Feijão tem menor área plantada dos últimos 30 anos e preocupa setor

A diminuição das áreas de plantio de Feijão no Brasil é um caso alarmante. De acordo com dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), temos na safra 2021/22 a menor área cultivada com o grão desde 1976.

Mesmo com os avanços tecnológicos e de pesquisa, não é possível aumentar a produtividade a ponto de equiparar a perda de áreas plantadas. Enquanto isso, segundo dados do Instituto Brasileiro do Feijão, Pulses e Colheitas Especiais (IBRAFE), o consumo da população brasileira gira em torno de 223 mil toneladas de Feijão.

Preocupações reais no setor do feijão

A conta não fecha e os reflexos são graves. O principal deles é a falta de um dos principais produtos da cesta básica brasileira na mesa da população, seguido do aumento do preço nas gôndolas, que acaba limitando o poder de compra de boa parte das famílias. Ou seja, falta do alimento de qualquer forma, seja por escassez ou por preço.

Há tempos não temos excedentes. Todo Feijão-carioca colhido é imediatamente consumido. Abriremos o ano com redução de 13% no Paraná. O que significa que não haverá recuos significativos no momento da colheita em janeiro e fevereiro. Estamos levantando as áreas de plantio dos outros estados, principalmente Minas Gerais, que deverá plantar a maior área desta primeira safra”, afirmou o presidente do IBRAFE, Marcelo Eduardo Lüders.

Feijão tem menor área plantada dos últimos 30 anos e preocupa setor - Marcelo Luders IBRAFE

Em março do ano passado, o presidente do IBRAFE concedeu entrevista ao Agronews® explicando a situação preocupante que passava o setor. Durante a entrevista, Lüders relembrou que o feijão é a mais barata das proteínas, com menor impacto ambiental e que está presente na maioria das casas, principalmente das pessoas de baixa renda. Mas tudo isso pode estar comprometido com a política de preços aplicada no setor. “Quando você olha para o aspecto de consumo, ele (o feijão) também é uma causa social. Qual classe social no Brasil não consome feijão? o milionário?… Eu diria pra você o seguinte, nem o milionário deixa de consumir feijão, o que muda é a frequência, isso sim. A frequência nas classes sociais menos favorecidas é maior, precisa ser maior, É A DIFERENÇA ENTRE A VIDA E A MORTE.

Concorrência

Um dos principais fatores que causaram a diminuição das áreas é a concorrência direta com a soja e o milho, commodities que apresentam grande mercado externo, com valores pré-fixados.

Enquanto a área plantada de soja cresceu mais de 5 vezes, ou 460%, passando de 6,9 milhões de hectares para 38,9 milhões de hectares e a de milho quase dobrou, passando de 11,7 milhões de hectares para 19,9 milhões, o Feijão, por sua vez, segue perdendo espaço. É a cultura com maior redução estimada de área, totalizando 1,048 milhão de hectares na próxima década. O arroz vem em segundo lugar, com perda de 1,046 milhão de hectares.

Mas esses números podem ficar ainda piores. De acordo com projeções do Ministério da Agricultura a Abastecimento (MAPA), a dinâmica atual deve se estender pelo menos

pelos próximos dez anos. A expectativa é que, entre as safras de 2020/21 e de 2030/31, a área cultivada da soja ainda vá expandir mais 26,8%, chegando a ocupar 48,8 milhões de hectares.
Falta de estoque

Como se não bastasse a produção menor, o Brasil enfrenta um segundo problema que é a falta armazenamento. A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO, sigla do inglês Food and Agriculture Organization) recomenda que um país tenha pelo menos três meses de estoque dos seus produtos básicos, especialmente daqueles produtos que sejam sensíveis a quebras de safra e que tenham dificuldade de importação, que é o caso do Feijão.

Conforme informações da Conab, os estoques públicos de Feijão no país foram reduzidos consideravelmente em 2016 e estão completamente zerados desde 2017. Produção deficitária e falta de estoques públicos fazem com que o país dependa cada vez mais das importações.

Feijão tem menor área plantada dos últimos 30 anos e preocupa setor

Informação para mudança

Pensando em colaborar para a mudança desse cenário, o IBRAFE desenvolveu o projeto Rally dos Feijões, que vai percorrer um circuito de 2.100km pelos principais polos produtores do Mato Grosso durante 12 dias – entre 28 de novembro e 9 de dezembro.

O foco do Rally dos Feijões é sensibilizar, além de produtores rurais, toda a rede que contribui com a atividade agrícola, como cooperativas, cerealistas, agrônomos, técnicos agrícolas, entre outros. O intuito principal é ajudar os presentes a enxergar as oportunidades do mercado, considerando a evolução do consumo e outros indicadores, analisados diariamente pelo IBRAFE, além de dialogar com autoridades públicas locais e regionais, a fim de conscientizá-los da importância do fomento da produção de Feijão.

Para mais informações sobre o Rally dos Feijões, acompanhe no site https://rallydosfeijoes.com.br/

AGRONEWS® é informação para quem produz

Siga o Agronews® nas redes sociais

Facebook AgronewsInstagram AgronewsTelegram AgronewsYoutube AgronewsWhatsapp Agronews

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *