Crise russa-ucraniana, se piorar, se consolida nos preços. Business is business

Há ganhos em ativos do agronegócio, apesar de outros custos que um cenário de crise militar empurra

Por Giovanni Lorenzon – AGRONEWS®

Qualquer cenário de conflito militar é crítico. Todo mundo quer paz. Especialmente quando envolvem superpotências com poder de arrastar o mundo.

Mas, business is business.

Nesse sentido, o andamento da crise entre Rússia e Ucrânia, com risco de descambar para uma guerra, arrastando os Estados Unidos e países europeus, já está nos preços das commodities, apesar de todo um conjunto de situações que prejudica o resto das economias.

Claro, os especuladores entram no jogo. Como se diz na gíria, o mercado gosta de sangue.

O principal ativo que ganha, por ora, é o trigo.

Maior produtor europeu, a Ucrânia, pode ter prejudicado sua produção e escoamento desse que é o cereal mais antigo consumido no mundo.

Os preços estão explodindo.

Impacta as importações brasileiras, que necessita de uma média anual do exterior em torno de 6 a 7 milhões de toneladas, mas também melhora os preços da safra recente do Brasil, que foi maior, e chegou a 6,8 milhões/t.

Para completar, a safra de inverno do país está ruim, pela seca.

O milho também tende a seguir forte. Os ucranianos, donos de terras férteis, também entregam uma quantidade razoável na Europa e à China.

Num momento no qual o fluxo global do cereal está muito longe do verificado no mesmo período de 2021, mas que já vinha forte desde o ano anterior, acaba sendo um alento para o produtor, prestes a definir o tamanho da safrinha.

Evidente que sobra o prejuízo para os produtores de proteínas, com o aumento dos custos desse importante insumo das rações.

Mas, business is business.

Há, ainda, no farol da crise, a questão do petróleo.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

Se a coisa evoluir, pode criar uma situação de interrompimento do fluxo de óleo cru e gás da Rússia para a Europa.

E, de quebra, favorece o etanol no Brasil, de cana e milho, embora detone as economias globais.

Pela Bielorússia, apoiadora de Putin, passa o gasoduto que vai até a Alemanha. Tem milhares de soldados estacionados no país, além dos que estão na fronteira russo-ucraniana.

As cotações do petróleo já estão embutindo esse risco de desbalanceamento da oferta.

E, nessa conta, entra o ganho do açúcar.

Petróleo mais caro, mais etanol sendo produzido, mais cana indo para o biocombustível, daí que a oferta de açúcar fica menor.

Por fim, ainda há o ganho cambial.

De crise em crise, o dólar tem alta, com crise militar, então, nem se fala.

Portanto, as exportações se beneficiam na troca de reais mais baratos por dólares mais caros.

Mas, a divisa forte mais alta, também torna os insumos importados, e outros bens, muito perigosos em custos.

Enfim, ganhos e perdas.

Mas, business is business.

AGRONEWS® é informação para quem produz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.