Milho sobra e balança comercial é deficitária. Soja vai de vento em popa

Exportações ruins de milho e consumo interno concorrido com o importado; soja velha vai indo embora

Por Giovanni Lorenzon – AGRONEWS®

Quem olha o milho pelo cenário de 2020, não acredita muito na situação atual. A balança comercial do cereal é totalmente deficitária. E sobra grão no mercado interno.

Ao contrário do período anterior, quando o mundo disputava a tapa o nosso segundo grão mais importante, agora está tudo ao contrário.

E o mais surpreendente é que o milho safrinha brasileiro, em quebra expressiva, encurtou a oferta mundial.

E as granjas brasileiras – e principalmente os grandes grupos frigoríficos com produção integrada -, que se arrancavam os cabelos diante dos preços altos, forraram suas necessidades contratando importações para 2021 todo.

As vendas externas somente neste mês de dezembro caíram 48,3% em receita, para US$ 448,2 milhões, e 46,5% a menos em volume, para 66,2 mil toneladas, na comparação com o mesmo mês do ano passado.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

Porém, já vinham em queda há três meses.

Em relação às importações, as altas foram expressivas. O volume trazido de fora – da Argentina, na maioria -, foi de 351,8 mil/t nos 13 dias úteis do mês, 42,7% maiores, que resultou em despesas de US$ 84,7 milhões, 119,66% acima, turbinadas por um dólar mais alto.

O resultado, no geral, é que o Brasil deverá ter exportações perto de 15 a 16 milhões/t no acumulado do ano, quando em 2021 ficou em torno de 30 milhões/t.

Claro, as importações, na soma geral, são bem menores, mas as quase 3 milhões/t trazidas do exterior desde janeiro fazem a diferença.

Na medida que o mercado internacional ficou mais acanhado e essas importações entraram, sobrou mais milho na mão do produtor, que deverá entrar em janeiro com preços mais achatados, porque vai sair a safra de verão.

Sim, ela é pequena, perto da de inverno, mas ajudará a carregar mais estoques.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

Quanto à soja…

soja

A China foi buscar 3,63 milhões de toneladas de soja nos Estados Unidos em novembro, quando em outubro somaram apenas 775,3 mil/t.

No Brasil, as compras chinesas, também no mês anterior, superaram em mais de 400 mil toneladas a soma de outubro, e fecharam em 3,75 milhões/t.

O apetite chinês, que vinha melhor para a oleaginosa brasileira, melhorou para os americanos.

Tem analista que insiste na bobagem de que algumas condições logísticas ficaram melhores depois dos prejuízos do furacão Ida nos EUA, facilitando o escoamento.

Nada. O grande comprador global de soja aproveitou seus estoques e foi comprando mais no Brasil, que veio carregado em mais de 15 milhões/t de soja velha para o segundo semestre.

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

E nos últimos dois meses os produtores tiveram que vender para dar lugar a soja nova, com a colheita a partir de janeiro.

Agora, vai rareando a oleaginosa guardada aqui, os preços internos começam a ter prêmios maiores, e os chineses se voltam para o grão americano, que começa a ficar mais barato.

Lembrando que a safra lá foi boa e está recém-concluída.

AGRONEWS® – Informação para quem produz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.