fbpx
conecte-se conosco

Notícias

Vejamos a seguir algumas curiosidades da soja

Publicado

em

preço da soja hoje

A origem chinesa, o presente dos deuses, a chegada ao Brasil, as mil utilizações, o mercado e muitas outras curiosidades

Responda rápido: qual planta é utilizada tanto como alimento humano e animal, quanto na produção de itens tão diferentes quanto combustíveis, cosméticos, medicamentos, adesivos, adubos, produtos veterinários, tintas e plásticos, entre vários outros? Você acertou se pensou em soja!

Essa leguminosa originária da Manchúria, no nordeste da China, pode até não ser muito apreciada quando é apenas cozida, mas possui características surpreendentes e se tornou, com ampla vantagem, o principal produto de exportação do Brasil, que está prestes a se tornar, também, o maior produtor mundial.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

A soja tem uma longa história, que se iniciou há quase 5 mil anos, entre 2880 e 2830 antes de Cristo, de acordo com referências divulgadas pela Embrapa Soja, e em sua origem era tida pelos antigos chineses como um grão sagrado, assim como o arroz, o trigo e a cevada. Um dos primeiros registros da soja está no livro Pen Ts’ao Kong Um, que descreveu as plantas da China para o imperador Sheng-Nung. Contudo, apesar de tão antiga, a pequena planta rasteira ficou restrita à Ásia até o período compreendido entre o final do século 15 e o começo do século 16, quando foi levada para a Europa e plantada apenas em jardins botânicos, como curiosidade.

Demorou muito tempo para que os ocidentais descobrissem as inúmeras possibilidades dessa leguminosa da família Fabaceae, “parente” do feijão, da lentilha e da ervilha. Foi só no início do século 20 que surgiram os primeiros cultivos em maior escala na Europa e nas Américas, mas a partir daí a soja encontrou o ambiente perfeito para se tornar uma das mais valiosas commodities mundiais e a principal cultura do Brasil. A seguir, conheça um pouco mais dessa longa e rica história:

Jóia dos deuses

Uma lenda chinesa diz que a soja nasceu espontaneamente no país, como um presente do deus da agricultura, Hou-tsi, que se compadeceu com a miséria da população em um período de muita fome. Desde então, a planta passou a ser vista como um grão divino e chamada de “jóia amarela”, por causa do seu potencial nutritivo e medicinal.

Tofu, shoyu e missô

A origem chinesa é um dos motivos pelos quais a soja se tornou tão presente na culinária dos países asiáticos, nas mais diferentes formas. Com a popularização da comida japonesa, não há quem desconheça o molho shoyu que tempera o sashimi, a potente pasta de missô e o tofu, todos derivados de soja. Acredita-se que a soja tenha sido levada da China para o Japão por monges budistas e, de lá, espalhou-se por todo o Oriente. Graças às suas propriedades nutricionais, a leguminosa foi incorporada pela macrobiótica.

A chegada ao Brasil

José Marcos Gontijo Mandarino, pesquisador da Embrapa Soja, explica que a primeira tentativa de cultivo de soja no Brasil ocorreu em 1882, na Bahia, mas a espécie plantada não se adaptou ao clima. Nove anos depois, surgiram pequenas plantações na região de Campinas, no interior de São Paulo, com resultados melhores, e em 1928 a cultura chegou a Santa Rosa, no Rio Grande do Sul, já em escala comercial. Segundo Mandarino, as sementes mais específicas para consumo humano foram trazidas pelos primeiros imigrantes japoneses, em 1908.

A tropicalização

Por muitos anos a soja recebeu pouca atenção dos agricultores brasileiros, que preferiam cultivar culturas mais conhecidas, como café, cana-de-açúcar, arroz, feijão e milho, além de frutas e verduras. Foi somente a partir da década de 1970 que se percebeu o valor comercial da soja, impulsionado pelos programas de melhoramento genético. Em diferentes centros de pesquisas, como o Instituto de Pesquisa Agropecuária do Sul (Ipeas), foram feitos cruzamentos de cultivares trazidos de outros países. Destaca-se especialmente o importante papel da Embrapa e, posteriormente, da Embrapa Soja, que levou essas pesquisas a outro patamar, ao investir em tecnologias para a adaptação da cultura às condições brasileiras e permitir que a leguminosa pudesse ser plantada em baixas latitudes. Basta dizer que a Embrapa já desenvolveu mais de 280 cultivares de soja, um dos motivos pelos quais o Brasil produz, atualmente, mais de um terço de toda a soja do mundo.

Pioneirismo na biotecnologia

Quando se fala hoje em melhoramento genético, logo se imagina que se trata de algo muito moderno, proporcionado pelos avanços recentes da biotecnologia. Na realidade, é possível dizer que a soja passou por processos transgênicos desde a sua origem na China, quando agricultores cruzaram plantas diferentes para chegar ao grão que conhecemos atualmente. No Brasil, a soja também foi o alimento transgênico pioneiro, quando uma espécie resistente a um tipo de herbicida foi aprovada para cultivo em 1998.

Carne vegetal

O alto teor de proteína da soja a tornou o suplemento preferencial para a alimentação animal em todo o mundo, e isso explica por que há tanta demanda. O farelo de soja tem teor proteico de 44% a 48%, quando o grão é descascado antes da extração do óleo, o que é perfeito para a fabricação de ração para bois, porcos, frangos e peixes. Isso significa que, embora apenas 6% da soja seja destinada à alimentação humana, a leguminosa nos nutre indiretamente, por estar presente praticamente toda a carne que consumimos.

Mil e uma utilidades

Porém, mesmo deixando de lado seu papel essencial na nutrição de quase todos os animais que fornecem as carnes que chegam à nossa mesa, a soja é também um fenômeno em variedade de uso. Além do shoyu, do tofu e do missô que conhecemos, a soja pode ser consumida na forma de óleo, farinha e em vários alimentos industrializados como pães, biscoitos e massas. Mas é na indústria que a soja é realmente utilizada em larga escala, em aplicações surpreendentes como tinta de caneta, xampus, sabonetes, esmaltes de unha e outros cosméticos. Também está presente na fabricação de combustíveis, como o biodiesel, e em produtos farmacêuticos, plásticos, tintas, adubos, adesivos, giz de cera, velas aromáticas, revestimentos e muito mais de uma relação quase interminável.

O processo industrial

Quase todos os derivados da soja são produzidos a partir de um processo básico de industrialização que produz, principalmente, o farelo e o óleo. O farelo é utilizado sobretudo na alimentação animal, como ingrediente de vários tipos de ração, e resulta da torrefação e moagem de uma pasta chamada torta de soja, obtida depois da extração do óleo do grão. Até mesmo a casca da soja é aproveitada como forragem grossa e fonte de fibra utilizada em cereais matinais e outros produtos.

O mercado

Como uma commodity, a soja é negociada em bolsas de valores ao redor do mundo, com destaque para a Bolsa de Mercadorias de Chicago, nos Estados Unidos, uma referência dos preços internacionais do momento e do mercado futuro. Nessas bolsas, os países que precisam comprar ou vender soja negociam com base em preços que variam de acordo com a oferta e a demanda. No mercado futuro, os compradores e vendedores assinam contratos com valores pré-estabelecidos para a data da entrega da soja. É um setor econômicos forte e dinâmico, que movimenta em torno de 100 bilhões de dólares anuais e depende das safras dos principais países produtores, do clima e, principalmente, da necessidade dos compradores.

O maior consumidor

A China é o maior mercado consumidor mundial de soja, com seus quase 1,4 bilhão de habitantes e a longa tradição de utilização dessa leguminosa na culinária e na medicina. Dos 68 milhões de toneladas do produto que o Brasil exportou no ano passado, nada menos do que 54 milhões de toneladas foram vendidos aos chineses – ou seja, 80% do total, o que representou uma receita em torno de 25 bilhões de dólares. Grande parte dessa soja se destina à produção de ração animal, mas também é importante a parcela utilizada para a alimentação humana, já que se estima que quase 300 milhões de chineses que vivem no campo migrarão para as grandes cidades até 2030, o que aumentará bastante o consumo.

Por Bayer Jovens

AGRONEWS – Informação para quem produz

Leia também: https://agronewsbrasil.com.br/vamos-conhecer-um-dos-gatos-mais-pequenos-do-mundo/

Publicidade
Clique para comentar

Comente esta matéria

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias

Vem aí o “Agro da gente”, uma iniciativa da prefeitura de Cuiabá para alavancar cadeia produtiva

Publicado

em

agro da gente

Prefeitura de Cuiabá em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural – Senar e Sindicato Rural de Cuiabá debatem estratégias para o lançamento do programa “Agro da gente“, uma iniciativa que visa alavancar a cadeia produtiva do município com capacitações aos produtores rurais cuiabanos.

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, recebeu na tarde de terça-feira (4), a visita do superintendente do SENAR, Francisco Olavo Pugliesi e diretoria do Sindicato Rural de Cuiabá para debaterem estratégias e lançamento do programa “Agro da gente“. O secretário municipal de Agricultura, Trabalho e Desenvolvimento Econômico, Francisco Vuolo, idealizador desta iniciativa, mediou o debate.

agro da gente
Reunião sobre o programa “Agro da gente”

Segundo o prefeito de Cuiabá, a meta da atual gestão é prospectar ações que fomentem a agricultura familiar o que irá resultar no fortalecimento para economia da cidade. “Era o que o município precisava para dar continuidade ao desenvolvimento das ações voltadas para esse assunto. O estreitamento dessa parceria com o SENAR, importante instituição do ramo, vem ao encontro do nosso projeto “Agro da Gente”, previsto para ser lançado ainda nesse mês de maio. Estamos muito satisfeitos com tamanha receptividade. Do que depender da Prefeitura, já está consolidada a aliança”, afirma o prefeito Emanuel Pinheiro.

Para o superintendente do SENAR, Francisco Olavo, a parceria é muito satisfatória. “Precisamos de parceiros que queiram produzir e desenvolver. Capacidade técnica nós temos e estamos prontos para retribuir esse reconhecimento da Prefeitura”, declarou Francisco.

Agro da gente

O secretário Francisco Vuolo, revela que o programa será lançado em maio deste ano. Ele explica que este projeto faz parte do segundo eixo do plano de governo do prefeito Emanuel Pinheiro, que é o desenvolvimento econômico no período de pandemia e pós-pandemia. “Dos pilares que nós estamos trabalhando, está a questão da qualificação, principalmente a qualificação da mão-de-obra e da atuação na zona rural de Cuiabá, por isso é importante esta união de esforços, desta parceria que esta sendo firmada. Nesta reunião, fechamos um grande acordo que resultará na instalação de um Centro Técnico de capacitação para o agricultor, para a agricultura familiar. A prefeitura disponibilizará um polo na região do Aguaçu, uma região propícia para o desenvolvimento de FLV (frutas, legumes e verduras) e que também poderá ser extensivo para os outros municípios da baixada cuiabana. Esta parceria vai escrever uma nova página para o fortalecimento da agricultura familiar no município de Cuiabá.”, esclarece Vuolo.

agro da gente
Reunião sobre o programa “Agro da gente”

Para o diretor financeiro do Sindicato Rural de Cuiabá, Vicente Falcão, esta é uma iniciativa louvável, pois visa, não só buscar soluções para o problema educacional, mas melhorar a qualidade da mão-de-obra e formação de profissionais para atuarem no setor rural. “O Sindicato Rural não poderia ficar alheio a esse apoio, e melhor ainda com a participação do SENAR. Nossa juventude poderá contar com mais esta oportunidade para se qualificarem, eles que tanto buscam um trabalho, trabalho este que dignifica o ser humano e gera renda para suas famílias. Parabenizo o prefeito Emanuel, o secretário Vicente Vuolo por esta iniciativa e também ao presidente do Senar, Chico da Pauliceia, que prontamente se colocou a disposição. Nós aqui do Sindicato Rural de Cuiabá, por meio do presidente Celso Nogueira, iremos somar esforços para buscar soluções e estratégias para a escola agrícola do município de Cuiabá“, comemora Falcão.

Por Vicente Delgado – AGRONEWS

Continue lendo

Opinião

Alta Selic: qual o impacto para a população?

Publicado

em

selic

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central promoveu na última quarta-feira (05) outro aumento da taxa Selic, ou seja, a taxa básica de juros do país, elando o valor em 0,75 ponto, para 3,50% ao ano, conforme esperado pelo mercado financeiro. Mas, qual o impacto a vida dos brasileiros?

Os reflexos dessa mudança são em todo o mercado, no entanto, no dia a dia da população consumidora é onde os impactos negativos são mais observados e sentidos, principalmente para aqueles que estão endividados – 66,6% da população, de acordo com a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, divulgada em abril pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

Isso acontece porque, quando a taxa Selic aumenta, os outros juros também aumentam, fazendo com que as dívidas a serem contraídas fiquem maiores e podendo impactar também nas dívidas já existentes. Assim, imaginem os juros de cheque especial ou de cartão de crédito, por exemplo, que já são exorbitantes? Esses devem aumentar ainda mais.

Ou seja, um reflexo deverá ser o aumento dos juros de crédito da população, como empréstimos e financiamentos, complicando e limitando a capacidade de consumo. A orientação nessa hora é analisar bem as contas e começar a trabalhar para uma maior estabilidade financeira, não complicando a vida financeira.

https://agronews.tv.br/pq-brangus-webserie-da-abb-aborda-producao-de-carne-de-qualidade-e-detalhes-da-raca/

E esse processo passa por uma mudança de comportamento em relação ao uso e à administração do dinheiro, o que implicará no fim da era do consumo exacerbado e impulsivo. O momento é de muita cautela e precaução, pois a saúde financeira e a realização dos sonhos das famílias dependerão dessa conscientização. É preciso reestruturar o orçamento financeiro e assumir o controle da situação, antes que se torne insustentável.

Boa hora para investir

Aos que não estão endividados e, melhor ainda, possuem o costume de poupar para realizar seus objetivos de vida, a alta da Selic é uma boa notícia, principalmente para as aplicações de renda fixa em que o rendimento é atrelado a essa taxa, como os CDBs pós-fixados, os fundos DI, as Letras Financeiras do Tesouro (LFT) e títulos negociados via Tesouro Direto.

O que não significa que, quem tem um dinheiro em mãos para investir, deve colocar integralmente nessas modalidades, até porque, a aplicação deve ser escolhida de acordo com o prazo do que você quer realizar com esse dinheiro: curto (até um ano), médio (de um a dez anos) e longo prazo (acima de dez anos). Em uma primeira análise, posso afirmar que, para investimentos de curto prazo, é bastante interessante colocar o seu dinheiro nestas opções.

Por Reinaldo Domingos – Presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros

AGRONEWS – Informação para quem produz

Continue lendo

Notícias

Vamos entender porque os gatos caem em pé

Publicado

em

soja,agronews

Venha entender o motivo desses lindos felinos caírem em pé

Os gatos tem a mania de cair em pé porque eles têm um apurado senso de equilíbrio que lhes permite fazer movimentos rápidos e girar o corpo para cair sobre as quatro patas. Para executar esse incrível malabarismo, o felino conta com grande sensibilidade dos receptores vestibulares que integram o labirinto, uma estrutura na parte interna do ouvido responsável pelo equilíbrio.

gato
Foto Internet

Sempre que o gato está numa posição desconfortável, ocorre um aumento de pressão nessa região, o que funciona como um alerta.

Essas mensagens são somadas às que são captadas pela visão do gato, é enviada para o sistema nervoso central (SNC), que a interpreta e manda vários sinais elétricos (sinapses) para o aparelho locomotor do felino, principalmente os músculos, o sistema nervoso então realizam uma série de movimentos instintivos, que fazem o corpo do animal recuperar o equilíbrio.

“O primeiro movimento é a rotação da cabeça na posição correta em seguida da rotação da porção superior do corpo. Por fim, há a rotação da parte inferior”, diz o veterinário Gelson Genaro, especialista em felinos da USP de Ribeirão Preto (SP).

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

Além do nosso querido amigo e companheiro gato, outros membros da família desse felino, cito como exemplo leopardos e jaguatiricas, também são capazes da mesma proeza.

Interessante… Gostou desta matéria? Compartilhe com seus amigos!

Leia também: https://agronewsbrasil.com.br/a-curiosidade-matou-o-gato/

Por Victor Delgado – AGRONEWS com informações de Superinteressante

AGRONEWS – Informação para quem produz

Continue lendo


Tendências