Dicas de EspecialistasNotícias

Inteligência Artificial brasileira mede peixes automaticamente

A criação de peixes é uma importante fonte de proteína animal e uma atividade econômica vital em muitos países, incluindo o Brasil. Recentemente, cientistas da Universidade Estadual Paulista (Unesp) no Brasil desenvolveram um programa de inteligência artificial (IA) que permite medir peixes pacu de forma precisa e em tempo real.

Esta tecnologia inovadora tem o potencial de revolucionar a maneira como a criação de peixes é feita no Brasil, melhorando a produtividade e a eficiência da criação de peixes e ajudando a reduzir os custos de produção. Além disso, a IA também pode ajudar a prevenir o estresse e a transmissão de doenças para os peixes durante o processo de medição.

A criação de peixes no Brasil está prestes a receber um importante impulso graças a esta tecnologia desenvolvida no país, confira!

Inteligência Artificial brasileira mede peixes automaticamente

Uma equipe de cientistas da Universidade Estadual Paulista (Unesp), no Brasil, desenvolveu um programa de inteligência artificial que permite medir peixes pacu de forma precisa e em tempo real. O software foi desenvolvido para ajudar os pesquisadores a obter dados mais precisos sobre a reprodução de peixes e foi publicado na revista Aquaculture.

Normalmente, para avaliar o crescimento de um grande número de pacus (Piaractus mesopotamicus), é necessário medir e pesar cerca de 2.000 animais por geração, o que pode levar dias e ser um processo estressante e que pode transmitir doenças. A equipe de pesquisadores criou um protótipo que pode melhorar as questões genéticas da espécie para aumentar a produtividade e reduzir os custos de produção.

De acordo com Diogo Hashimoto, professor do Centro de Aquicultura da Unesp de Jaboticabal e um dos autores do estudo, medir os peixes manualmente pode resultar em menos dados, pois pode estressar os animais e transmitir doenças, além de consumir tempo valioso. Para solucionar esses problemas, os pesquisadores automatizaram o processo, “Automatizamos o processo, treinando a máquina com fotos de pacus e etiquetando cabeça, corpo , cintura pélvica e nadadeiras. Agora temos um aparelho portátil que pode ser levado a campo para fazer isso rapidamente e classificar os melhores animais”, diz pesquisador

Inteligência Artificial brasileira mede peixes automaticamente
Amostras com corpo redondo (topo) e corpo elíptico. À direita, peças selecionadas pelo programa via aprendizado de máquina | Foto: Diogo Hashimoto/UNESP

Para criar o modelo, os cientistas usaram fotos de pacus para treinar a máquina a identificar a cabeça, o corpo, a cintura pélvica e as nadadeiras do peixe. O resultado foi um aparelho portátil que pode ser levado a campo para fazer medições rapidamente e classificar os melhores animais.

Abaixo vamos citar apenas 5 benefícios no emprego de inteligência artificial na piscicultura:

  1. Medições mais precisas: A utilização da inteligência artificial permite a realização de medições mais precisas dos peixes, o que pode ajudar a obter dados mais precisos sobre a reprodução desses animais.
  2. Maior velocidade: Ao automatizar o processo de medição, é possível obter resultados mais rapidamente do que se fosse necessário fazer as medições manualmente.
  3. Menor estresse para os peixes: A medição manual de peixes pode ser estressante para os animais, enquanto a utilização de uma máquina para realizar essas medições pode ser menos estressante.
  4. Prevenção de doenças: Ao realizar as medições manualmente, há o risco de transmitir doenças para os peixes. A utilização de uma máquina para realizar as medições pode ajudar a prevenir essa transmissão de doenças.
  5. Redução de custos: Ao automatizar o processo de medição, é possível reduzir o tempo e os recursos necessários para realizar essas medições, o que pode levar a uma redução dos custos de produção.

O programa também se mostrou mais resistente do que outras tecnologias de seleção de fenótipos disponíveis para outras espécies, como a tilápia. Ele consegue reconhecer e medir as diferentes partes do pacu mesmo quando estão na lateral do tanque, com condições de luz variáveis e poluição visual de fundo.

Inteligência Artificial brasileira mede peixes automaticamente

Melhoramento genético e evolução tecnológica

Os pesquisadores utilizam a seleção fenotípica para melhoramento genético em todo o setor agropecuário brasileiro, que é líder mundial na produção de proteína animal a partir de frangos, bovinos de corte e suínos. Na piscicultura, no entanto, esse tipo de tecnologia está disponível apenas para salmão e tilápia, ambos espécies exóticas e produzidas em massa em todo o mundo, com a maioria das inovações vindo do exterior.

Os pesquisadores da Unesp decidiram inicialmente selecionar indivíduos com maior probabilidade de gerar descendentes com corpo redondo“, explicou Hashimoto. Pacus de corpo redondo tendem a ser mais atrativos no mercado, pois têm maior rendimento em lombo e costela, cortes mais consumidos. Para isso, é necessário selecionar peixes com altura e largura semelhantes.

Enquanto existem tecnologias de seleção de características fenotípicas para outras espécies, como tilápia e salmão, a IA desenvolvida pela Unesp se destaca. “Nosso programa consegue reconhecer e medir as diferentes partes do pacu mesmo na lateral do tanque, com poluição visual do fundo e condições de luz variáveis“, disse Hashimoto. “Os sistemas desenvolvidos para a tilápia usam luz controlada e fundo padronizado“, completa.

Os pesquisadores acreditam que a sistematização dos fenótipos do pacu em grandes bancos de dados permitirá selecionar os indivíduos com características que desejam preservar ou melhorar em futuras gerações. Além disso, o programa pode ajudar a reduzir a dependência do Brasil de espécies exóticas para a piscicultura, como o salmão e a tilápia.

Por Vicente Delgado – AGRONEWS®

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo