Com 14 GW, Geração Distribuída de Energia Solar ultrapassa Itaipú

Geração Distribuída de energia solar ultrapassa Itaipú e segundo o presidente da Absolar, Rodrigo Sauaia, apesar de ainda não ter acabado, 2022 já é o melhor ano da energia solar já registrado no Brasil na última década.

Mas fique atento, pois os consumidores brasileiros que pretendem instalar sistemas de energia solar em residências e empresas têm menos de 80 dias para solicitar o sistema fotovoltaico antes das mudanças de regras aprovadas pelo Congresso Nacional. Ou você pode contratar um plano de assintura mensal, que é muito mais vantajoso, pois não precisa de investimentos na compra de equipamentos. (Dica no final desta matéria)

Geração Distribuída de Energia Solar ultrapassa Itaipú

A energia solar acaba de ultrapassar a marca de 14 gigawatts (GW) de potência instalada em residências, comércios, indústrias, produtores rurais e prédios públicos no Brasil, a chamada geração distribuída (GD).

Com a nova marca, a GD supera a usina hidrelétrica binacional de Itaipu, segunda maior hidrelétrica do mundo e a maior das Américas, informou a Associação Brasileira de Energia Solar (Absolar).

Com 14 GW, Geração Distribuída de Energia Solar ultrapassa Itaipú

Para o presidente da Absolar, Rodrigo Sauaia, apesar de ainda não ter acabado, 2022 já é o melhor ano da energia solar já registrado no Brasil na última década. A geração própria de energia solar seguirá crescendo a passos largos e deverá praticamente dobrar sua potência operacional instalada, avalia o executivo.

Do final de 2021 para outubro deste ano, a geração própria (GD) de energia solar saltou de 8,4 GW para 14 GW de potência instalada, um crescimento 66,7%, enquanto os investimentos saltaram neste período de R$ 42,4 bilhões para R$ 76,7 bilhões, um aumento de 80,9%”, informa.

Na análise de Ronaldo Koloszuk, presidente do Conselho de Administração da Absolar, o crescimento acelerado dos sistemas fotovoltaicos em residências e pequenos negócios está ligado a fatores como o alto custo da energia elétrica no país, o barateamento dos preços do sistema solar e o período de transição previsto na lei, que garante até 2045 a manutenção das regras atuais aos consumidores que instalarem um sistema solar no telhado até janeiro de 2023.

Prazo de 80 dias para solicitação

Os consumidores brasileiros que pretendem instalar sistemas de energia solar em residências e empresas têm menos de 80 dias para solicitar o sistema fotovoltaico antes das mudanças de regras aprovadas pelo Congresso Nacional.

Pela Lei nº 14.300/2022, publicada no início deste ano, há um período de transição que garante até 2045 a manutenção das regras atuais aos consumidores que solicitarem o parecer de acesso de sistemas de geração própria de solar até o final de 6 de janeiro de 2023.

De acordo com a entidade, o país possui atualmente mais de 1,3 milhão de sistemas solares fotovoltaicos conectados à rede. Desde 2012, foram mais de R$ 76,7 bilhões em novos investimentos, que geraram mais de 420 mil empregos acumulados no período, espalhados em todas as regiões do Brasil, e uma arrecadação de R$ 17,9 bilhões.

Segundo a Absolar, a tecnologia solar fotovoltaica já está presente em 5.509 municípios e em todos os estados brasileiros, sendo que os estados líderes em potência instalada são, respectivamente: Minas Gerais, São Paulo, Rio Grande do Sul, Mato Grosso e Santa Catarina.

A fonte lidera com folga o segmento de geração distribuída, com mais de 99,9% das instalações do país. Em número de sistemas instalados, os consumidores residenciais estão no topo da lista, com 78,8% das conexões.

Em seguida, aparecem os pequenos negócios dos setores de comércio e serviços (11,4%), consumidores rurais (7,9%), indústrias (1,7%), poder público (0,3%) e outros tipos, como serviços públicos (0,02%) e iluminação pública (0,005%).

Em potência instalada, os consumidores residenciais lideram o uso da energia solar, com 48,4% da potência instalada no país, seguidos de perto pelos pequenos negócios dos setores de comércio e serviços (29,8%), consumidores rurais (13,9%), indústrias (6,8%), poder público (1,1%) e outros tipos, como serviços públicos (0,1%) e iluminação pública (0,01%).

Redução nos custos de energia

iGreen Energy – maior comercializadora de Energia Solar do Brasil, é a responsável por fazer a conexão entre as fazendas solares e os consumidores, oferece um tipo de energia solar por assinatura. E diferente de algumas comercializadoras que até oferecem um desconto fixo de cerca de 15%, a iGreen oferece uma opção onde é possível aumentar consideravelmente este desconto, chegando a casa dos 95%.

Entre as vantagens que nós já conhecemos do uso de energia solar a iGreen destaca:

  • Economia de 15% todos os meses somente com a assinatura, sem a necessidade de indicações;
  • Sem custos adicionais;
  • Sem burocracia e riscos;
  • Sem fidelidade;
  • Sem investimentos em placas solares e instalações;
  • Amigo do meio ambiente;
  • Possibilidade de aumento gradativo dos descontos (cashback);
  • É a energia do futuro e que mais cresce no mundo.

Energia solar por assinatura

O termo técnico da “energia solar por assinatura” chama-se geração compartilhada. Na prática, o modelo permite que as fazendas solares compartilhem a energia gerada com outras pessoas. Essa revolução está acontecendo no Brasil graças a Lei 14.300 de 06 de janeiro de 2022.

Se você tem interesse em assinar um plano de energia solar, preencha o formulário abaixo que entraremos em contato com você.

* Com informações da CNN

AGRONEWS® é informação para quem produz

Siga o Agronews® nas redes sociais

Facebook AgronewsInstagram AgronewsTelegram AgronewsYoutube AgronewsWhatsapp Agronews

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *