Leite: paralisações preocupa perecibilidade

Os bloqueios em rodovias têm impedido fluxos comerciais e, para o setor do leite, a preocupação é acentuada por conta da perecibilidade do leite cru, matéria-prima dos laticínios, e também de grande parcela dos lácteos

De modo geral, colaboradores do Cepea indicam que os bloqueis impactaram negativamente as atividades em todas as regiões – sobretudo entre segunda-feira, 31, e quarta-feira, 2.

A captação do leite pelos laticínios junto às fazendas foi menos afetada do que o transporte dos derivados lácteos aos canais de distribuição – uma vez que em muitos locais foi possível se utilizar de vias vicinais para a coleta nas propriedades.

Agentes de mercado consultados pelo Cepea relataram dificuldades em assegurar a coleta do leite cru nos entrepostos de resfriamento e fazer o transporte até as indústrias. Eventualmente, os bloqueios cederam passagem para as cargas perecíveis, sobretudo à noite, mas, em geral, houve atraso na recepção do leite cru nas indústrias, e as perdas foram pontuais.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

Os bloqueios prejudicaram mais intensamente a logística dos produtos já processados, com cargas represadas em diversas rodovias no início desta semana. As paralisações também impediram o retorno dos caminhões esvaziados para serem usados em viagens posteriores. Assim, todas as indústrias relataram problemas nas negociações junto aos canais de distribuição.

O maior ponto de atenção se dá em Santa Catarina. Ainda assim, agentes do setor não acreditam que os bloqueios tenham força para provocar desabastecimento ou alterações bruscas nas tendências de mercado. Nessa quinta-feira, 3, inclusive, as atividades estavam menos tumultuadas e, apesar de ainda haver atrasos em alguns pontos, na maioria dos casos, os agentes de mercado já consideraram as atividades próximas da normalização.

Por Cepea

AGRONEWS® é informação para quem produz

Siga o Agronews® nas redes sociais

Facebook AgronewsInstagram AgronewsTelegram AgronewsYoutube AgronewsWhatsapp Agronews

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *