CuriosidadesDestaqueNotícias

Do milho à pipoca, saiba tudo sobre esse processo mágico

Quem não gosta de um saco de pipoca fresquinha enquanto assiste a um filme ou joga vídeo game?

A pipoca é um snack delicioso e versátil, que pode ser saboreado de várias maneiras e combinado com diferentes temperos e ingredientes. Mas você já parou para pensar como ela é feita? A pipoca é produzida a partir de um grão muito especial: o milho. E neste artigo, vamos explicar como o milho se transforma em pipoca. Confira!

Do milho à pipoca, saiba tudo sobre esse processo mágico

Sobre o milho de pipoca

Antes de tudo, é importante saber que o milho é uma planta da família das gramíneas, originária da América do Norte. Ele é um dos grãos mais cultivados e consumidos no mundo, e é utilizado para a produção de alimentos para humanos e animais, além de ser um ingrediente fundamental em vários produtos industriais. Existem várias espécies de milho, cada uma com características e propriedades únicas e para a produção de pipoca existe uma variedade especial.

Zea mays everta é uma espécie de milho que é usada principalmente para produção de pipoca. Essa espécie de milho é caracterizada por possuir uma casca mais grossa e uma camada interna de amido mais espessa, o que lhe confere a propriedade de se transformar em pipoca quando aquecida. Esta espécie é cultivada em várias partes do mundo, principalmente nas Américas, e é um dos principais ingredientes utilizados na produção de pipoca em escala industrial. Além de ser usada para produção de pipoca, a espécie Zea mays everta também é utilizada para produção de alimentos para humanos e animais, bem como em vários produtos industriais.

Do milho à pipoca, saiba tudo sobre esse processo mágico

Porque pipoca?

A pipoca é um snack (termo em inglês que se refere a um alimento leve que é consumido entre refeições principais, geralmente como um lanche) delicioso e muito popular em todo o mundo. Mas você sabia que a palavra “pipoca” é um empréstimo linguístico da língua tupi, uma língua indígena do Brasil?

Exatamente, a palavra “pipoca” é derivada da palavra tupi “pipok”, que significa “estourar” ou “saltar”. O termo surgiu no Brasil, onde a pipoca era um alimento muito consumido pelos povos indígenas há milhares de anos. A pipoca também foi um dos primeiros alimentos a ser vendido em salas de cinema, e até hoje é um dos snacks mais populares em salas de cinema em todo o mundo.

Do milho à pipoca, saiba tudo sobre esse processo mágico

O termo “pipoca” é amplamente utilizado em vários países, e é um dos termos mais conhecidos e utilizados para se referir a esse delicioso aperitivo.

Em mandarim, a palavra “pipoca” é escrita como 爆米花 e pronunciada como “bào mǐ huā”. A palavra “爆” (bào) significa “estourar” ou “explodir”, enquanto a palavra “米” (mǐ) significa “milho”. A palavra “花” (huā) significa “flor”. Assim, a palavra “爆米花” literalmente significa “milho estourado como uma flor”, o que se refere à forma como o amido no interior do milho se expande e se transforma em pipoca quando aquecido. A palavra “爆米花” é amplamente utilizada na China e em outros países de língua mandarim para se referir à pipoca. Veja outros exemplos:

  1. Popcorn (Inglês)
  2. Maïs soufflé (Francês)
  3. Palomitas de maíz (Espanhol)
  4. 爆米花 (Chinês)
  5. ポップコーン (Japonês)
  6. ป๊อปคอร์น (Tailandês)
  7. پوپ کورن (Árabe)

Como o milho se transforma em pipoca macia?

Parece simples do ponto de vista de quem prepara uma panela de pipoca, mas existem algumas características embutidas nesse processo que você precisa conhecer.

Antes de ir para as prateleiras, esta variedade de milho especial é colhido e seco até atingir uma umidade de 13 a 14%. Isso é importante para que o grão possa ser armazenado por um período mais prolongado e para que possa ser transformado em pipoca. Quando o milho é aquecido a uma temperatura de cerca de 180°C, a casca do grão se rompe e o amido interno se expande rapidamente. Isso faz com que o milho se torne macio e fofinho, e é justamente essa expansão que faz com que o milho se torne pipoca.

Veja abaixo um vídeo em slow motion do processo de transformação feito por uma super câmera. O efeito é mágico e surpreendente. Aperte o Play!

Termodinâmica

A termodinâmica é uma área importante da ciência que nos ajuda a entender os processos que ocorrem em sistemas físicos, desde a simples transfusão de calor até os mais complexos processos de conversão de energia. E vamos nos apropriar deste fundamento para explicar a transformação do milho em pipoca.

Então ao analisarmos a física aplicada no processo, podemos dizer que quando o milho é aquecido, a temperatura da água presente no interior do grão aumenta até que ela comece a ferver, transformando-se em vapor. Além da água, o milho também contém amido em estado sólido. Com o aumento da temperatura, o amido se torna gelatinoso e tende a se expandir.

A pressão exercida pelo vapor d’água e pelo amido é tão grande que ultrapassa a pressão interna de um pneu de carro (2 a 3,5 bar) e quebra a casca dura do milho. Quando isso acontece, o amido se solidifica e se transforma na espuma branca que é consumida como pipoca. Parece mágica não é mesmo? Mas é um processo natural que acontece graças as leis da termodinâmica.

Do milho à pipoca, saiba tudo sobre esse processo mágico

Por que alguns grãos de milho não se transformam em pipoca?

Essa é a pergunta que muitos fazem, mas existem algumas razões pelas quais alguns grãos de milho não se transformam em pipoca quando aquecidos. Uma delas é a presença de fissuras na casca do grão, que permitem a saída do vapor e impedem que o amido interno se expanda e se torne fofinho. Outra razão é a falta de água no interior do grão, que também impede que o amido se expanda e se torne pipoca. Grãos de milho que não se transformam em pipoca são chamados de piruá.

Pipoca feita a partir de milho comum

Uma coisa interessante é que se você aquecer milho comum, ele também pode se transformar em pipoca. Neste caso, a variedade comum tem uma casca mais dura e um amido menos expansível do que o milho para pipoca, o que significa que ele não se expande tanto quando aquecido e pode não se transformar em pipoca tão facilmente. No entanto, se você aquecer o milho comum de maneira adequada, ele ainda pode se transformar em pipoca, como é o caso daquelas pipocas doces vendidas no supermercado.

A pipoca doce conhecida como “pipoca do saquinho vermelho” ou “pipoca da vovó” é muito famosa no Brasil. Ela é feita com o milho de canjica ou milho despeliculado e dergeminado. Essa pipoca é também conhecida como “pipoca de canhão” ou “pipoca expandida”. Apesar de ser feita com milho, ela não é produzida a partir do pequeno grão de pipoca, mas sim a partir da canjica, um grão maior e mais suave do que o milho para pipoca. Muitas pessoas confundem a pipoca de canjica com a pipoca de arroz, mas ela é feita exclusivamente com milho.

Veja abaixo um exemplo do processo de fabricação da pipoca doce industrializada.

Formas de preparo mais inusitados

A pipoca pode ser preparada de diversas maneiras, e algumas delas são bastante inusitadas. Você já ouviu falar da pipoca com chocolate derretido e marshmallows? Ou da pipoca temperada com curry e limão? e aquela bem apimentada? Essas são apenas algumas das muitas opções de pipoca diferentonas que podem ser encontradas por aí. Além disso, a pipoca também pode ser usada como ingrediente em receitas, como bolos, brownies e até mesmo em pratos salgados, como uma mistura de legumes e pipoca.

E para fecharmos esta matéria sobre esse alimento tão querido, vamos deixar uma receita especial de pipoca. Confira!

Do milho à pipoca, saiba tudo sobre esse processo mágico

Receita de pipoca com ervas finas:

Ingredientes:

  • 1 xícara de milho para pipoca
  • 2 colheres de sopa de óleo
  • 1 colher de chá de sal
  • 1 colher de chá de ervas finas picadas (opcional: ervas de sua preferência, como tomilho, manjericão, alecrim, etc.)

Modo de preparo:

  • Em uma panela média, aqueça o óleo em fogo médio. Quando o óleo estiver quente, adicione o milho para pipoca e misture até que todos os grãos estejam bem cobertos com o óleo.
  • Adicione o sal e as ervas finas picadas à panela e misture bem.
  • Quando ouvir o primeiro estouro, abaixe o fogo para médio-baixo e tampe a panela. Deixe a pipoca saltar até que pare de estourar, agitando a panela de vez em quando para evitar que os grãos queimem.
  • Quando a pipoca estiver pronta, retire a panela do fogo e sirva imediatamente. Se quiser, adicione mais ervas finas picadas por cima para finalizar.

Dica: você também pode acrescentar um pouco de queijo ralado ou outros temperos de sua preferência para dar um sabor ainda mais especial à sua pipoca. Experimente e divirta-se criando suas próprias combinações!

Além de ser deliciosa, a pipoca também é uma opção saudável e nutritiva, e pode ser preparada de várias maneiras diferentes como vimos neste artigo, desde as mais tradicionais até as mais inusitadas. Se você é fã de pipoca, assim como eu, agora já sabe um pouco mais sobre essa delícia e como ela é produzida. Escreva nos comentários qual a sua receita preferida de pipoca.

Por Vicente Delgado – AGRONEWS®

Artigos relacionados

Um Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo