CLIMATEMPO 23 de abril 2022, veja a previsão do tempo no Brasil

O sábado ainda vai ser instável por toda a costa Norte do país, mas o ar vai seguir abafado entre as regiões Norte e Nordeste

Assista o Boletim CLIMATEMPO 23 de abril 2022 e veja a previsão do tempo no Brasil.

Tem previsão para pancadas de chuva forte no Amazonas, Pará e também em Macapá, mas o risco de temporais vai seguir elevado na capital São Luís, Fortaleza e também em Natal. O dia vai ser marcado por muita nebulosidade sobre estas regiões.

Por outro lado no interior do país, o destaque ainda vai seguir sendo os baixos índices de umidade. O tempo vai seguir firmes e quando o interior da Bahia, todo o estado de Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, grande parte do leste e norte de São Paulo e também sobre o Distrito Federal.

Tem previsão para pouca chuva no oeste paulista, sem grandes alertas. No estado de Mato Grosso o destaque ainda será o calor, mas tem previsão para chuva com moderada a forte intensidade principalmente no Noroeste do Estado. Já em Mato Grosso do Sul, o alerta ainda é de temporais.

Na região Sul do Brasil, a chuva vai perder força e tem previsão para a chuva entre a tarde e a noite, mas sem grandes acumulados. O risco para temporais se concentra principalmente na madrugada deste sábado, mas o tempo já volta a ficar firme na região de Uruguaiana.

A máxima não passa dos 21º graus em Porto Alegre, mas chega aos 34º graus em Cuiabá. No Rio de Janeiro o destaque volta ser o calor intenso e a mínima começa com 20º graus e a máxima pode chegar aos 35º graus. E apesar da chuva, Salvador segue com muito calor e a máxima será de 30° graus na tarde deste sábado.

CLIMATEMPO 23 de abril 2022

Assista o Boletim CLIMATEMPO 23 de abril 2022 e veja a previsão do tempo no Brasil.

https://www.youtube.com/watch?v=2dFE-FO0wmw

Brasil já registra mais de 2 milhões de raios em 1 mês de outono

Neste mês de abril, circulou na internet uma foto do fotógrafo Murilo Oliveira, que mostra os raios na cidade de São Paulo, formando uma imagem semelhante ao mapa do Brasil.

A incidência de raios é maior no período chuvoso, ou seja, no verão. Mesmo assim, é importante lembrar que os raios são comuns ao longo do ano inteiro.

Inclusive, o Brasil é considerado o campeão mundial em incidência de raios. Um estudo divulgado pelo Grupo de Eletricidade Atmosférica(ELAT/INPE), mostra que cerca de 78 milhões de raios caem todos os anos sobre o país, e de 2000 a 2019, o país registrou 2.194 mortes por raios.

O outono, que começou em 20 de março de 2022, é a estação de transição do período chuvoso, para um período mais seco. A Climatempo realizou um levantamento de acordo com dados exclusivos dos sensores Earth Networks, que mostra que só neste período de 30 dias, entre o começo do outono e o dia 20 de abril de 2022, já caíram mais de 2 milhões de raios no Brasil.

No começo do mês de abril, entre os dias 1 e 11, o ELAT/INPE observou que o número de raios que chegam ao solo aumentou quase 90 vezes no Vale do Paraíba, interior de SP.

Número de raios deve aumentar cada vez mais com as mudanças climáticas

As mudanças climáticas estão aumentando, cada vez mais, o número de eventos climáticos severos no país. De acordo com um livro recém-lançado por cientistas do ELAT/INPE, a incidência de raios no Brasil deve aumentar substancialmente nos próximos anos devido às mudanças climáticas. No livro, os cientistas Osmar Pinto Jr. e Iara Cardoso alertam que o número de descargas elétricas no país subirá para uma média de 100 milhões por ano até o fim do século.

Como os raios podem afetar o setor de Construção e Mineração?

A situação fica cada vez mais perigosa para os setores de construção e mineração, já que grande parte das operações são realizadas a céu aberto. Além dos problemas materiais, os raios também podem provocar incêndios e ameaçar a segurança dos trabalhadores nos canteiros de obras e nas minas.

Além disso, os raios acontecem, normalmente, acompanhados de muita chuva e ventania, variáveis que também impactam fortemente o setor, pois oferecem riscos às vidas dos funcionários e provocam impactos nas operações, como paralizações, atrasos, entre outros.

Fonte: CLIMATEMPO

AGRONEWS® é informação para quem produz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.