Dicas de EspecialistasNotícias

A Mastite e a qualidade do leite, saiba tudo

Mastite é a inflamação da glândula mamária das vacas, desencadeada por diferentes tipos de agentes, como microrganismos, irritantes químicos e traumas físicos

Na vaca leiteira, a mastite é quase sempre causada por bactérias que invadem o úbere, multiplicam-se, produzem toxinas e outras substâncias irritantes, que provocam a resposta inflamatória. É a doença mais comum e a que mais causa prejuízos aos rebanhos leiteiros.

Quais os tipos de mastite?

A mastite manifesta-se sob 2 formas principais: “clínica e subclínica”. A mastite clínica é de fácil identificação, porque há alterações no aspecto do leite (presença de coágulos, grumos, flocos, aspecto
aguado, com ou sem presença de sangue ou pus), sinais de inflamação no úbere (inchado, vermelho ou dolorido) e sinais sistêmicos na vaca (desidratação, apatia, perda de apetite, febre, diminuição brusca na produção de leite).

Na forma subclínica, a aparência do leite é normal e não existem sinais visíveis no úbere. Sabe-se que existe a mastite subclínica porque microrganismos causadores da doença podem ser isolados do leite, e podem ser detectadas alterações inflamatórias. A mastite subclínica é mais comum.

Em geral, para cada caso clínico, há de 20 a 40 casos subclínicos. A doença pode curar-se espontaneamente, persistir no nível subclínico, ou evoluir para a forma clínica. Em virtude de sua natureza oculta, provoca as maiores perdas econômicas pela redução da produção e por interferir na qualidade do leite.

Ainda há uma terceira forma da doença, chamada de mastite crônica. É uma forma de mastite de longa duração. Pode aparecer na forma clínica ou subclínica, com episódios clínicos intermitentes e repentinos. Nesses casos, ocorre o desenvolvimento de tecido fibroso na glândula mamária (tecido endurecido à palpação) e alteração na forma e no tamanho do quarto mamário afetado. Há também perda de tecido produtor de leite, com redução na produção. Em alguns casos, o quarto mamário pode ficar afuncional
(perdido).

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

Abaixo relacionamos alguns questionamentos comuns na pecuária leiteira:

Conhecer os microrganismos causadores da mastite ajuda no controle?

Sim. A maioria dos casos de mastite é causada por bactérias, mas outros tipos de microrganismos, incluindo leveduras, micoplasmas e até mesmo algas, podem, ocasionalmente, estar envolvidos.

Um conceito importante para o entendimento da mastite é que os patógenos mais comumente encontrados podem ser divididos em duas categorias: contagiosos e ambientais. Essa diferenciação é de importância prática, porque medidas de controle diferenciadas são necessárias para cada um desses grupos.

Por isso, o exame microbiológico do leite é uma ferramenta muito importante na implantação de um programa de controle de mastite, pois quando se conhece os agentes que estão acometendo o
rebanho, medidas específicas poderão ser tomadas para cada caso.

Os principais microrganismos contagiosos são Staphylococcus aureus e Streptococcus agalactiae. A disseminação desses agentes ocorre de um quarto mamário infectado para outro ou de uma vaca para outra, durante o processo de ordenha, principalmente pelas mãos do ordenhador ou do equipamento de ordenha.

Os microrganismos ambientais estão normalmente presentes no ambiente e, a partir daí, podem atingir a extremidade do teto. Os principais são os do grupo dos coliformes e estreptococos do ambiente.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

Como reduzir a mastite nos rebanhos?

Para reduzir a mastite, é preciso adotar um conjunto de ações que impeçam novas infecções e reduzam a duração das já existentes no rebanho. O sucesso no controle da mastite requer a adoção de práticas
que reduzam a exposição do orifício dos tetos aos microrganismos infecciosos.

O ponto-chave é o manejo da ordenha, que deve estar focalizado no cuidado com os animais, na limpeza, na higiene e na desinfecção dos tetas após a ordenha.

Outras medidas muito importantes são:

• Manter as vacas em ambiente limpo e seco;
• Tratar imediatamente todos os casos clínicos;
• Tratar todos os quartos mamários no início do período de secagem da vaca;
• Manter as vacas de pé após a ordenha;
• Descartar as vacas com infecção crônica.
• Fazer a manutenção adequada dos equipamentos de ordenha.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

Qual a relação entre mastite e a qualidade do leite?

Na maioria dos casos, a mastite resulta da penetração e multiplicação de bactérias na glândula mamária. As bactérias produzem toxinas e outras substâncias que irritam e lesam as células da glândula. Isso induz a resposta do organismo do animal como defesa contra a infecção bacteriana. Essa resposta é a inflamação.

Como resultado da inflamação, as paredes dos vasos sanguíneos da glândula tornam-se dilatadas e diversas substâncias do sangue passam para o leite. Entre essas substâncias estão íons de cloro e sódio, que deixam o leite com sabor salgado, enzimas que degradam a proteína e a gordura, e as células somáticas. As células somáticas têm sua quantidade bastante aumentada durante a ocorrência de um caso de mastite.

Além disso, tanto os agentes da mastite quanto a reação inflamatória causam danos às células que produzem e secretam o leite, resultando em redução dos teores de lactose, caseína, gordura, cálcio e fósforo.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

O que quer dizer ´qualidade do leite´?

Qualidade do leite significa um produto com as seguintes características e propriedades:

• Agradável (com preservação de suas propriedades de sabor, cor, odor, viscosidade);
• Limpo (livre de sujeiras, microrganismos e resíduos de substâncias químicas);
• Fresco (composição correta e conservação adequada);
• Seguro (não causa problemas à saúde do consumidor);

Essas características indicam que a qualidade do leite é influenciada, principalmente, pelo estado sanitário do rebanho, pelo manejo dos animais e dos equipamentos durante a ordenha, e pela ausência de microrganismos, resíduos de drogas e odores estranhos.

Por Daniele Balieiro, com informações da Embrapa Gado de Leite

AGRONEWS® é informação para quem produz

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo