Uso do DDG de milho em MT pode dar um salto na produção de proteína animal

Por Bianca Mortelaro – AGRONEWS®

Pecuaristas de Mato Grosso avaliam positivamente o crescimento do setor e consideram o uso do DDG de milho como um alívio para o bolso do produtor

De acordo com a Unem, a previsão é que a produção de DDG no Brasil ultrapasse 2 milhões de toneladas em 2021/22, valor 60% a mais que as 1,3 milhão de toneladas produzidas na safra anterior. A entidade projeta alcançar 6 milhões de toneladas do farelo proteico até 2029 e Mato Grosso tem previsão de aumentar número de plantas destinadas a produção do etanol de milho, contribuindo consequentemente para o aumento da sobra de DDG.

Importância econômica do DDG de milho para Mato Grosso

Segundo levantamento feito pela Federação das Indústrias de Mato Grosso – FIEMT, somente este ano as indústrias mato-grossenses movimentaram US$ 22,4 milhões, enviando cerca de 73 mil toneladas ao exterior. O levantamento mostra ainda que as exportações de DDG realizadas pelo estado representam 94,53% dos embarques internacionais. Grande parte do produto foi exportado para Nova Zelândia, cerca de 28 mil toneladas com ganho de US$9 milhões, e para a Arábia Saudita, exportado 26 mil toneladas e com ganho de US$ 8 milhões.

DDG de milho em MT
Francisco Manzi – Diretor técnico da Associação de Criadores de Mato Grosso – Acrimat

Em entrevista ao Agronews®, o diretor técnico da Associação de Criadores de Mato Grosso – Acrimat, Francisco Manzi, comentou sobre o impacto econômico do DDG em Mato Grosso e pontuou que “Os principais pilares da pecuária moderna são a genética, a nutrição, o manejo e o fator sanitário. Sendo que a nutrição responde por grande parte da rentabilidade econômica, e com isso, o impacto é bastante positivo.”, explica Chico Manzi.

Chico relembra que “a transformação do milho para o DDG agrega valor à produção. Como exemplo disso podemos citar que a variação de preço de uma saca de 60 quilos de milho é comercializada entre R$ 60,00 e R$ 86,00 já a tonelada do subproduto do milho é comercializada entre R$ 940,00 e R$ 1,1 mil reais.”, comenta Manzi.

Uso de DDG na produção de proteína animal

O DDG tem sido cada vez mais utilizado por pecuaristas pelo seu custo-benefício, mas quais são as vantagens em adicionar este produto na dieta dos seus animais? E como se dá o seu processo de origem?

Antes de mais nada é importante você saber que o DDG é uma sigla em inglês para “Dried Distillers Grain – Grãos Secos de Destilaria” é um subproduto da produção do etanol, obtido a partir da fermentação do amido de grãos de milho. Sua preparação se inicia com a moagem do milho, seguido pela etapa de fermentação e destilação, surgindo assim o etanol e um material residual. A partir deste material residual são produzidos três produtos: óleo, solúveis e o WDG. Após o WDG ser submetido ao processo de secagem, origina-se o DDG.

O teor de umidade deste subproduto está em torno de 10 à 12%, permitindo que seu armazenamento, assim como a maioria dos outros concentrados, seja em galpões expostos ao ar. Em se tratando dos teores de proteína bruta, o DDG apresenta em média 25 a 32%, sendo este o principal motivo para sua utilização, por ser um forte substituto ao farelo de soja (que possui 43% de proteína bruta).

Este produto é utilizado há anos por pecuaristas de países como Estados Unidos e Paraguai, e com a expansão do mercado do etanol de milho no Brasil ele também começa a ser ofertado no mercado nacional, com importante relevância para a nutrição do gado de corte.

DDG de milho em MT
Aldo Rezende Telles – presidente da Associação dos Criadores Nelore de Mato Grosso – ACNMT

O pecuarista e presidente da Associação dos Criadores Nelore de Mato Grosso – ACNMT, Aldo Rezende Telles, relatou ao Agronews® que há 2 anos faz uso do DDG Ouro, pois contém mais fibra e um pouco menos de proteína (20%) e de energia (85% de NDT) que o DDG tradicional. Aldo pontuou que está satisfeito com o resultado obtido. “Minha experiência é bastante positiva, tanto que eu uso em minha propriedade em Cuiabá/MT apenas o DDG como proteína para o gado.”, avalia.

Segundo a Prodap, empresa de soluções para a pecuária de corte, leite e fábrica de ração animal, que faz assessoria para o presidente da Nelore-MT, o uso do DDG fica em média de 15% a 20% mais barato do que uma nutrição convencional com a mesma qualidade.

Uma tonelada de milho pode produzir de 300 a 350 kg de DDGS, com pelo menos 30% de proteína bruta, índice menor do que o do farelo de soja, que tem 45% de valor proteico, mas muito acima do encontrado no farelo de milho, com 8% de proteína.

Aldo Rezende ressalta ainda a importância do DDG de milho tanto para a pecuária quanto para a agricultura de Mato Grosso. “Com a produção do Etanol por um preço razoável, isso viabiliza o preço do milho, mantendo uma estabilidade no mercado que agrada também o agricultor.”, conclui Aldo.

DDG na dieta dos bovinos

Quais vantagens e desvantagens este produto tem na alimentação do gado?

Vantagens

  • Bons níveis de energia em sua composição, podendo ser utilizado também como concentrado energético.
  • Bom custo-benefício em comparação a outros alimentos energéticos proteicos presentes na composição das dietas dos bovinos.
  • Devido sua escassez em amido e rico em fibra, ele é um ótimo produto para reduzir a acidose ruminal.

Produto seguro no ponto de vista nutricional desde que se observe cuidados técnicos e os cuidados de armazenamento.”, afirma Chico Manzi.

Desvantagens

  • Apesar dos subprodutos da indústria de etanol apresentarem uma alta quantidade de fibra, não se deve utilizá-lo como possível substituto de volumoso, pois apresenta pouca efetividade no rúmen por ser altamente digestível;
  • Por se tratar de um subproduto, existe uma variação inerente ao sistema produtivo. Por isso a avaliação da matriz nutricional deste insumo deve ser constante, por exemplo, se falamos de um produto com 40%, mas chegando na fazenda tem 43%, isso muda toda a composição e a fórmula que se trabalharia com o gado.

Alívio para o bolso do produtor

Em resumo, o uso do DDG deu um “alívio” nos custos de dieta dos confinadores, mas exige que cada vez mais, deva ser estudado e aperfeiçoada a sua aplicação.

A inclusão do DDG de milho na dieta dos bovinos tende a ser cada vez mais utilizado, podendo assim fazer a diferença não só nos resultados da produção agropecuária de Mato Grosso, mas pode ajudar o país economicamente.

AGRONEWS® é informação para quem produz

2 thoughts on “Uso do DDG de milho em MT pode dar um salto na produção de proteína animal

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.