Mercado FinanceiroNotícias

Suíno: confira as exportações até maio de 2022

suíno

As exportações brasileiras de carne suína in natura recuaram de abril para maio

Segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), em maio, o Brasil embarcou 79,8 mil toneladas da proteína, 2,1% a menos que em abril e ainda 12,7% abaixo da quantidade de maio/21. Apesar desse resultado, os faturamentos em dólar e em Real aumentaram no comparativo mensal. Em maio, o setor faturou US$ 190,8 milhões, montante 5,5% maior que no mês anterior, mas 19,8% a menos que maio/21.

Em moeda nacional, a receita cresceu 9,9% no comparativo mensal, mas caiu 25% no anual. Esse movimento de alta na receita está atrelado ao maior preço pago pela proteína no mercado externo e à elevação da taxa de câmbio. O valor médio pago por tonelada do produto passou de US$ 2.219,10 em abril/22 para US$ 2.391,58 em maio/22, aumento de 7,8% no período. O dólar, por sua vez, passou de R$ 4,75 em abril para R$ 4,95 em maio, valorização de 4,2%.

Como principal destino da carne suína brasileira, as movimentações da China tendem a ditar o ritmo das exportações. De abril para maio, o país asiático diminuiu as compras em 11,7%. Assim, após dois meses de quedas consecutivas, o volume enviado à China somou a menor quantidade desde fevereiro/22, ainda conforme dados da Secex.

De janeiro a maio de 2022, o setor suinícola embarcou 374,6 mil toneladas de carne in natura, queda de 7% frente às 402,8 mil toneladas do mesmo período de 2021. Esse cenário é resultado dos menos envios à China. No acumulado de 2022, foram enviados ao país asiático 137,1 mil toneladas, 40,4% a menos
que no mesmo período do ano passado.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

Relação de troca e insumos

O poder de compra de suinocultores paulistas frente aos principais insumos consumidos na atividade (milho e farelo de soja) aumentou entre abril e maio, que foi o terceiro mês consecutivo de avanço no poder de compra do produtor. Esse cenário foi favorecido pelos aumentos nos preços médios do animal vivo e,
principalmente, pelas desvalorizações dos insumos.

Considerando-se o suíno vivo comercializado na região SP-5 (Bragança Paulista, Campinas, Piracicaba, São Paulo e Sorocaba) e os insumos negociados no mercado de lotes da região de Campinas (SP), o suinocultor conseguiu comprar 4,3 quilos de milho com a venda de um quilo de suíno em maio, 2,5% a
mais que em abril. Em relação ao farelo de soja, foi possível ao produtor a compra de 2,5 quilos do derivado, avanço de 8,9% frente ao volume do mês anterior.

No mercado de milho, de acordo com a Equipe Grãos/Cepea, os preços recuaram em parte das regiões brasileiras, influenciados pela menor demanda. Além de compradores se mostrarem abastecidos e atentos às boas perspectivas quanto à segunda safra brasileira, produtores também tiveram interesse em negociar, seja para “fazer caixa” ou para liberar espaço nos armazéns. Dessa forma, em Campinas (SP), a saca de 60 kg foi negociada em maio na média de R$ 87,36, valor 1,6% inferior ao praticado em abril.

No caso do farelo de soja, ainda de acordo com a Equipe Grãos/Cepea, a oferta do derivado esteve superior à demanda, resultando em baixas nos preços. Grande parte dos suinocultores e avicultores já havia realizado contratos de farelo de soja para recebimento de médio a longo prazo e, por isso, não estiveram
ativos nas aquisições envolvendo grandes quantidades no spot. Assim, o valor do derivado recuou 7,5% na região de Campinas entre abril e maio, com a tonelada do produto sendo negociada à média de R$ 2.447,36 no último mês.

Já para o suíno, na região de SP-5 (Bragança Paulista, Campinas, Piracicaba, São Paulo e Sorocaba), o animal registrou média de R$ 6,21/kg em maio, alta de 1% em relação a abril. Ressalta-se que, apesar da melhora do poder de compra em maio, agentes do setor se mantiveram bastante apreensivos ao longo do mês. Além dos custos de produção continuarem elevados, o preço do animal caiu expressivamente na segunda quinzena.

Por Cepea

AGRONEWS® é informação para quem produz

Artigos relacionados
NotíciasGeral

Simpósio FACTA aborda produção de aves sem uso de antimicrobianos melhoradores de desempenho

Mercado FinanceiroNotícias

Custos de produção de suínos caem em maio; produzir frango ficou mais caro em 2022

Diárias de Mercado

Suínos: preços seguem em alta nesta 2ª quinzena

NotíciasGeral

Suínos: Canadá habilita novas plantas brasileiras de carne suína

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.