conecte-se conosco

Notícias

Conheça a cultivar de uva de mesa preta “BRS Vitória”, a pequena notável

Publicado

em

E uma pequena notável tem tomado conta das gôndolas dos supermercados no Brasil e no exterior: a ‘BRS Vitória‘.

Em menos de sete anos, a ‘BRS Vitória‘, cultivar de uva de mesa preta, sem sementes e com sabor aframboesado lançada pelo Programa de Melhoramento Genético Uvas do Brasil, da Embrapa Uva e Vinho, vem atraindo a atenção de brasileiros e estrangeiros e quebrando muitos paradigmas. Segundo estimativas do setor produtivo, ela já ocupa 15% da área de cultivo de uvas do Vale do São Francisco. São cerca de 1.400 hectares, onde são produzidos mais de 90.000 toneladas da cultivar brasileira ao longo de todo ano, da cultivar.

A produção abastece e tem lugar diferenciado nas gôndolas nacionais e internacionais, especialmente na Europa, que costumava consumir uvas exclusivamente vindas da Itália, Espanha e Grécia.

Além  de ser uma opção interessante para grandes empresários, por possibilitar o escalonamento da colheita, ela viabilizou a produção dos pequenos produtores, que até então enfrentavam dificuldades relacionadas ao pagamento de royalties das cultivares estrangeiras protegidas, principalmente aos Estados Unidos.

O que a ‘BRS Vitória’ tem?

Pelo seu reduzido tamanho de cacho e grão pequeno, inicialmente não atraiu a atenção dos produtores. Já no primeiro dia de campo, quando foi apresentada para degustação aos representantes das principais redes de supermercados do Brasil e de importadoras,  despertou grande interesse comercial. O que chamou a atenção foi o sabor especial da uva, que era bem distinto do sabor das cultivares tradicionais, como ‘Thompson Seedless’, ‘Crimson Seedless’ e ‘Superior Seedless’.

Desde então, ela estabeleceu  um novo padrão e conquistou espaços de destaque em pontos de venda. Alguns  defendem que ela é do tamanho ideal para pessoas que moram sozinhas, casais ou famílias com poucos filhos. Seu sabor exótico (como  Carmem Miranda) e aframboesado  lembra suco de uva e tem uma procura crescente pelos consumidores.

Desenvolvida para regiões tropicais, a cultivar chamou a atenção dos produtores de outras regiões e fez com que a Embrapa ajustasse seu manejo, tornando possível a sua produção em regiões de clima temperado (Região Sul) e subtropical (Norte do Paraná e São Paulo). Nestas regiões, o cultivo da ‘BRS Vitória’ encontra-se em expansão, principalmente em pequenas propriedades de base familiar, que vendem as uvas para varejistas ou diretamente para o consumidor final que faz turismo nas propriedades.

Por ser tolerante ao míldio (principal doença fúngica da videira), a ‘BRS Vitória’ demanda um número menor de tratamentos fitossanitários e de reguladores de crescimento durante o ciclo vegetativo da planta. Isso traz economia e benefícios para a saúde dos agricultores e trabalhadores, para o meio ambiente e para os consumidores, que têm acesso a uma fruta mais saudável.

Os preços médios da ‘BRS Vitória’ pagos ao produtor giram em torno de R$ 6,50 para exportação e R$ 5,00 no mercado interno. O preço varia bastante para os consumidores, que chegam a pagar  R$ 18,00 por kg, nessa época.

Disseram que eu voltei americanizada

Na dimensão do mercado, o sucesso da ‘BRS Vitória’ contribuiu positivamente na balança comercial brasileira, pois viabilizou as exportações de uvas o ano inteiro, o que antes só acontecia nas janelas de mercado (abril e outubro/novembro). Isso só foi possível pela tolerância da cultivar às chuvas, que mesmo durante a maturação, não prejudicam a qualidade da fruta com rachaduras, como acontece com outras cultivares tradicionais.

A produção e exportação ininterrupta é uma realidade no Vale do Submédio São Francisco, no Nordeste brasileiro, principal polo exportador de frutas do país onde são produzidas 95% das uvas de mesa exportadas pelo Brasil.

Parte significativa da produção da ‘BRS Vitória’  é exportada para os Estados Unidos, Canadá, Emirados Árabes e Europa. As altas produtividades, que  alcançam 65 toneladas/hectare/ano (dobro da média nacional), distribuídas ao longo do ano, asseguram a  melhor utilização da mão de obra e recursos, resultando em  grandes benefícios econômicos e sociais.

Além da ‘BRS Vitória‘ , também fazem sucesso no Semiárido outras cultivares de uva da Embrapa: a ‘BRS Isis’, sem sementes e de cor avermelhada, que já conta com uma área de 400 ha, e a ‘BRS Núbia’, uva preta com sementes e que atrai pelo tamanho exuberante das suas bagas, produzida em mais de 250 ha.

 A Embrapa Uva e Vinho, atenta ao mercado e às conquistas já alcançadas, continua testando novas seleções avançadas de uvas sem sementes, com sabores especiais, que são  futuras apostas para a agricultura brasileira.

Programa de Melhoramento Uvas do Brasil

Desde 1977, dando sequência às primeiras iniciativas da antiga Estação Experimental de Caxias do Sul, a Embrapa Uva e Vinho vem conduzindo o Programa de Melhoramento Genético ‘Uvas do Brasil’, voltado para a obtenção de cultivares para mesa, suco e vinho, especialmente adaptadas às diferentes condições edafoclimáticas brasileiras. Já foram lançadas 21 cultivares, que têm como características uma elevada produtividade, diferentes ciclos de produção e alta resistência às doenças que atacam a cultura da videira, como o míldio e o oídio.

O germoplasma básico utilizado nos cruzamentos é obtido a partir dos materiais disponíveis no Banco Ativo de Germoplasma – Uva, mantido pela Embrapa Uva e Vinho. Com 1400 acessos, é o maior acervo de germoplasma de videira de toda a América Latina,  contendo exemplares de Vitis vinifera, Vitis labrusca e espécies tropicais selvagens.

Atualmente, o Programa de Melhoramento ‘Uvas do Brasil’ utiliza métodos clássicos de melhoramento, como seleção massal, seleção clonal e hibridações. Ações de ajuste de manejo de seleções avançadas para vêma viabilização desses materiais vem sendo desenvolvidas paralelamente ao Programa de Melhoramento, no sentido de viabilização destes materiais.

Ao logo dos seus 40 anos, uma grande equipe técnica trabalhou para executar projetos de pesquisa para atender as necessidades e as demandas de diferentes segmentos da vitivinicultura nacional, incluindo produtores de uvas de mesa para exportação do semiárido nordestino, viticultores interessados em produzir sucos em regiões tropicais ou pequenos produtores familiares da tradicional região da Serra Gaúcha, interessados em melhorar a qualidade do vinho artesanal que produzem.

Por: Viviane Zanella – Embrapa Uva e Vinho

Publicidade
Clique para comentar

Comente sobre esta matéria

Tendências