IBRAFE e APEX Brasil assinam convênio para incentivo à exportação de Feijão

Nesta sexta-feira (8), o Instituto Brasileiro do Feijão, Pulses e Colheitas Especiais assina um convênio inédito com a APEX Brasil para promover os Feijões e Gergelim brasileiros em 12 países, com um investimento total de R$1 milhão

Em 2021 o Brasil exportou cerca de 220 mil toneladas, até agora todo crescimento se deu por meio de esforços individuais dos exportadores. O objetivo desse acordo é incrementar esses números, com foco inicial nos Emirados Árabes Unidos, Japão, Costa Rica, Vietnam, Chile, China, Cingapura, Coreia do Sul, Costa Rica, Estados Unidos, Filipinas e Índia.

Najla Souza gerente do projeto destaca que entre outras inciativas, além das tradicionais feiras, espera-se trabalhar com inteligência de mercado, defesa de interesses e outras negociações para que os países de destino diminuam as barreiras que algumas vezes existem como, por exemplo, os impostos de importação altos para o produto do Brasil.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

“Estas negociações precisam de alguém que as faça, que negocie, que pleiteie. Veio em boa hora este acordo, uma vez que este ano as dificuldades mundiais e a diminuição de nossa produção poderão impor redução no volume exportado pelo Brasil”, destacou o presidente do IBRAFE, Marcelo Eduardo Lüders.

Após diversas visitas em Brasília, entre elas , à Secretaria de Política Agrícola do MAPA, o IBRAFE identificou as principais necessidades do setor nos últimos anos. Grande parte dos envolvidos entendem que é preciso ter uma válvula de escape para a produção de Feijão. Sendo assim, se não houver avanços na exportação, corre-se o risco de que, se o produtor não sentir que pode gerar excedentes de Feijões, vai seguir diminuindo a área plantada.

“Se todos voltarem a plantar somente carioca, teremos novamente períodos com preços altos seguidos de muito plantio e logo após preços baixos que desestimulam a produção e trazem prejuízo aos produtores e aos empacotadores. Assim, avançar na pesquisa e no plantio de outras variedades é o caminho e, ao que tudo indica, é o que todos entendem atualmente”, finalizou Lüders.

Após a assinatura do convênio, será servida uma feijoada em comemoração.

AGRONEWS® é informação para quem produz

]]>

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *