decorrente desses abates somou 3,626 milhões de toneladas, resultado que correspondeu a aumentos de 4,28% sobre o mesmo trimestre de 2020 e de 1,65% sobre o trimestre anterior, o quarto do ano passado.

Neste caso, como o número de cabeças sofreu ligeira redução e, mesmo assim, aumentou a carne produzida, conclui-se que houve incremento de peso nas aves abatidas no período. Pelos dados disponíveis, de 1,66% – de 2,297 kg/cabeça para 2,335 kg/cabeça.

Mantida a média produzida no 1º trimestre – normalmente a menor do ano, inclusive porque esse é o trimestre mais curto de cada exercício – o volume produzido em 2021 irá chegar aos 14,5 milhões de toneladas, 5% a mais que o estimado para 2020.

Leia também:  Novo ciclone subtropical deve se formar na costa brasileira
Carne de frango: abates inspecionados do 1º tri sinalizam total de 14,5 milhões/ton em 2021

Por Avisite

AGRONEWS – Informação para quem produz

Continue lendo

Mercado Financeiro

IBGE: produção de ovos no 1º trimestre recuou em relação ao 1º e 4º trimestres de 2020

Publicado

em

ovos

Os resultados preliminares divulgados ontem (12) pelo IBGE apontam que no primeiro trimestre de 2021 foram produzidas no Brasil, em granjas com plantel de 10 mil ou mais poedeiras, perto de 973 milhões de dúzias de ovos de galinha, volume que correspondeu a quedas de 0,09% e de 1,76% sobre, respectivamente, o mesmo trimestre de 2020 e o trimestre imediatamente anterior, o quarto do ano passado.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

Vale ressaltar, entretanto, que o desempenho registrado não significou queda de produção. É que a produção de ovos tem uma peculiaridade que as estatísticas mensais não captam: galinhas botam todo dia e, assim, seu produto deve ser mensurado, também, pelo volume diário.

Isso posto, conclui-se que o volume médio produzido no primeiro trimestre aumentou mais de 1% em relação ao mesmo trimestre de 2020 (ano bissexto, portanto, com 29 dias em fevereiro) e perto de meio por cento em comparação ao quarto trimestre de 2020.

Por Ovosite

AGRONEWS – Informação para quem produz

Leia também:  Ovos: excedentes seguem prevalecendo e derrubando cotações
Continue lendo


Tendências