conecte-se conosco

Mundo Animal

Glaucoma e catarata: saiba como podem afetar cães e gatos

Publicado

em

No Dia Nacional de Combate ao Glaucoma e à Catarata, celebrado em 26 de maio, o CRMV-SP alerta para a importância do diagnóstico precoce

Os tutores estão cada vez mais preocupados com a qualidade de vida de seus pets. Afinal, nada é mais gratificante do que vê-los alegres e saudáveis perambulando pela casa. Algumas doenças, no entanto, são difíceis de detectar. É o caso do glaucoma e da catarata.

O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP) alerta que, para minimizar o impacto das doenças oculares no bem-estar dos animais, os tutores devem ficar atentos aos sinais e realizar consultas periódicas com o médico-veterinário.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

Essas doenças que atingem os olhos são as principais causas de cegueira nos animais domésticos, sobretudo nos cães. Alguns casos são reversíveis e outros podem ter seu quadro estagnado ou atrasado. Vale lembrar que o diagnóstico precoce e o tratamento adequado ajudam a reduzir as chances de o pet perder a visão.

Segundo o médico-veterinário Eduardo Pacheco, membro da Comissão Técnica de Clínicos de Pequenos Animais (CTCPA) do CRMV-SP, todos os animais podem ter doenças oculares. Algumas das raças caninas, no entanto, apresentam maior predisposição, como shih-tzu, pug, lhasa apso, boxer, bulldog e boston terrier. Já em felinos, raças como persa ou exótico tem uma propensão maior a ter complicações.

Fique atento ao pet

Situações como o aparecimento de secreções, desconforto e alteração na coloração dos olhos podem ser indícios de problemas oftalmológicos. Também é importante que o tutor fique atento às mudanças de comportamento do animal, como explica o presidente da CTCPA do CRMV-SP, Marcio Thomazo Mota.

“Os pets podem tropeçar pela casa, normalmente durante a noite ou situações de baixa luminosidade, errar o caminho e se sentirem mais impacientes. Também podem apresentar dores nos olhos, buscando raspar com frequência a região ocular com a patinha”, diz Mota.

O médico-veterinário Eduardo Pacheco reforça a importância de buscar ajuda profissional para que possa ser feito o diagnóstico precoce. “Há alterações que não são visíveis para o tutor, por isso, é sempre indicado ir a uma consulta com médico-veterinário oftalmologista pelo menos uma vez ao ano.”

Caso seja diagnosticada a doença ocular, com a devida atenção dos tutores e a orientação de um profissional qualificado, é possível promover o bem-estar do animal por meio do tratamento mais indicado a ele, que pode incluir o uso de colírio e medicamentos ou, em alguns casos, cirurgia.

“O dia 26 de maio é uma data para nos lembrarmos dessas doenças, mas os cuidados com nossos pets devem ser diários, prestando atenção, observando e monitorando-os sempre”, reforça Mota.

Diferenças entre glaucoma e catarata

O glaucoma está relacionado ao aumento da pressão intraocular e à degeneração do nervo óptico, levando à perda da visão. Estima-se que a doença afete 0,5% da população canina, sendo menos incidente entre os felinos. A causa pode ser hereditária ou, então, decorrente de catarata em estágio avançado, inflamações ou até tumores.

Já a catarata é caracterizada pelo esbranquiçamento do olho do animal e ocorre quando há o envelhecimento do cristalino. A doença pode ser desencadeada por problemas congênitos (o animal nasce com a catarata), hereditários, traumáticos, ou ainda, em decorrência de doenças, como o diabetes.

Por CRMV

AGRONEWS – Informação para quem produz

Publicidade
Clique para comentar

Comente sobre esta matéria

Tendências