Infomercados BRNotícias

Veja as frentes de pressão que a soja tem pela frente. E não são poucas

soja

O cenário da soja não é dos mais favoráveis, mesmo com a reconhecida menor oferta brasileira nesta safra

Por Giovanni Lorenzon – AGRONEWS®

A soja teve uma pequena valorização na semana que passou em Chicago, mas terminou que no mercado interno os preços seguem caindo, como esta coluna já destacou.

E o cenário não mostra mudanças, pelo menos na abertura da nova semana.

As cotações no mercado futuro na bolsa americana tendem a andar de lado – inclusive está em leve baixa nesta segunda (28), no começo da manhã -, e seguirão pressionadas no mercado doméstico.

O dólar caiu mais na sexta, a R$ 4,75, e desvia cada vez mais compras para a soja americana, por parte dos chineses. Por sinal, também lentas, daí que Chicago na avança acima dos US$ 17 o bushel.

Como a soja brasileira ficou mais cara, na relação cambial de troca de mais dólares por menos reais, a safra demora para ser escoada.

Com isso, os prêmios nos portos estão em queda.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

Na semana passada, tinha saca do grão a R$ 180, com perda de mais de R$ 20 frente a semanas anteriores.

E a situação não é das melhores para os próximos tempos.

Os compradores sabem que há uma pressão adicional sobre os produtores brasileiros.

Há necessidade de capitalização, porque a decisão de compras de insumos para a safra 22/23 já está até atrasada. E, como sabemos, os fertilizantes estão pela hora da morte, além do que os defensivos seguem o ritmo de volatilidade do petróleo – volatilidade sempre no tento, diga-se.

Desse modo, em algum momento os produtores terão que ceder mais do que já estão cedendo.

Ao mesmo tempo, outra coisa bastante clara para o mercado internacional que em no máximo 4 a 5 semanas a soja vai ter que começar a dar lugar para o milho nos armazéns.

O Brasil, como de reconhece, não tem capacidade de armazenagem nem de uma safra, imagine de duas, ou seja, soja e depois milho.

Esse viés de necessidade de venda também é fator adicional para segurar os preços em Chicago e manter pressionado os no Brasil.

Como os chineses vinham dosando bastante suas aquisições, o nível de estoques de soja dos Estados Unidos ainda suporta mais um bom tempinho as compras dos asiáticos.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

Digo isso porque se a oleaginosa americana estivesse rareando, os compradores teriam que se deslocar imediatamente para o Brasil, e anularia todas as variáveis de baixa que apontamos acima.

Mas, não.

Por enquanto, o nível de fornecimento do Tio Sam está controlado.

E, ainda, as intenções do próximo plantio no Hemisfério Norte já deverão entrar cada vez mais nos preços.

Daí que é preciso o produtor estudar bem sua situação particular, controlar as vendas, buscar hedge (que, aliás, já está até meio tarde já), entre outras movimentações.

E isso que nem abordamos diretamente todo nervosismo que ainda não cessou com a guerra da Ucrânia.

AGRONEWS® é informação para quem produz

Artigos relacionados
Mercado FinanceiroNotícias

FCO oferta R$ 546,8 milhões em crédito para empresários e produtores rurais de MT

EspecialistasNotícias

Cereais de inverno ganham espaço na nutrição de bovinos para carnes nobres, confira!

GeralNotícias

Fundação MT dá início aos eventos de 2ª safra, confira!

GeralNotícias

Geada pode impactar a produção de milho e feijão 2ª safra no centro-sul do país

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.