Arqueólogos descobrem fibras de algodão de 7 mil anos

Descoberta destas fibras de algodão revelam a possibilidade da existência de um comercio global. E esta é a mais antiga evidência do uso de algodão no Oriente.

Até agora, acreditava-se que os tecidos nesta região na época pré-histórica eram principalmente feitos de outras plantas, como linho e, mais tarde, produtos de animais, como cabelo ou lã.

Como o algodão não é nativo da área, essa descoberta aponta para a importância de Tel Tsaf como um centro de comércio global. Além disso, essa descoberta fornece aos arqueólogos raras oportunidades de estudar os tecidos pré-históricos e entender mais sobre as práticas econômicas das pessoas da época.

Arqueólogos descobrem fibras de algodão de 7 mil anos
Fibras de algodão de 7 mil anos descobertas em Israel revelam antigo comércio global
Foto / Universidade de Haifa

Fibras de algodão de 7 mil anos

Arqueólogos israelenses descobriram as mais antigas evidências de algodão no Antigo Oriente Próximo durante escavações em Tel Tsaf, uma cidade de 7 mil anos na Vale do Jordão. Os restos microscópicos de fibras de algodão se juntam a uma série de outros materiais orgânicos pré-históricos preservados encontrados no local: ao longo dos últimos anos de escavação, Tel Tsaf, localizada perto do Kibbutz Tirat Tzvi, tem fornecido uma riqueza de descobertas, incluindo o mais antigo exemplo de bebida de cerveja social e armazenamento ritual de alimentos.

Tsaf é um local com uma incrível preservação de materiais orgânicos“, disse o Prof. Danny Rosenberg, do Zinman Institute of Archaeology da Universidade de Haifa, para o Times of Israel neste domingo (18).

Os tecidos feitos de materiais orgânicos se decompõem com o tempo, então poucos exemplos estão disponíveis para os arqueólogos estudarem. No entanto, mesmo depois que um tecido tenha se desintegrado com o tempo, os restos das fibras de algodão ainda podem estar presentes no sedimento circundante. Novas tecnologias estão oferecendo aos arqueólogos maneiras sem precedentes de estudar quantidades microscópicas de restos orgânicos, incluindo a compreensão dos restos com tanto detalhe a ponto de determinar se as fibras foram tecidas ou não.

Arqueólogos descobrem fibras de algodão de 7 mil anos

Rosenberg trabalhou com pesquisadores dos Estados Unidos e da Alemanha para coletar sedimentos raspados de vasos, ferramentas e outros pontos dentro da antiga cidade e examinou esses sedimentos sob microscópios de alta potência para identificar os restos de fibras.

Anteriormente, os historiadores acreditavam que os tecidos nesta região nos períodos pré-históricos eram principalmente feitos de outra matéria vegetal, como linho e linho, e, milhares de anos depois, produtos de animais, incluindo cabelo ou lã. Como o algodão não era nativo dessa área, foi uma surpresa para os pesquisadores e aponta para a importância de Tel Tsaf como um centro de comércio global.

Os tecidos são tão imperativos para nossa vida“, disse Rosenberg. “Na época pré-histórica, [tecidos] estavam envolvidos em outras coisas, não apenas roupas, mas também caça e pesca… É algo maior do que apenas ‘Ei, essas são as roupas que eles costumavam usar‘. Isso envolve mais as práticas econômicas das pessoas pré-históricas”.

Segundo Associação Matogrossense dos Produtores de Algodão (AMPA), a histórica que conhecíamos era que a domesticação do algodoeiro ocorreu há mais de 4.000 anos no sul da Arábia e as primeiras referências históricas ao algodão estão no Código de Manu, do século VII a.C., considerado a legislação mais antiga da Índia. Os Incas, no Peru, e outras civilizações antigas, já utilizavam o algodão em 4.500 a.C. Os escritos antigos, de antes da Era Cristã, apontavam que as Índias eram a principal região de cultura e que o Egito, o Sudão e toda a Ásia Menor já utilizavam o algodão como produto de primeira necessidade.

A palavra deriva de al-quTum, na língua árabe, porque foram os árabes que, na qualidade de mercadores, difundiram a cultura do algodão pela Europa. Ela gerou os vocábulos cotton, em inglês; coton, em francês; cotone, em italiano; algodón em espanhol e algodão em português.

Somente a partir do segundo século da Era Cristã, o algodão se tornou conhecido na Europa, introduzido pelos árabes. Foram os árabes os primeiros a fabricarem tecidos e papeis com essa fibra e a Europa começou a usar regularmente o algodão na época das Cruzadas. No século XVIII, com o desenvolvimento de novas maquinas de fiação, a tecelagem passou a dominar o mercado mundial de fios e tecidos.

Mas tudo isso parece que mudou com esta descoberta.

Feito no Paquistão, enterrado em Israel

O descobrimento de restos de fibras de algodão em Tel Tsaf é a mais antiga evidência do uso de algodão no Oriente. O algodão provavelmente veio da região do Indo, atual Paquistão, que era a única área do mundo que havia começado a domesticar algodão durante este período. Rosenberg disse que não podem afirmar com certeza que o algodão veio da região do Indo, mas é a sua melhor hipótese dado que o único outro lugar para desenvolver algodão no mundo antigo foi na África – e não até milhares de anos depois.

O algodão paquistanês se junta a um grande número de descobertas em Tel Tsaf que se estendem pelo mundo antigo, destacando a importância da cidade como um centro de comércio global. Rosenberg e outros pesquisadores descobriram contas de hoje em dia Anatólia, Romênia, Egito e outras partes da África, cerâmica de Iraque, Síria e Armênia, e o mais antigo cobre e metal do mundo.

Arqueólogos descobrem fibras de algodão de 7 mil anos

Tel Tsaf era um tipo de hub que concentrou muito comércio e contato com muitas pessoas“, explica Rosenberg. “Eles tinham capacidade de armazenamento em grande escala [de grãos] no local, o que era enorme em comparação com outros locais“, completa.

Tel Tsaf é uma das únicas comunidades conhecidas na região da era Calcolítica, um período de transição de sociedades agrícolas vivendo em pequenas comunidades para aquelas que construíam cidades maiores.

A ocupação de Tel Tsaf, perto do Rio Jordão e do estado moderno da Jordânia, data de cerca de 5200-4700 aC. O local oferece aos pesquisadores a oportunidade de estudar este período de mudança enquanto as cidades começam a surgir.

O descobrimento de armazenamento de alimentos em grande escala e a importação de produtos de outras regiões do mundo sugerem que Tel Tsaf era um centro de produção e comércio importante na época.

Arqueólogos descobrem fibras de algodão de 7 mil anos
O professor da Universidade de Haifa, Danny Rosenberg, detém o silo de grãos de argila modelo de 7.200 anos encontrado em Tel Tsaf, no Vale do Jordão. (Universidade de Haifa)

Descoberta inusitada

Tínhamos indícios de que precisávamos procurar por fibras, mas fibras e têxteis não são um tópico comumente estudado em nossa área“, explica o pesquisador. O local é rico em oportunidades para fazer importantes descobertas em um nível microscópico, disse ele, mas isso exige que os pesquisadores peneirem amostras de terra tão pequenas quanto 100 miligramas (menores do que uma gota de água).

Primeiro, os arqueólogos identificam um ponto na escavação que é provável que tenha restos orgânicos, como o interior de um recipiente de comida. Em seguida, os pesquisadores removem cuidadosamente o debris do interior do recipiente, envolvem-no em folha de alumínio e o selam em uma bolsa plástica para ser aberto somente no ambiente estéril do laboratório.

Os sedimentos do solo foram examinados na Universidade de Stanford por uma equipe liderada pelo Professor Li Liu, e apoiada por pesquisadores da Universidade de Arkansas em Little Rock e do Museu Estadual de Hanôver, na Alemanha, usando um processo chamado de análise de microrestos. Às vezes, os sedimentos são quimicamente manipulados para dissolver a terra indesejada e permitir que outros restos orgânicos sejam colocados em lâminas e estudados sob um microscópio.

A contaminação é uma grande preocupação ao trabalhar em uma escala tão pequena, mas Rosenberg disse que nenhuma das amostras incluía fibras sintéticas, que compõem a maioria das roupas modernas e indicariam contaminação.

No futuro, eles tentarão extrair o DNA das fibras de algodão restantes para confirmar se o algodão realmente é de Paquistão. Rosenberg disse que, dependendo da próxima temporada de escavação, eles também esperam tentar extrair DNA de sementes de azeitona e leguminosas encontradas no local, além de ossos animais e alguns restos humanos.

* Com informações de Times of Israel

Por Vicente Delgado – AGRONEWS®

2 Comentários

  1. Zuleica Rodrigues Nunesdisse:

    Nossa atual civilização acredita que só nós temos a capacidade de desenvolvimento técnico. E ficam abismados ao descobrir que muitas das nossas invenções já fizeram parte de civilizações de milhares de anos atrás.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *