NotíciasGeral

Turismo rural pode ser fortalecido com a criação de política nacional que define medidas emergenciais para o setor

Fôlego de Esperança

A vivência fora do ambiente urbano tem atraído cada vez mais pessoas que buscam a tranquilidade da rotina do campo em meio a natureza. E nessa pandemia da COVID-19, o turismo rural tem sido uma opção de entretenimento, principalmente, para aqueles que buscam lugares que tragam paz, experiências novas e com sem aglomeração.

As belezas naturais de Mato Grosso têm atraído turistas brasileiros e estrangeiros e com isso, fortalecido a economia local, apesar do setor de turismo ter sido um dos grandes afetados com a proliferação do coronavírus.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

Para o economista Geraldo Donizeti Luci, que é agente técnico da Empaer Mato Grosso, o turismo rural passa a ser a bola da vez, pois a retomada do turismo será de forma regional, com viagens de pequenos trechos, em raios de até 250 km, realizados por pequenos grupos, iniciando pela família e amigos, em vans, mini-vans ou carros de passeio.

Na semana passada, representantes do turismo rural defenderam a aprovação pela Câmara dos Deputados, em Brasília, de dois projetos de lei que atendem demandas do setor: o PL 4395/20, que cria a Política Nacional de Fomento ao Turismo Rural, e o PL 4396/20, que permite acesso às medidas emergenciais de auxílio ao setor turístico. “Acreditamos que com a aprovação desses projetos de lei ajudará a fomentar o setor do turismo pós-pandemia, uma vez, o que mais nos perguntamos ao futuro é, como iremos fazer turismo com segurança, ainda em mais em um cenário mundial onde a COVID-19 se faz presente e dificulta ainda mais as possibilidades de se abrir a todos os públicos, como antes era normal”, ressalta Jaime OKamura, consultor em turismo.

Enquanto isso, profissionais da área têm procurado capacitação junto ao Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso (Senar-MT), para se reerguer pós-pandemia. Nascida e criada no campo, Derzina Oliveira de Paula, 53, somente se deu conta do potencial turístico do sítio em que morava após realizar um curso de Turismo Rural. O conhecimento foi a chave para a mudança de vida e há três anos ela trocou o restaurante arrendado para abrir o seu próprio ponto turístico: um camping balneário em Chapada dos Guimarães.

O consultor em turismo, Jaime Okamura, destaca que o turismo rural em Mato Grosso está sendo resgatado, a exemplo do que foi iniciado em meados dos anos 1980, quando as fazendas do Pantanal se abriram para o turista de outros cantos do país. “Em algumas regiões do Estado é possível encontrar propriedades com cachoeiras, áreas para camping e rancho com apartamentos. Atrações como essas estão ganhando mais adeptos e se tornando fonte de renda”, destaca Okamura.

O Senar-MT hoje disponibiliza seis treinamentos que capacitam profissionais para atuarem no planejamento, atendimento e empreendimento no turismo rural e integrado. Com a publicação da Lei 10.612/17, instituída pelo Governo do Estado no dia 16/10/2017 , trouxe um novo ânimo aos pequenos produtores rurais. A legislação define como atividade turística o ‘Turismo Rural na Agricultura Familiar’ que visa fomentar o trabalho dos agricultores, possibilitando um incentivo a mais para geração da economia no setor. “Mesmo com a criação da Lei em 2017 nada ou quase nada foi feito no sentido de obter recursos para realizar ações, cursos, treinamentos e visitas técnicas na área do turismo da agricultura familiar”, pontou Jaime Okamura.

Sinop, município no norte de Mato Grosso, hoje é considerado o Portal do Agronegócio, com crescimento acentuado no setor de serviços, indústria madeireira sólida e o agronegócio em ascensão, ainda mantêm a Agricultura Familiar forte e bem desenvolvida. A cidade é cercada por mais de 30 comunidades rurais, todas próximas da área central que trabalham com os mais variados produtos: hortaliças, frutas, legumes, mel, leite entre outros. A agricultura familiar tem dinâmica e características distintas em comparação à agricultura não familiar. Nela, a gestão da propriedade é compartilhada pela família e a atividade produtiva agropecuária é a principal fonte geradora de renda. “O agricultor familiar tem uma relação particular com a terra, seu local de trabalho e moradia. Hoje, Sinop se destaca no ranking estadual no plantio de banana, por exemplo, são mais de 6.400 toneladas da fruta a produção da fruta. Destaco ainda a apicultura no município, sendo assim, porque não aproveitas as atividades rurais comunitárias e torna-las produtos turísticos”, observa Leidiane Viegas, presidente da Associação Turística Portal do Agronegócio. Ela que também é turismóloga da Prefeitura de Sinop ressalta ainda que a Agricultura Familiar local organizada auxilia no crescimento da produção de todo estado de Mato Grosso.

O município de Tesouro, localizado a pouco mais de 370 km da capital Cuiabá, entrou no programa Mapa de Regionalização do Turismo, instituído pelo Ministério do Turismo do Governo Federal. Ele está entre os 82 municípios de Mato Grosso contemplados. O projeto classifica as cidades com potencial para o turismo de A a E. Tesouro ficou na classificação D, devido à pouca infraestrutura na área. Para melhorar a classificação do município, foi realizada uma cadeia produtiva de treinamentos voltados ao setor de turismo. Felipe Rocha da Silva, enxergou o potencial turístico da cidade em que mora através dos treinamentos. “Aprendi muito com os treinamentos, eles vão nos ajudar muito e pretendo me capacitar cada vez mais. Sempre que tiver treinamentos vou participar”. O técnico da Empaer-MT, Geraldo Donizeti Lucio garante que agora é o momento em que os Empreendedores do Turismo Rural precisam de apoio para a sustentabilidade e potencialidade dos negócios. “Sem falar dos potenciais e perspectivas que os Estados como Mato Grosso tem para formatação de novos produtos”, afirma Geraldo.

Para Jaime Okamura, em um país com uma diversidade cultural tão presente como o Brasil, o turismo de base comunitária é impulsionado para oferecer bons serviços aos visitantes, como guias, produtos de artesanatos e comidas típicas da região. ”O turismo de massa não é o mais recomendado para o agora. O Turismo Rural é uma boa solução para esse momento de retomada”, garante Okamura.

A cadeia produtiva do turismo está otimista com a proposta de criar a Política Nacional de Fomento ao Turismo Rural no Brasil.

Por Márcio Moreira – AGRONEWS

AGRONEWS – Informação para quem produz

Mostrar mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados