CLIMATEMPO 24 de setembro 2022, veja a previsão do tempo no Brasil

Confira a análise CLIMATEMPO 24 de setembro 2022 e veja a previsão do tempo no Brasil. Temporais ganham força na Bahia.

Neste sábado o frio ainda continua atuando em grande parte do centro e sul do país. E mesmo com a presença do sol, as temperaturas continuam baixas em São Paulo, Mato Grosso do Sul, Paraná, sul de Goiás e também na região do Triângulo Mineiro e nos três estados da região Sul do Brasil.

Hoje ainda(23) pode começar a formação de geada, mas de forma mais restrita em áreas do Sul do Paraná, interior de Santa Catarina e também na região serrana.

Não tem previsão de chuva ao longo do dia, mas as instabilidades vão ganhando força em Minas Gerais e também na Bahia, com alerta de temporais nestas regiões.

Já em Vitória, ainda vai ser marcado por muitas nuvens e pancadas de chuva, que vai e vem ao decorrer do sábado nas demais áreas do Brasil. Tem previsão de chuva com raios e trovoadas na região de Brasília, em Cuiabá, palmas, em São Luís e também no Piauí.

A chuva ainda se concentra no Norte do país e pode vir com forte intensidade em Manaus e também Porto Velho.

Nas demais áreas ainda continua com tempo firme e a máxima não passa dos 17º graus em Porto Alegre, mas chega 36º graus em Cuiabá. No Rio de Janeiro não chove e a máxima não passa dos 24º graus. Em Salvador, por causa do tempo mais encoberto, as temperaturas não passam dos 28º graus.

CLIMATEMPO 24 de setembro 2022

Clima conduz o ritmo da semeadura nos campos gaúchos

De acordo com o último boletim conjuntural da Emater-RS/Ascar até o dia 22/09, os produtores do Rio Grande do Sul já haviam semeado 47% dos 831.786 hectares estimados para a safra de milho verão 2022/23. Este patamar é superior aos 44% registrados no mesmo período da temporada passada e igual aos 47% da média das últimas cinco safras.

Ainda de acordo com a Emater-RS/Ascar todas as áreas já semeadas ainda se encontram nas fases de germinação ou descanso vegetativo.

No oeste gaúcho, o Clima mais seco reduziu o teor de umidade nos solos tornando os trabalhos mais lentos. Nas lavouras onde se observa baixa umidade do solo, o manejo de plantas daninhas e a adubação em cobertura foram adiados.

De acordo com a Emater/RS/Ascar apontam para o quarto ano consecutivo com incremento de área cultivada com milho no estado, crescendo 6% com relação ao ciclo anterior. Para a produção, a projeção é colher 6,1 milhões de toneladas, número 104% maior do que a temporada 21/22.

Tendência do clima

No fim de semana, a chuva diminui, mas na segunda-feira (26/09), volta as condições para temporais no norte do Paraná, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Goiás e triângulo mineiro. Nestas áreas, a chuva pode atrapalhar os trabalhos de semeadura, mas beneficia o café.

Na região da Mogiana paulista são esperadas pancadas de chuva que se espalha pela terça-feira (27/09) no sul de Minas e zona da mata mineira.

A chuva beneficia a umidade do solo nas áreas produtoras do Centro-Oeste e Sudeste, de uma forma geral.

Entre segunda (26/09) e quinta-feira (29/09), há previsão de chuva volumosa sobre o centro-sul de Mato Grosso do Sul, com acumulados entre 50 e 100 milímetros em alguns pontos. A região de Ponta Porã, Dourados podem sofrer com uma paralisação dos trabalhos por causa das tempestades e a chuva intensa.

“O motivo está associado a áreas de instabilidades em altos níveis da atmosfera que vão favorecer a formação de muitas nuvens e provocar os grandes volumes de chuva”, explica a meteorologista Carine Gama.

Ainda de acordo com a meteorologista, após essa chuva nos primeiros 10 dias de Outubro, ainda há previsão de chuva, mas de forma regular. Essa condição sobre o centro-sul de Mato Grosso Sul irá favorecer o plantio da nova safra.

Umidade solo favorece feijão 1ª safra no Paraná

No sul e norte do Paraná, a primeira safra de feijão está sendo implantada, beneficiada pela umidade do solo.

As olerícolas estão com boa formação e comercialização, tanto as cultivadas em ambiente protegido quanto as expostas ao tempo.

Café

No norte do Paraná, a pluviometria induziu as primeiras floradas de café, porém a floração plena das lavouras deve ocorrer nas próximas semanas. Diante dos bons preços do produto, a comercialização segue a ritmo lento, pois os cafeicultores aguardam preços ainda melhores.

Pastagens

No norte paranaense, as pastagens estão se recuperando das estiagens, dando condições de alimentação tanto para o gado de corte quanto para o gado leiteiro, que ainda tem a opção de silagens. No nordeste do estado, as pastagens apresentam uma melhora considerável no desenvolvimento vegetativo.

Batata

No sul do Paraná, alguns produtores plantaram áreas de batata na segunda quinzena de julho, fora do zoneamento agrícola, visando “gap” de mercado, e as áreas começam a florescer. Estes bataticultores realizaram controle de ervas daninhas, controle de doenças, adubação de cobertura e amontoa.

De acordo com dados da Cepea/Hortifrúti, a oferta nacional de batatas caiu significativamente, entre os dias 12 e 16, devido à desaceleração das colheitas da safra de inverno e das chuvas no Sudoeste Paulista (SP). Pela segunda semana seguida, as cotações finalizaram em alta: em São Paulo (SP), a batata foi vendida na média de R$ 73,86/sc, valor 8,94% superior ao da passada; no atacado de Belo Horizonte (BH), os preços fecharam em R$ 73,70/sc, 2,24% maior e, no Rio De Janeiro, em R$ 72,60/sc, valorização de 6,49%.

Frutas

No Paraná, o morango cultivado em ambiente protegido encontra-se em fase de colheita, com boa aceitação e comercialização no mercado. Os pessegueiros tiveram quebra de dormência de maneira escalonada, com alguns pomares alcançando a maturação e colheita antecipada, com a finalidade de colocar o produto no mercado mais cedo e conseguir melhores preços na comercialização.

As produtividades estão em torno de 25 a 30 toneladas por hectare na região de Cornélio Procópio. Os frutos têm boa qualidade e, consequentemente, boa aceitação, de acordo com os dados do Departamento de Economia Rural do paraná (Deral).

Tendência do Clima

No fim de semana, a chuva diminui, mas na segunda-feira (26/09), volta as condições para temporais no norte do Paraná, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Goiás e triângulo mineiro. Nestas áreas, a chuva pode atrapalhar os trabalhos de semeadura, mas beneficia o café.

Na região da Mogiana paulista são esperadas pancadas de chuva que se espalha pela terça-feira (27/09) no sul de Minas e zona da mata mineira.

A chuva beneficia a umidade do solo nas áreas produtoras do Centro-Oeste e Sudeste, de uma forma geral.

Entre segunda (26/09) e quinta-feira (29/09), há previsão de chuva volumosa sobre o centro-sul de Mato Grosso do Sul, com acumulados entre 50 e 100 milímetros em alguns pontos. A região de Ponta Porã, Dourados podem sofrer com uma paralisação dos trabalhos por causa das tempestades e a chuva intensa.

“O motivo está associado a áreas de instabilidades em altos níveis da atmosfera que vão favorecer a formação de muitas nuvens e provocar os grandes volumes de chuva”, explica a meteorologista Carine Gama.

Ainda de acordo com a meteorologista, após essa chuva nos primeiros 10 dias de Outubro, ainda há previsão de chuva, mas de forma regular. Essa condição sobre o centro-sul de Mato Grosso Sul irá favorecer o plantio da nova safra.

Fonte: CLIMATEMPO

AGRONEWS® é informação para quem produz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.