Kevin Glu Glu e a gangue dos perus desordeiros

Kevin Glu Glu e a gangue dos perus desordeiros estão aterrorizando moradores nos EUA. As aves estão causando problemas em todos os lugares e os moradores não conseguem encontrar uma solução. Por incrível que pareça, essa rebelião dos perus não aconteceu no tradicional período de Ação de Graças.

Kevin Glu Glu e a gangue dos perus desordeiros

Um grupo formado por 5 perus selvagens estão aterrorizando a pequena cidade de Woburn, no nordeste dos Estados Unidos. O grupo é liderado por um valentão que parece estar comandando a rebelião. Cinco pássaros atacam pessoas, perseguem carros e bagunçam gramados.

A moradora mais afetada está sendo Meaghan Tolson, cujo quintal parece ser a base de brutalidade e “conquista” do grupo.

Foi Meaghan quem nomeou as aves e disse que Kevin é o líder do bando. Foi ele quem interrompeu o grupo e pareceu incitar a violência. As outras aves integrantes da gangue são mulheres, Gladys, Ester, Mônica e Patrícia.

Kevin Glu Glu e a gangue dos perus desordeiros

As fêmeas são mais suaves e menos territoriais. Mas acho que ele Kevin meio que as instiga a assediar outras pessoas“, disse Meaghan em entrevista ao The Guardian, publicada no final de novembro.

Nas redes sociais, ela postou vídeos dos perus da gangue olhando para ela pelas janelas ou tentando entrar em seus carros.

Em vários pontos da cidade de cerca de 40.000 habitantes, ninguém se sentia seguro, segundo informaram as testemunhas.

Relatórios anteriores indicaram que os problemas não começaram no Dia de Ação de Graças.

Moradores assustados

O residente local Devin Farren disse à NBC Boston, em setembro, que estava “acordando muito cedo, às 6 da manhã” por causa dos perus. Em sua opinião, a situação só pode ser definida como “selvagem“.

Em outubro, outra rodada de relatórios mostrou que o problema havia piorado a ponto de os moradores temerem os pássaros. Claramente, essa tendência pode piorar. Para reverter isso, especialistas ensinam como evitar a ira dos pássaros.

Em primeiro lugar, é melhor não correr, pois os perus veem isso como um sinal de que os humanos podem ser dominados.

Para evitar um ataque, David Scarpiti, especialista em perus do Departamento de Vida Selvagem de Massachusetts, ouvido pela CBS Network, sugeriu o uso de guarda-chuvas para espantar os animais.

Ele até aponta para uma página específica do departamento que ensina como “evitar conflitos de perus“.

Sobre os peru selvagens

Os perus são nativos de Massachusetts, mas foram erradicados no século 19 devido à perda de habitat. Após a segunda metade do século 20, os biólogos reintroduziram as aves no estado. A população de perus em Massachusetts é atualmente estimada entre 30.000 e 35.000.

Como as áreas onde esses animais residem são próximas às cidades, é comum observá-los. Eles podem viajar para uma cidade para procurar comida ou botar ovos longe de predadores naturais. Uma vez que os animais se sintam confortáveis ​​com os humanos e percebam que algumas pessoas têm medo deles, eles podem exibir um comportamento mais agressivo para demonstrar sua autoridade.

Algumas das recomendações que os aldeões receberam são para não alimentar perus selvagens e manter os alimentadores de pássaros limpos. Eles podem se assustar com ruídos altos e objetos brilhantes podem torná-los agressivos – portanto, devem ser escondidos ou disfarçados.

Outros casos estranhos envolvendo animais

Centenas de ovelhas andam em círculo? Será isso algum tipo de sinal vindo do reino animal ou o que teria causado essa movimentação estranha dessas ovelhas?

Um fato estranho chamou a atenção do mundo na última semana, centenas de ovelhas andando estranhamente em círculo por 12 dias seguidos em uma fazenda na região da Mongólia Interior, no Norte da China. E por incrível que pareça, isso não é um fato isolado, existem outros casos registrados, acompanhe a matéria.

Leia a matéria completa sobre estas ovelhas estranhas: https://agronews.tv.br/centenas-de-ovelhas-andam-em-circulo-por-12-dias-seguidos-em-fazenda-na-china/

AGRONEWS® é informação para quem produz

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *