EspecialistasNotícias

Jacupemba, ave que “produz” um dos cafés mais raros e caros do mundo esta ameaçada de extinção

Jacupemba-ameacada-de-extincao-Ave-que-produz-um-dos-cafes-mais-raros-e-caros-do-mundo

O Jacu Bird Coffee é uma das variedades de café mais raras e caras do mundo. É feito a partir de cerejas do café ingeridas, digeridas e excretadas pelos pássaros Jacu, uma espécie que está ameaçada de extinção no Rio Janeiro, segundo especialista.

Jacupemba

Pombo, galinha preta, Jacupemba ou simplesmente Jacu. Assim é conhecida a ave de papada vermelha Jacupemba — de nome científico Penelope superciliaris — que anda circulando por ruas do Leme, na Zona Sul do Rio. Ameaçada de extinção no município, a espécie é conhecida por “produzir” um dos cafés mais caros do mundo.

O jacupemba é uma ave galliforme da família Cracidae. Conhecido também como jacupeba, jacupema, jacu-velho, jacucaca (Rio de Janeiro), pava-chica, yacupoí.

Jacu, em tupi, significa “o que come grãos”.

Nome Científico

Seu nome científico significa: do (latim) pene = quase; e do (grego) lophos = crista; e do (latim) superciliare, superciliaris = sobrancelha. ⇒ Ave escura com crista parcial e sobrancelha.

Características

Mede cerca de 55 centímetros de comprimento e pesa 850 gramas. Barbela nua e vermelha, mais proeminente no macho, topete rudimentar, plumagem das asas com bordas ferrugíneas, desenho esbranquiçado no peito e íris vermelha. Sobrancelha cinza claro ou pardacento claro.

Produção de café

A “produção” de café começa na alimentação desse comedor de sementes de frutas nas florestas. De acordo com o biólogo Izar Aximoff, em áreas com plantações de café, as melhores sementes servem como alimento para a espécie. Quando expelidas, deixam nas fezes resquícios do grão, que passam por um processo de limpeza e depois são torrados e moídos. Assim se tornam um café saboroso e bem valioso, que chega a custar mais de mil reais o quilo, na internet.

A ave era considerada uma ameaça para o lucro dos cafeicultores, pois em certos cafezais chegava a comer até 10% da produção. Depois dessa descoberta, o Jacu passou de vilã a grande colaboradora do cafeicultor.“, explica Aximoff.

Jacupemba

Ao contrário do café Kopi Luwak digerido por civetas indonésias, os grãos se movem mais rapidamente através do sistema digestivo dos pássaros Jacu e não são degradados por proteínas animais ou ácidos estomacais.

As cerejas resultantes são torradas e supostamente a fermentação delas tem um sabor único de nozes com nuances de anis doce. No Brasil a espécie de pássaro é protegida por lei.

Ameaça de extinção

O biólogo conta que, hoje, a situação da ave no município do Rio é de risco, principalmente por conta da caça, pois sua carne serve para alimento. Mas, ainda assim, é possível encontrar algumas espécies em áreas verdes da Barra da Tijuca, na Zona Oeste; da Floresta da Tijuca, na Zona Norte; e do Jardim Botânico e do Leme, na Zona Sul.

Porteiro de um prédio no Leme, Sebastião Mariano, de 56 anos, trabalha há mais de 30 no mesmo endereço e diz que já viu inúmeras vezes a ave rondando a figueira que fica em frente ao edifício:

Tem uma dupla que sempre vem, pela manhã, para comer os frutos da árvore e vai embora.”

Jacupemba

A doméstica Josefa Clementino, de 46 anos, que mora na comunidade do Chapéu Mangueira, no Leme, também vê a ave com frequência. Sem saber que a Jacu tem a capacidade de “produzir” um café valioso e que nada tem a ver com pombos, ela diz achar a espécie esquisita:

Esses dias, eu conversei com a minha vizinha sobre ela, questionando o que era aquilo. É um bicho bem esquisito. Já vi muitas vezes por aqui. Pelo menos uma vez por semana, ele passa lá perto de casa, voando rápido.

Aximoff conta que, entre os anos de 1969 e 1973, espécies foram soltas na Floresta da Tijuca, para combater o processo de extinção que vinha acontecendo por conta da caça.

Um dos que fizeram parte desse grupo de caçadores foi o educador físico Leandro Martins, de 40 anos, que trabalha no Leme. Ele conta que, quando tinha de 14 para 15 anos, costumava caçar espécies como a Jacupemba. Hoje, ele admira as que circulam pelo local onde trabalha.

Elas vêm aqui em alguns períodos do dia, para comer no pé de abacate. Agora, estão sumidas, porque não tem tido muitos frutos. São grandes e parecem mesmo com uma galinha.

Na Pista Cláudio Coutinho, na Urca, a Jacu é bem comum. Aximoff conta que a ave é muito importante para a natureza:

Ela ajuda a reflorestar a cidade, já que, ao se alimentar de frutos e voar entre as áreas verdes, acaba por excretar sementes de grãos.“, finaliza o biólogo.

* Com informações do Yahoo notícias

AGRONEWS® é informação para quem produz

Artigos relacionados
Mercado FinanceiroNotícias

Exportações do agronegócio alcançam recorde em abril, com US$ 14,86 bilhões

Mercado Financeiro

Ovos: evolução de preços alcança 5,3% no decorrer de maio de 2022

Mercado FinanceiroNotícias

Café: safra 2022 pode chegar a 53,4 milhões de sacas, afirma Conab

Mercado FinanceiroNotícias

Volume de exportação dos cafés diferenciados corresponde a 14,7% do total exportado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.